Arquivo

Posts Tagged ‘Santidade’

Nosso papel na Santificação

“Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, eu me glorie de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente.” (Fp 2.12-16)

No texto introdutório de Filipenses 2.12-16, há alguns elementos interessantes:

1) A salvação precisa ser desenvolvida

“… desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor;”(Fp 2.12)

Antes de tudo, é importante ressaltar que a salvação é um estado, proporcionado por uma obra realizada exclusivamente por Deus, em Cristo, na cruz do Calvário. Ou o ser humano está salvo ou está perdido. Se está perdido, enquanto estiver vivo poderá ser alcançado por essa obra redentora de Cristo e tornar-se um salvo. Uma vez salvo, salvo para sempre, na visão da teologia reformada calvinista.

Na bíblia, a pessoa salva por Cristo é considerada nascida de novo, regenerada. Então, tal qual um novo ser experimenta um processo biológico de desenvolvimento (físico, mental, emocional, social etc), o novo filho de Deus precisa desenvolver-se nesse novo estado. Caso contrário, será um eterno recém-nascido (1Co 3.1-2).  No texto, está explicito que os salvos devem realizar essa importante tarefa – “desenvolvei”.

2) Deus tem um papel relevante nesse processo

“porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.”(Fp 2.13)

Se, no versículo anterior, parecia que a tarefa seria realizada exclusivamente pelo crente salvo; agora, o apóstolo revela que Deus participa efetivamente nesse processo. Ele age, tanto no infundir no salvo, o querer fazer, quanto na execução. Afinal, não poderia ser diferente. Se o Espírito de Deus habita nele, este mesmo Espírito irá sempre impulsioná-lo a agradar a Deus e a fazer a sua vontade.

Portanto, esse desenvolvimento da salvação, que inclui, ou até mesmo se confunde com o processo de santificação, é realizado através de uma bela parceria entre Deus e o salvo!

Santificação – Não agir ou agir, eis a questão!

“O quietismo é uma doutrina e prática espiritual cujas origens remontam ao século XVII e a figura mais representativa desta controvertida corrente da mística cristã, o sacerdote espanhol Miguel de Molinos. O quietismo se difundiu na Europa, especialmente na França, Itália e Espanha. Segundo a doutrina quietista, o fiel alcançaria a Deus mediante a oração contemplativa e a passividade da alma. No estado de quietude, a mente humana se torna inativa, já não apresenta vontade própria, mas permanece passiva, sendo Deus mesmo quem opera nela. Para os críticos do quietismo, ele reduz ou elimina por completo toda responsabilidade moral do ser humano.” (Wikipédia)

Se, por um lado, o quietismo leva a pessoa a um estado de reclusão e passividade, deixando tudo por conta de Deus, o pietismo se coloca no sentido do outro extremo. “O pietismo é um movimento oriundo do luteranismo que valoriza as experiências individuais do crente. Tal movimento surgiu no final do século XVII, como oposição à negligência da ortodoxia luterana para com a dimensão pessoal da religião, e teve seu auge entre 1650-1800.” (Wikipédia)

Nada acontece por acaso. No ápice da Idade Média (séculos 13 a 15), a Igreja Católica já havia acolhido e institucionalizado muitas crenças e práticas oriundas do paganismo e, muitas outras, estranhas à bíblia. A igreja estava deteriorada na sua essência. Então, a reforma aconteceu (século 16). Como era de se esperar, no período pós-reforma, principalmente no século 17, houve grande preocupação e interesse pelo rigor doutrinário – ortodoxia protestante. Era necessário produzir material contendo um novo posicionamento teológico para a igreja que emergia da reforma, lastreado na revelação bíblica. Certamente a ênfase e foco acentuados numa teologia que deveria se distinguir da teologia e tradição da igreja romana deixou alguma lacuna na prática da fé cristã. A ênfase na fidelidade doutrinária tirou um pouco o foco da piedade cristã. Surge, então, o movimento pietista alemão, também visto como “a fuga da ortodoxia morta”, cujo mentor e pioneiro é Philip Jacob Spener (1635-1705), de Confissão Luterana, conhecido pela sua obra Pia desideria (1676). “Em suas obras e comportamento Spener revela estar preocupado com a piedade prática dos cristãos, resgatando o sentido de uma experiência viva com Deus. Deste princípio fundamental, outros pontos parecem ser decorrentes:[1]

a) Sacerdócio universal dos crentes Todos os crentes devem participar dos serviços religiosos, ensinando e ajudando uns aos outros, sendo assíduos nos estudos bíblicos etc.
b) Cultivo da vida espiritual Leitura sistemática da bíblia, oração e abstinência – combate ao jogo, bebedeira, bailes e teatro, enfatizando a moderação nas vestes, na bebida e nos alimentos, bem como um comportamento cristão nos negócios, tendo o amor como parâmetro visível da piedade cristã.
c) Rigor na disciplina da igreja Santidade de vida: “Um comportamento santo contribui em muito para a conversão das pessoas, conforme o ensinamento de 1Pedro 3.12.”
d) Teologia com ênfase na vida prática Em detrimento da especulação.
e) A bíblia tem autoridade superior às Confissões Contudo, estas são relevantes, devendo ser ensinadas.
f) A experiência é o fundamento de toda certeza Por isso, apenas um cristão regenerado pode ser um verdadeiro teólogo e possuir um conhecimento real da verdade revelada. Entretanto, Deus fala a sua Palavra mesmo através dos ímpios.

O movimento pietista começou em 1670, quando Spener, a pedido de alguns irmãos, estabeleceu em sua casa, aos domingos e às quartas-feiras, um grupo de estudo da bíblia, oração e discussão do sermão do domingo anterior. Este trabalho, aparentemente despretensioso, proliferou grandemente, recebendo o nome de Collegia Pietatis, de onde proveio a denominação “Pietismo”. Parece que, com o passar do tempo, os Collegia Pietatis ganharam para os seus participantes o status de “igrejas dentro da igreja” (Ecclesiolae in ecclesia), tornando-se exclusivistas e cismáticos[2], fugindo ao propósito de sua criação. Por fim, o pietismo teria se esfacelado em seitas, dentro e fora da Alemanha. Entretanto, o pietismo deixou um legado interessante. Foi responsável pela fundação da Universidade de Halle, na Alemanha, que tornou-se um centro missionário, arrecadando fundos para as missões, bem como preparando missionários para enviá-los a diversas partes do mundo.

As ambivalências da fé cristã

“Um dos grandes desafios da igreja é viver de forma plena a integralidade da fé cristã: profundidade e simplicidade; erudição e piedade.” É preciso conhecer a doutrina que abraçamos, mas também praticá-la: “Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, para promover a fé que é dos eleitos de Deus e o pleno conhecimento da verdade segundo a piedade, na esperança da vida eterna que o Deus que não pode mentir prometeu antes dos tempos eternos.” (Tt 1.1-2). Na vida cristã, na eclesiologia e na teologia temos alguns permanentes confrontos:

Teoria x Prática

Saber x Fazer

Razão x Emoção (emocionalismo exagerado)

Bíblia x Experiência (mística individual)

Fidelidade doutrinária x Piedade cristã

Assentimento intelectual x Fé

Intelectualismo x Misticismo

Ortodoxia x Ortopraxia

Ascetismo[3] x Materialismo

Monasticismo[4] x Mundanismo

Por falar em monasticismo, outro aspecto a se considerar é a diferença entre separar-se e isolar-se. Santificação tem a ver com separação ou com isolamento? Qual o exemplo que Jesus nos deixou? O que a bíblia nos ensina?

Inicialmente é preciso deixar claro que o monasticismo não tem base bíblica. Como ser sal da terra e luz do mundo se nos isolarmos dele? No seu viver diário, no meio do povo, Jesus nos deu o exemplo do que significa estar no mundo sem ser do mundo.

Houve uma época, nem tão distante assim, em que o verdadeiro cristão deveria se distinguir do não cristão – principalmente as mulheres – em suas vestimentas, não usando de pinturas (unhas, lábios, cabelos etc), no linguajar, não frequentando determinados lugares, não participando de determinadas festas (carnaval, festa junina etc), não fumando, não consumindo bebida alcoólica etc. Era uma santidade exteriorizada e estereotipada (clichê), para ser vista. A bíblia não se omite em relação a como se deve trajar e se portar em público. O recomendado sempre foi a decência e moderação, evitando-se a ostentação: “Quero, portanto, que os varões orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira e sem animosidade. Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas).”(1Tm 2.8-10). Sem dúvida, o ensino bíblico traz orientação quanto a aspectos exteriores, porém destaca a santidade interior, a que é do coração: “Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus.” (1Pe 3.3-4). Tudo o que a igreja não precisa e não deve ser é um povo esquisito e alienado, isolado da sociedade em que vive.

Entretanto, há muito que aprender no que diz respeito a viver separado do mundanismo que nos cerca. Tem muito “agente secreto de Deus” por aí. Você convive com ele na escola ou no trabalho durante anos e não percebe que se trata de um crente. Não difere em nada dos demais. Tem muito chamado crente com um pé na igreja e o outro no mundo. Estão muito mais empenhados em curtir as trevas do que ser sal da terra e luz do mundo! Os outros estão vendo Cristo em você? O Espírito Santo tem encontrado espaço para agir em e através de você? Ele é o Senhor da tua vida ou um hóspede incômodo, vivendo num cantinho reservado?

Em termos de educação familiar, mais importante do que proibir os filhos de fazer ou participar de determinadas coisas é ensiná-los a fazer boas escolhas e a tomar boas decisões. Quando você chega a um bar há inúmeros itens que você pode pedir. Você pode pedir um maço de cigarro, uma dose de cachaça; mas, também, um cafezinho, um copo de leite ou um salgado. Quando você liga uma TV, ou pretende ir ao cinema ou teatro, não é muito diferente; encontrará boas e más opções. Na vida temos muitas opções de escolha, o importante é saber tomar boas decisões, que possam ser bênção e não maldição. Jesus disse, em certa ocasião: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.” (Mt 7.13-14)

Consideremos, agora, quatro aspectos quanto ao nosso papel na santificação.

1º) Santidade e Crescimento Espiritual

Todos sabemos como se percebe o crescimento de um ser humano. Então, como perceber o crescimento espiritual de uma pessoa? Jesus disse, referindo-se aos falsos profetas, mas é válido para avaliar qualquer pessoa: “Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.” (Mt 7.20). Aquilo que somos é revelado aos outros através daquilo que falamos e fazemos. Quando o apóstolo Paulo se dirige aos crentes de Corinto (1Co 3.1-2) deixa claro que aquele que cresce espiritualmente torna-se um crente espiritual, amadurecido ou adulto na fé. Quem não cresce espiritualmente, continua uma criança na fé, um crente carnal, isto é, focado nas coisas materiais. É como alguém vivendo uma espécie de Síndrome de Peter Pan[5]:

“A Síndrome de Peter Pan foi aceita em psicologia desde a publicação de um livro escrito em 1983 The Peter Pan Syndrome: Men Who Have Never Grown Up ou “síndrome do homem que nunca cresce”, escrito pelo Dr. Dan Kiley.

No entanto não há evidências de que esta síndrome seja uma doença psicológica real, e por isso não está referenciada nos manuais de transtornos mentais. Não consta, por exemplo, no DSM IV (Diagnostic and Statistical Manual). Esta síndrome caracteriza-se por determinados comportamentos imaturos em aspectos comportamentais, psicológicos, sexuais ou sociais. Segundo Kiley, o indivíduo tende a apresentar rasgos de irresponsabilidade, rebeldia, cólera, narcisismo, dependência e negação ao envelhecimento. Geralmente crianças superprotegidas adquirem este distúrbio que podem levar para vida toda.” (Wikipédia)

2º) Santidade e Missão

Outra forma de perceber o progresso na santificação é através do engajamento do crente na missão a ele confiada por Deus. Somos parte do corpo de Cristo, temos todos um comissionamento geral (Ide por todo o mundo e pregai o evangelho), somos embaixadores de Cristo neste mundo (2Co 5.20). Além disso, como membros deste corpo, precisamos encontrar, aceitar e desempenhar a nossa função e missão específicas (Ef 4.15-16; comp. Rm 12.4-5; 1Co 12.18). Isso, certamente nos fará crescer em santidade.

3º) Santidade e Imitação a Cristo

No texto de Filipenses 2.5-8 o apóstolo Paulo descreve alguns elementos importantes vivenciados por Jesus, no cumprimento da sua missão, que nos servem de exemplo, no cumprimento da nossa missão e crescimento espiritual. É claro que há outras tantas virtudes recomendadas ao cristão.

a) Amor

“Tende em vós o mesmo sentimento que também houve em Cristo Jesus,” (v.5)

O carro chefe, o elemento primeiro e mais forte é o amor a Deus e ao próximo: “…tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim.” (Jo 13.1)

b) Humildade

“a si mesmo se humilhou” (v.8a)

Se Jesus, sendo Deus, tomou a forma humana, por que não podemos esvaziar-nos de nós mesmos e assumirmos a forma de servo?

c) Obediência

“tornando-se obediente até à morte” (v.8b; comp. Hb 5.8)

Na posição de Deus-encarnado, como ser humano, ele experimentou a prática da obediência. No caso, obediência extrema que lhe custaria a entrega da própria vida (Jo 10.18).

d) Sofrimento

“e morte de cruz.” (v.8c)

Não quer dizer, necessariamente, que tenhamos que enfrentar sofrimento e martírio. Entretanto, o ápice da santificação pode ser demonstrado quando nos dispomos a abrir mãos da própria vida por amor a Deus e à salvação dos perdidos: “Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus.” (At 20.24)

4º) Santidade e dedicação

Quanto de nossa energia e de nosso tempo estamos dispostos a empregar no desenvolvimento da nossa salvação ou santificação? Em termos práticos isso implica em dedicação (dentre outros):

a) Na leitura diária da Bíblia.
b)Na prática diária e contínua da oração (orai sem cessar).
c) Na adoração e culto a Deus: com a vida, palavra e ações.
d) Na participação das atividades da igreja e do Reino.
e) No testemunho de Cristo e evangelização dos perdidos.
f) Na assistência aos necessitados (Tg 1.27 – a verdadeira religião).

Conclusão

Em que pese todas as circunstâncias desfavoráveis que possam surgir, inclusive o fato de vivermos na contracultura desse mundo, com o auxílio de Deus e do Espírito Santo que em nós habita, continuemos na nossa caminhada, fazendo como o apóstolo: “prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Fp 3.14)
…………………………………………..

[1] Revista Expressão – Lições da História da Igreja – Editora Cultura Cristã – pg 8.

[2] O cisma é uma separação de uma pessoa ou grupo de pessoas do seio de uma organização ou movimento, geralmente religioso.

[3] Ascetismo é uma doutrina filosófica que defende a abstenção dos prazeres físicos e psicológicos, acreditando ser o caminho para atingir a perfeição e equilíbrio moral e espiritual.

[4] Monasticismo (do grego monachos, uma pessoa solitária) é a prática da abdicação dos objetivos comuns dos homens em prol da prática religiosa. Várias religiões têm elementos monásticos, embora usando expressões diferentes: budismo, cristianismo, hinduísmo e islamismo. Assim, os indivíduos que praticam o monasticismo são classificados como monges (no caso dos homens) e monjas (no caso das mulheres). Ambos podem ser referidos como monásticos e, por norma, vivem na chamada clausura monástica. É uma forma de ascetismo organizado.

[5] Peter Pan é um personagem criado por J. M. Barrie para sua notória peça de teatro intitulada Peter and Wendy, que originou um livro homônimo para crianças publicado em 1911, e de várias adaptações destes para o cinema. O personagem é um pequeno rapaz que se recusa a crescer e que passa a vida a ter aventuras mágicas. James Matthew Barrie, mais conhecido simplesmente como J. M. Barrie, inventou Peter Pan quando contava histórias aos filhos da sua amiga Sylvia Liewelyn Davies, os Liewelyn Davies boys, com quem mantinha uma relação de amizade muito especial. O nome provém de duas fontes: Peter Liewelyn Davies, o mais novo dos rapazes naquela época e de Pan, o deus grego das florestas. (Wikipédia)


Nota: esboço pessoal de aula, preparado por mim, para facilitar a ministração da Aula 4 (Nosso papel na santificação) – Módulo 1 – EBD Catedral 2017, de modo a atender a temática proposta no material elaborado por colaboradores para os alunos.

Anúncios

A santificação ilustrada

Gostaria de desafiá-los a refletir um pouco sobre alguns personagens bíblicos e verificar como eles ilustram quatro aspectos da santificação:

1. O chamado para a santidade:

Abraão, o patriarca judeu e pai na fé dos judeus e cristãos, passou pela experiência de ser chamado por Deus do meio de um povo pagão e idólatra, para formar um novo povo, o povo de Deus (Gn 12). De certa forma foi um chamado físico e geográfico; sair do meio de um povo (Caldeus) e de uma terra (Ur) para formar outro povo (Israel) em outra terra (Canaã). Como igreja e como cristãos, somos “chamados para fora”[1] do mundanismo, das práticas pecaminosas e de lugares onde acontecem eventos e programações que desagradam a Deus, para fazer parte do povo de Deus, tributando-lhe adoração e servindo-o.

2. O desafio da santidade:

José e Daniel são personagens bíblicos que viveram experiências contrárias, em certo sentido, às de Abraão. Ambos foram retirados à força do meio do povo de Deus para viverem no meio de povos pagãos e idólatras, em outras terras (Egito e Babilônia). Também foi um movimento físico e geográfico, envolvendo uma missão tremendamente desafiadora. Eles foram obrigados a viver em condições completamente desfavoráveis à uma vida de santidade, cumprindo uma missão divina e maior de preservação da vida dos povos e testemunhando a verdade de que só há um Deus vivo e verdadeiro. Como igreja e como cristãos, na maioria das vezes somos desafiados a trabalhar e viver no meio de uma geração perversa, desempenhando o papel preservador de sal da terra e luz do mundo (Mt 5.13-14).

3. A restauração da santidade:

Jacó, Gideão e tantos outros personagens bíblicos servem de exemplo de que mesmo o chamado povo de Deus se contamina com o pecado e precisa confessá-lo e deixá-lo para ser perdoado e poder contar outra vez com a presença, proteção e poder de Deus. Com Jacó percebemos a importância dos pais nesse processo de restauração da santidade na família (Gn 35.1-5). Com Gideão, aprendemos que, a restauração espiritual de uma família e de um povo pode começar por um filho (Jz 6.15-16, 25-27).

4. O desprezo a santidade:

Noé, e tantos outros personagens bíblicos retratam épocas e contextos de povos que viviam à margem da santidade. Pela misericórdia de Deus apenas o remanescente fiel foi preservado, enquanto o juízo divino trouxe a condenação e a destruição de todos os impenitentes. A exemplo do que ocorreu pontualmente, no passado, a maior parte da humanidade caminha a passos largos para o abismo. Apenas o remanescente fiel que se guardar puro será poupado do terrível e derradeiro juízo de Deus que em breve há de se manifestar neste mundo. “Disse-me ainda: Não seles as palavras da profecia deste livro, porque o tempo está próximo. Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se. E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras.” (Ap 22.10-12)

[1] Igreja é ECCLESIA (lat.) ou  EKKLESIA (gr.). “EK”, significa “movimento para fora” e “KLESIA”, do verbo KALEO (gr.), “chamar”. A Septuaginta (100 aC) emprega o termo quando traduz a palavra hebraica “kahal”, que designava a congregação dos israelitas como uma coletividade nacional. Logo, “ekklesia “ é a assembleia dos “chamados para fora” do sistema mundano que aí está, para viverem como filhos de Deus, na casa do Pai Celeste.

Porém eu

Porém Eu

Introdução:

Quando num determinado ponto da fala ou da frase se insere um “porém eu”, fica clara a intenção de expressar algo da própria individualidade que se contrapõe ao que se dizia ou escrevia. Estamos diante de mais um salmo de Davi, o Salmo 5, que confronta Deus, o justo e os ímpios. Desse confronto sempre se pode colher ensinamentos edificantes, úteis para qualquer um, em qualquer época.

1. PORÉM EU….SIRVO AO DEUS VIVO E VERDADEIRO (Sl 5.1-6)

Pode até parecer repetitiva e lugar comum essa afirmação, mas vamos combinar, vivemos num mundo em que a maioria não crê, não teme e não serve ao Deus vivo e verdadeiro. E, isso sempre foi assim. Não é sem razão que os dez mandamentos iniciam focando este ponto. Este salmo 5, nos seis primeiros versículos, apresenta quatro características desse Deus. Ele é aquele que:

a) Ouve a oração e o clamor do seu povo (vv.1-2).

“Dá ouvidos, SENHOR, às minhas palavras e acode ao meu gemido.  Escuta, Rei meu e Deus meu, a minha voz que clama, pois a ti é que imploro.”

É preciso orar e perseverar em oração, pois nosso Deus não é como os ídolos, obra das mãos e das mentes dos homens.

b) Opera no tempo por ele determinado (v.3)

“De manhã, SENHOR, ouves a minha voz; de manhã te apresento a minha oração e fico esperando.”

O melhor a fazer é iniciar o dia colocando nossas vidas e necessidades diante do Pai Celeste e esperar sua resposta sem nunca esmorecer.

c) Exige santidade de vida (v.4)

“Pois tu não és Deus que se agrade com a iniquidade, e contigo não subsiste o mal.”

Sua perfeição demanda de nós um alto padrão de conduta: “…Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito.” (Gn 17.1)

d) Rejeita e destrói os ímpios (vv.5-6)

“Os arrogantes não permanecerão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a iniquidade. Tu destróis os que proferem mentira; o SENHOR abomina ao sanguinário e ao fraudulento;”

Os que optaram por trilhar o caminho mau, além de rejeitados, não serão poupados.

2. PORÉM EU….BUSCO A SUA PRESENÇA (Sl 5.7)

a) Não é pelo meu próprio mérito (v.7a)

“porém eu, pela riqueza da tua misericórdia, entrarei na tua casa”

Somos pecadores, contemplados pela misericórdia do Senhor, pela sua infinita e preciosa graça e, assim, justificados pela fé, temos acesso à sua presença. No AT o Tabernáculo e, depois, o Templo eram a expressão máxima da presença de Deus no meio do seu povo. No NT, o Deus vivo e verdadeiro habitou (“tabernaculou”) entre nós, por meio de seu Filho Jesus (Jo 1.14). Após a ascensão de Jesus, no Pentecostes o Espírito Santo também desceu para fazer morada em nós (Jo 14.17). Nosso maior privilégio hoje não é o de ter acesso a um templo feito por mãos, mas buscar a comunhão do Deus que habita em nós. Os ímpios não desfrutam deste privilégio!

b) Não é de qualquer forma (v.7b)

“e me prostrarei diante do teu santo templo, no teu temor.”

É com temor e tremor que nos aproximamos do Senhor. É com atitude de respeito e reverência que falamos com ele ou nos referimos a ele. Cuidado com expressões do tipo “o cara lá de cima”.

3. PORÉM EU….TENHO FOME E SEDE DE JUSTIÇA (Sl 5.8-10)

Muitas são as necessidades que nos levam a orar. O salmista Davi destaca aqui duas delas:

a) Por uma vida de retidão (vv.8-9)

“SENHOR, guia-me na tua justiça, por causa dos meus adversários; endireita diante de mim o teu caminho; pois não têm eles sinceridade nos seus lábios; o seu íntimo é todo crimes; a sua garganta é sepulcro aberto, e com a língua lisonjeiam.”

Para que o meu pensar, sentir e agir agrade ao Senhor e em nada se assemelhe ao estilo de vida dos meus adversários. O problema do Brasil e do mundo é antes de tudo espiritual, ético e moral.

b) Pela condenação e rejeição dos ímpios (v.10)

“Declara-os culpados, ó Deus; caiam por seus próprios planos. Rejeita-os por causa de suas muitas transgressões, pois se rebelaram contra ti.”

Em muitos Salmos e textos do AT há um tom de imprecação. A oração imprecatória não soa bem aos ouvidos cristãos. Diante da maldade, da opressão, da violência ou da injustiça, eles não só clamavam ao Senhor por suas vidas, mas também pediam a Deus que fizesse cair sobre os seus inimigos os piores males. Assim, se unem numa mesma oração, as súplicas mais ardentes e as mais violentas imprecações (Sl 58.6-11; 83.9-18; 109.6-19; 137.7-9). De fato, na época do AT, naquele contexto, prevalecia no âmbito do povo de Israel o conceito de que a obediência a Deus e aos seus mandamentos, deveria ser recompensada na vida presente, com longevidade e prosperidade; enquanto os transgressores da lei mosaica (judeus) e os ímpios (pagãos) deveriam receber o seu justo castigo o quanto antes, para que ficasse evidente que há um Deus vivo e presente, retribuindo a cada um conforme suas ações (Sl 7.9; 37.28; 75.10; 58.11).

4. PORÉM EU….SOU ABENÇOADO E GUARDADO PELO SENHOR (Sl 5.11-12)

 “Mas regozijem-se todos os que confiam em ti; folguem de júbilo para sempre, porque tu os defendes; e em ti se gloriem os que amam o teu nome. Pois tu, SENHOR, abençoas o justo e, como escudo, o cercas da tua benevolência.”

Finalmente, o salmo termina com um tom de regozijo e confiança. O justo não está isento de provações; dos momentos difíceis. Mas sobre ele deve repousar a certeza de que há um Deus, Todo Poderoso, que zela por sua vida e detém o controle de todas as coisas.

Conclusão:

Estamos vivendo dias complicados que precedem a volta do Senhor Jesus. Tempos em que as práticas pecaminosas dominam a sociedade e pressionam as igrejas evangélicas. Muitas já estão sucumbindo; “…porém eu, pela riqueza da tua misericórdia, entrarei na tua casa e me prostrarei diante do teu santo templo, no teu temor.” (Sl 5.7)

Na galeria dos que responderam com um, “porém eu”, poderíamos colocar alguns homens e mulheres de Deus que se dispuseram a fazer toda a diferença, tais como:

Moisés, tinha tudo para usufruir do status de príncipe do Egito, mas respondeu com um sonoro “porém eu” prefiro ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado. (Hb 11.24-27).

José, no assédio sexual da mulher de Potifar, lhe deixou claro: outros, no meu lugar, aceitariam com prazer a tua proposta, porém eu, não desonrarei o meu patrão e não pecarei contra o meu Deus – “…como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gn 39.9)

Josué, disse ao povo de Israel que escolhesse entre servir aos deuses daquelas nações e servir ao SENHOR, e acrescentou sua posição individual, o seu porém eu: “Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.” (Js 24.15b).

Daniel, na corte de Nabucodonozor, deixou claro: outros, no meu lugar, aproveitariam os banquetes do rei, enquanto o povo exilado padece, porém eu, não me contaminarei com as finas iguarias do rei, nem com o seu vinho. (ver Dn 1.8)

Neemias, disse aos nobres e magistrados do seu povo, que haviam retornado do exílio: “Mas os primeiros governadores, que foram antes de mim, oprimiram o povo e lhe tomaram pão e vinho, além de quarenta siclos de prata; até os seus moços dominavam sobre o povo, porém eu assim não fiz, por causa do temor de Deus.” (Ne 5.15)

Maria, irmã de Marta e Lázaro, nos diria: – eu poderia ter me ocupado com muitas tarefas, porém eu, quando vi o Mestre ali ensinando, preferi estar aos seus pés para ouvi-lo (Lc 10.39).

Finalmente, fica aqui a grande indagação: Você será lembrado(a), pelas próximas gerações, pelos seus “porém eu”, que o levaram a alinhar-se com estes que tudo renunciaram por amor a Deus, ou pelos seus “igualmente eu”, que o levaram a alinhar-se com a maioria que segue o curso desse mundo pecador?

A revolta de Coré

Revolta Coré2

Quem foi Coré ou Corá? Quais os motivos da sua rebelião? E o desfecho?

Coré não é muito citado na Bíblia. No Antigo Testamento, há algumas referências aos seus ascendentes e descendentes (os coreítas). Ele era da tribo de Levi, seu bisavô. Seu avô era Coate e seu pai Jizar (ou Isar ou Aminadabe) (Ex 6.21; 1Cr 6.22; Nm 16.1). Seus filhos foram Assir, Elcana, Abiasafe (ou Ebiasafe) (Ex 6.24; 1Cr 6.22. 37; 1Cr 9.9). A história de sua rebeldia encontra-se em Números 16. Há mais duas referências a ele em Números 26.9-11 e 27.3. No Novo Testamento há apenas uma referência a ele, em Judas 11.

1. Quem eram os rebeldes?

Levi

 

O líder dos rebeldes era Coré, bisneto de Levi e primo de Moisés. Portanto, estes eram levitas. Coré se associou a dois irmãos, Datã e Abirão (Nm 16.1, 12, 24, 25, 27; 26.9; Dt 11.6; Sl 106.17), e também a Om, sendo todos eles da tribo de Ruben. Contou ainda com o apoio de duzentos e cinquenta homens, príncipes da congregação, eleitos por ela, homens de renome (Nm 16.2). Todos eles se ajuntaram contra Moisés e Arão, para dar um basta à sua liderança sobre o povo.

 

 2. As causas da rebelião

“Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, ….” (1Sm 15.23)

1ª) Uma visão equivocada

“e se ajuntaram contra Moisés e contra Arão e lhes disseram: Basta! Pois que toda a congregação é santa, cada um deles é santo, e o SENHOR está no meio deles; …” (Nm 16.3a)

Uma coisa é ser chamado para ser santo, outra coisa é ser santo, separado. O verdadeiro líder enfatiza a necessidade dos irmãos viverem em santidade de vida, para desfrutarem da comunhão com um Deus que é Santo. Os falsos líderes promovem a libertinagem e fazem vista grossa para o pecado. Banalizam a Graça Divina e promovem a falta de temor à Santidade de Deus. As condições estabelecidas por Deus a este respeito são muito claras: “Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel.” (Ex 19.5-6). Santidade não é rótulo, mas um “estilo” de vida.

2ª) Ambição pelo poder

“…. por que, pois, vos exaltais sobre a congregação do SENHOR?” (Nm 16.3)

“…. senão que também queres fazer-te príncipe sobre nós?” (Nm 16.13)

A alegação ou acusação dos rebeldes era a suposta usurpação do poder por parte de Moisés e Arão. É espantoso verificar que, mesmo depois de tantas manifestações milagrosas e incontestáveis do poder de Deus pela intermediação de Moisés (pragas, mar se abrindo etc), essa gente pudesse ainda questionar a liderança e autoridade de Moisés e Arão. Percebe-se, da parte deles, uma inveja incontrolável de Moisés. Afinal, por que esse tal Moisés deveria ser o protagonista de tudo isso? Quem era ele? Foi criado na corte de Faraó. Depois de adulto, com quarenta anos de idade, fugiu para uma terra distante, ficando ali outros quarenta anos. Enquanto isso eles habitaram e sofreram junto ao povo cativo. Agora, depois de todo esse tempo, ele vem de fora para se fazer príncipe sobre o povo? Acontece sempre aquela velha e recorrente situação: “antiguidade é posto, temos que respeitar!”, “chegou agora e já quer se sentar à janela?”. O ser humano, inclusive o cristão, precisa entender que, não importa se o líder é de perto ou é de longe. O que realmente importa é se ele é o melhor para a função e, no caso da igreja, se ele é o designado pelo Soberano Senhor dos céus e da terra para exercer aquela liderança!

3ª) Ambição pelo sacerdócio

“acaso, é para vós outros coisa de somenos que o Deus de Israel vos separou da congregação de Israel, para vos fazer chegar a si, a fim de cumprirdes o serviço do tabernáculo do SENHOR e estardes perante a congregação para ministrar-lhe; e te fez chegar, Coré, e todos os teus irmãos, os filhos de Levi, contigo? Ainda também procurais o sacerdócio?” (Nm 16.9-10)

Na matança dos primogênitos dos egípcios, os primogênitos de Israel foram poupados. Assim, os primogênitos de Israel passaram a pertencer ao Senhor. Então, Deus fez uma troca, desses primogênitos (inclusive dos animais), por todos os homens da tribo de Levi (Nm 3.12-13). Quando Deus separou a tribo de Levi das demais tribos de Israel, não lhe deu herança de terra, mas eles deveriam receber cidades no meio das possessões das demais tribos (Nm 35.2ss). Também os consagrou para o serviço de Deus, primeiramente no Tabernáculo, depois, no Templo. Todos os levitas foram designados para exercer algum encargo na tenda da congregação. Eles deveriam atuar sob a liderança de Arão e seus filhos (Nm 3.9). Em Números 3 e 4 as tarefas relativas ao Tabernáculo são distribuídas pelas famílias dos três filhos de Levi: Gerson, Coate e Merari. Basicamente, coube aos filhos de Gerson cuidar da infraestrutura externa (montagem, desmontagem e transporte) (Nm 3.21-26; 4.21-28); aos filhos de Merari cuidar da infraestrutura interna (montagem, desmontagem e transporte) (Nm 3.33-37; 4.29-33); e, aos filhos de Coate cuidar do mobiliário e utensílios sagrados do santuário (montagem, desmontagem e transporte) (Nm 3.27-32; 4.1-20). É importante observar que coube à família de Coate a parte mais delicada, cuidar das “coisas santíssimas” (Nm 4.4), como a arca, com risco de morte: “Isto, porém, lhe fareis, para que vivam e não morram, quando se aproximarem das coisas santíssimas: Arão e seus filhos entrarão e lhes designarão a cada um o seu serviço e a sua carga. Porém os coatitas não entrarão, nem por um instante, para ver as coisas santas, para que não morram.” (Nm 4.19-20). Tudo isso foi estabelecido por Deus, por intermédio de Moisés, inclusive o tão cobiçado sacerdócio: “Mas a Arão e a seus filhos ordenarás que se dediquem só ao seu sacerdócio, e o estranho que se aproximar morrerá.” (Nm 3.10).

A igreja é o corpo de Cristo, onde cada membro tem a sua função. É o próprio Senhor quem vocaciona, chama e elege aqueles que devem ser reconhecidos como líderes do rebanho. É danoso para o Corpo de Cristo, quando alguém ambiciona posições e cargos, para os quais o Senhor não o designou, ou quando queremos impor, pela força, aqueles que o Senhor não escolheu para determinada missão. Cada um tem uma missão importante e específica a realizar no reino de Deus e deve se deixar conduzir pelo Espírito Santo de Deus!

3. O desenrolar da rebelião

  •  A prova do líder e dos santos (Nm 16.4-7; 16-19; 27-30)

“E falou a Coré e a todo o seu grupo, dizendo: Amanhã pela manhã, o SENHOR fará saber quem é dele e quem é o santo que ele fará chegar a si; aquele a quem escolher fará chegar a si.” (Nm 16.5)

Diante da inesperada rebelião, Moisés não teve outra alternativa senão submeter ao Senhor o arbítrio daquela questão. Moisés estabeleceu dia e hora para o confronto entre a liderança espiritual divinamente instituída e a liderança rebelde. A resposta seria dada pelo próprio Deus! Duas situações haveriam de ser julgadas ali: 1ª) Quem é dele; 2ª) Quem é o santo autorizado a aproximar-se do Senhor. As instruções da prova foram passadas. Ambos os lados deveriam comparecer diante de Deus com os seus incensários acesos; Moisés com o fogo tirado do altar e os rebeldes com o fogo estranho (Nm 16.16-19). Na sua fala final, Moisés esclarece que se algo fora do comum, se coisa inaudita acontecesse ali, levando os rebeldes à morte, ficaria provado que ele era um enviado do Senhor e os seus opositores aqueles que desprezaram ao Senhor (Nm 16.27.30)

  • A intransigência dos rebeldes e a ira de Moisés (Nm 16.12-15)

Os rebeldes não demonstraram qualquer interesse em dialogar. Eles fizeram o que é característico dos rebeldes: 1º) Acusar os líderes de não dar ao povo uma boa qualidade de vida; 2º) Acusar os líderes de usurpação de poder, de poder não legitimado pelo povo; 3º) Acusar os líderes de enganar os mais simples. É interessante como Moisés, o homem mais manso da terra (“Era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra.” Nm 12.3) perde a paciência e desabafa com Deus. Aí, quem perde a paciência é Deus e Moisés tenta aplacar sua ira.

  •  A ira divina e a intercessão de Moisés (Nm 16.20-27)

Diante de tanto atrevimento e rebeldia, a vontade de Deus era de exterminar toda a congregação, imediatamente. Essa era já a terceira vez que Deus manifestou este desejo e foi contido por Moisés (Ver as outras duas: Ex 32.10; Nm 14.11). Mais uma vez o Senhor cedeu e aguardou a separação física entre os rebeldes e o restante da congregação (Nm 16.23-26).

 4. As consequências da rebelião

1º castigo: A Coré, Datã e Abirão (Nm 16.31-34)

A terra se abriu e engoliu os três líderes, seus homens e seus bens. E o povo fugiu. Em Números 26.11 há o seguinte registro: “Mas os filhos de Corá (Coré) não morreram.”

2º castigo: Aos 250 príncipes da congregação (Nm 16.35)

Fogo procedente do Senhor consumiu os duzentos e cinquenta homens que se apresentaram diante do Senhor com fogo estranho.

3º castigo: Aos 14.700 murmuradores da congregação (Nm 16.41-50)

Como se as tragédias ocorridas não fossem suficientes para convencer aquela congregação também rebelde, eles tiveram a ousadia de murmurar contra Moisés e Arão, culpando-os de tamanha matança. Mais uma vez a ira divina se manifesta, agora pela 4ª vez (Nm 16.45), para exterminar toda a congregação. A praga dizimou 14.700 murmuradores. Não fora a expiação do povo, providenciada por Arão, sob a ordem de Moisés, toda a congregação teria sido dizimada. Na verdade, desde que a sentença divina fora pronunciada, por ocasião do relatório negativo dos 10 espias, isto é, que os de vinte anos para cima (exceto Josué e Calebe), não entrariam na terra prometida (Nm 14.20-30), a congregação se tornou propensa a rebeldia.

De tudo o que foi exposto anteriormente, fica claro o alto preço que é pago pelos rebeldes e seus seguidores!!!


Este é o terceiro artigo baseado no versículo abaixo:

“Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Coré. (Judas 11)

Veja, também, os seguintes artigos:

  • O caminho de Caim
  • Balaão e o Jogo dos 7 Erros

Diga-me…e eu te direi quem és!

Diga-me

“Diga-me com quem andas e eu te direi quem és”. Quem nunca ouviu este provérbio tão popular? Claro que você já ouviu. Agora, imagina só a ousadia dessa afirmação: pretender definir um ser humano a partir do outro, isto é, de alguém com quem o sujeito se relaciona mais proximamente. A complexidade de um ser, neste caso, humano, é tão elevada que, às vezes, você convive com alguém durante vários anos e ainda pode se surpreender, descobrindo que este alguém não é bem aquilo que você achava. Se você considerar, ainda, que uma pessoa pode mudar várias vezes ao longo do tempo, aí é que a coisa se complica mesmo.

Deixando de lado as elucubrações existenciais do ser e partindo para aspectos mais práticos, do cotidiano de cada um de nós, simples mortais, diria que o provérbio faz sentido. O Profeta Amós mencionou várias situações óbvias, começando por esta: “Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo?” (Am 3.3). O andar aqui mencionado por Amós e o andar do provérbio é muito mais do que um relacionamento eventual e quase obrigatório como no trabalho, na escola etc. É um relacionamento muito mais próximo e contínuo, envolvendo uma agenda comum, comprometimento mútuo, cumplicidade, conivência, alinhamento de ideias e valores etc. Ninguém está disposto a caminhar junto com outra pessoa se ambos não tiverem muito em comum, salvo se por motivos escusos ou interesseiros. Assim, se conhecermos bem aquele ou aquela com quem a pessoa anda, é factível dizer-lhe quem é! Vale lembrar o conselho do salmista: “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido.” (Sl 1.1-3)

Na verdade, a minha intenção neste artigo é fazer uma ponte e combinação, entre este provérbio popular e o que Jesus falou: “porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” (Mt 6.21). Então, o resultado poderia ser assim: “Diga-me qual é o teu tesouro e eu te direi onde está o teu coração” ou, “Diga-me qual é o teu tesouro e eu te direi quem és”. Vamos acrescentar mais esta máxima, de Jesus: “Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.” (Mt 7.20). Fruto é algo muito visível, que traduz necessariamente a essência de quem o produz. Agora, continuando nesta mesma linha bem prática, do cotidiano, quero ser contundente e provocativo para que você se sinta forçado a reavaliar sua prática cotidiana e, se for o caso, alinhar ou realinhar suas atitudes, sua conduta etc, com os mais autênticos valores e princípios bíblicos e cristãos. Como é importante e oportuno fazer essa avaliação de vez em quando. Talvez isso possa ser potencializado, diante das motivações e desafios, de mais um aniversário ou de um novo ano que inicia! Então, vamos lá às afirmações provocativas:

 

  1. “Diga-me as músicas que ouves e as que cantas e eu te direi quem és”. Como anda a tua audioteca? Quantos CDs evangélicos (gospel) e quantos não evangélicos você tem (vale também para outros tipos de mídia, ipod etc)? Que tipo de música você mais frequentemente anda ouvindo ou cantarolando no dia a dia, evangélica ou não evangélica? Jesus disse assim: “Porque a boca fala do que está cheio o coração.” (Mt 12.34b).

 

  1. “Diga-me os vídeos e filmes que vês e eu te direi quem és”. Como anda a tua videoteca? Quantos DVDs evangélicos (gospel) e quantos não evangélicos você tem? O que mais você anda trazendo pra dentro da tua mente ou pra dentro da tua casa? O que você anda vendo na TV? O que te dá prazer ver na TV? Devo admitir que não é fácil encontrar um bom programa evangélico no Rádio ou na TV. Por isso, normalmente dou preferência a programas de notícias.

 

  1. “Diga-me os livros que lês e eu te direi quem és”. Como anda a tua biblioteca? Quantos livros evangélicos (gospel) e quantos não evangélicos você tem? O que mais você anda lendo nos teus momentos de lazer? Está havendo um equilíbrio entre o “sagrado” e o “secular”? Como vai a leitura da bíblia e a oração?

 

  1. “Diga-me que lugares frequentas e eu te direi quem és”. Está na dúvida se deveria ou não ir a determinado lugar? Então faça a pergunta: “Em meus passos, que faria Jesus?” Você acha natural que um cristão veja um filme de cinema de baixo nível moral, ou que faça a apologia ao pecado etc? E para determinadas peças de teatro? Será que fica bem ao cristão participar de shows de rock, bailes funks, pagodes etc, em ambientes completamente avessos ao evangelho? Fica bem ao cristão participar de shows Gospels que em nada glorificam a Deus? Você acha que uma pessoa regenerada e habitada pelo Espírito Santo teria prazer nessas coisas? Diga-me…e eu te direi quem és!

 

  1. “Diga-me o que és capaz de fazer e eu te direi quem és”. O que você é capaz de fazer para agradar a Deus e fazer a sua vontade? Diga-me, ou melhor, faça…e eu te direi quem és! O que você é capaz de fazer para alcançar teus objetivos pessoais e interesses próprios, ainda que desagradando a Deus e prejudicando o teu próximo, o teu irmão na fé, a igreja de Cristo? Diga-me, ou melhor, espere eu ficar sabendo…e eu te direi quem és!

 

Há, ainda, inúmeras possibilidades para esse “Diga-me…e eu te direi quem és!”. Vou ficar apenas nesses exemplos, pois você já entendeu o recado de Deus. Cabe, agora, a você mesmo perguntar-se sobre tantos outros pontos. Preciso reafirmar aqui algo que tenho escrito em tantos artigos neste blog. Cristão não é um ET, um ser que deve viver alienado do que acontece em sua volta. Ao contrário, ele tem que ser bem informado e fazer a diferença onde quer que esteja. Ele deve viver com a cabeça no céu e com os pés aqui na terra (Cl 3.2). Estou cansado e angustiado de ver gente com vida dupla como membro de igreja. Não dá pra aceitar pessoas chamadas cristãs fazendo barganha com Deus. Dando uma de cristão, para ganhar a salvação eterna e tendo imenso prazer em participar desse sistema mundano que nos cerca. Querendo ganhar o céu, sem perder o mundo, os prazeres ilícitos da carne, como se isso fosse possível. Vivendo uma vida mundana enquanto há irmãos nossos sendo perseguidos e mortos por professarem a fé cristã.

Vale lembrar que não adianta querer mudar de fora pra dentro. Quando o Espírito Santo nos faz novas criaturas, o nosso prazer passa a estar no Senhor, isto é, muito mais nas coisas espirituais do que nas materiais e efêmeras do presente século. E, é ele mesmo quem nos capacita a resistir à pressão daqueles que querem que andemos juntos com eles em lugares reprováveis. O apóstolo Paulo, que deu a sua vida pelo Evangelho, nos adverte: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.” (1Co 6.12). Quando Deus tirou o povo de Israel do Egito, insistiu muito com eles para que não se contaminassem com os costumes dos povos gentios, pois, por causa disso eles estavam sendo destruídos: “Não andeis nos costumes da gente que eu lanço de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; por isso, me aborreci deles.” (Lv 20.23). Não se trata de legalismo, nem de moralismo estéril; mas de compromisso com Deus e coragem para ser diferente! “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele;” (1Jo 2.15)

Como apelo final ao seu coração e contando que o Espírito Santo fará a boa obra em minha vida e em sua vida, no estilo dos escritores bíblicos, rogo-vos, queridos, que não transformeis em libertinagem a Graça de Deus. Jesus pagou um preço imensurável, o seu sangue derramado na cruz, a sua vida doada em lugar da nossa, para nos transportar do império das trevas para o reino do Filho do seu amor (Cl 1.3), para que nós vivêssemos em novidade de vida, uma vida diferenciada, agradável a Deus (1Pe 1.18). Por que voltar para as trevas? Por que transformar a Graça de Deus em Graça Conveniente, fazendo o que agrada a carne e não ao Espírito Santo?

Concluindo, no estilo do apóstolo Paulo, rogo-vos que vos abstenhais, nesse breve tempo de passagem por este mundo, das obras da carne. Comece agora mesmo um novo ciclo em sua vida, um novo tempo de vida abundante com Deus, sem concessões à carne: “Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis.” (Rm 8.13)

E, que “O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” (1Ts 5.23). Maranata, ora vem Senhor Jesus!

Recado de Anjo

Eu não sou muito chegado a acreditar em qualquer relato de manifestação angelical e espero que você também seja assim, pois tem muito inventor de história por aí. Porém, como ouvi diretamente de pessoa de meu relacionamento, íntegra, de caráter, que não tinha nenhuma necessidade de contar vantagem espiritual naquele momento de conversa informal entre umas poucas pessoas, não poderia deixar de levar a sério e refletir um pouco sobre o assunto. Ele é pastor e estava sendo convidado para assumir interinamente uma igreja, durante a viagem prolongada do pastor efetivo. Foi ali mesmo no templo daquela igreja, na frente do púlpito e voltado para a congregação, que, no momento da confirmação da aceitação ao convite, ele percebeu um vulto angelical lhe dando um recado muito simples, mais de profunda relevância. Num breve instante, aquele ser estendeu sua mão direita, e disse: SANTIDADE; estendeu a sua mão esquerda, e disse: JUSTIÇA; juntou as duas mãos à sua frente e finalizou, dizendo: AMOR. Posso até imaginar as muitas elucubrações que passam pela sua mente ao tomar conhecimento desse relato. Na verdade, não importa agora se você crê ou não na veracidade de tal testemunho ou visão. Você só não pode é deixar de crer que o ministério dos anjos a favor dos salvos é uma realidade bíblica e atual: “Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?” (Hb 1.14). Deixe de lado, por um momento, qualquer questionamento e, atente apenas para esse recado triplo em forma de coreografia. Fique tranquilo, não há aqui qualquer nova revelação ou nova doutrina ou algo que a Bíblia ainda não tenha dito. Há, sim, o destaque de três elementos indispensáveis à igreja de hoje e de todos os tempos. Aquele pastor entendeu de pronto o recado. Mas, vale a pena explorar um pouco mais o significado dessas três palavras. É claro que com cada uma delas dá pra escrever incontáveis livros. Assim, vamos nos deter apenas no essencial.

Santidade:

Santidade tem tudo a ver com o NÃO FAZER a coisa errada, isto é, aquilo que desagrada a Deus e recebe o nome de pecado. Santidade começa com “S”, “S” de Separação de tudo que é mal e corrompido. Como é difícil para o ser humano ouvir e obedecer ao “não” de Deus! Isso, por conta da inclinação da natureza humana para fazer o mal. No Éden, nossos primeiros pais tiveram muitos SIM e apenas um NÃO. E você já sabe o caminho que tomaram. Dos dez mandamentos registrados em Êxodo 20, oito são enunciados com um sonoro NÃO. Seria o Deus do AT um defensor da Pedagogia do NÃO? De fato o foco principal do AT é a insistência de Deus na santidade do seu povo. Por que? Porque o “não” de Deus é o limite que assegura a preservação do indivíduo, da família, da sociedade e da comunhão do homem com Deus. Ultrapassado esse limite de segurança, Deus está fora; você está por sua própria conta e risco.

“Portanto, santificai-vos e sede santos, pois eu sou o SENHOR, vosso Deus.” (Lv 20.7)

“Disse o Senhor a Moisés: Fala a toda a congregação dos filhos de Israel e dize-lhes: Santos sereis, porque eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo.” (Lv 19.1-2; ver ainda 1Pe 1.16)

Justiça:

Justiça tem tudo a ver com o FAZER a coisa certa, aquilo que agrada a Deus. Justiça começa com “J”, “J” de Jesus. Jesus é a síntese e a expressão máxima desse FAZER a coisa certa; o modelo a ser seguido. Jesus é o sol da justiça (Ml 4.2) que veio ao mundo para trazer claridade às consciências em trevas. A quantidade de vezes que a palavra justiça aparece na Bíblia é impressionante. Em toda a Bíblia Deus é exaltado como Santo e Justo, contrastando com a perversidade e injustiça dos homens. Assim é que o FAZER de Jesus e os desdobramentos do FAZER de Jesus através do FAZER de seus seguidores enche as páginas de todo o NT.

Amor:

Nessa mesma linha, de conceito geral, o que é o amor? O amor tem tudo a ver com o QUERER BEM: a quem não faz a coisa errada e faz a coisa certa, que é o melhor caso e, também, a quem faz a coisa errada e não faz a coisa certa, que é o pior caso. Neste último caso, o amor toma a forma de misericórdia, não para aprovar o mal, mas para levantar e resgatar o caído. O amor é o elemento de equilíbrio, de estabilidade. Deus é amor, além de ser Santo e Justo. Jesus é a expressão máxima do amor de Deus. Em Jesus “Encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram.” (Sl 85.10)

Finalizando, para sua reflexão:

1)    Santidade e Justiça, sem amor é legalismo e farisaísmo. Lembra-se do caso da mulher apanhada em adultério?

2)    Amor, sem santidade e justiça é ilusão, tapeação e perdição.

3)    A Santidade e Justiça sem amor, diz: “Manhã após manhã, destruirei todos os ímpios da terra, para limpar a cidade do SENHOR dos que praticam a iniqüidade.” (Sl 101.8)

4)    O AMOR que gera a Santidade e Justiça, diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” (Mt 11.28-30)

Essa coreografia, usando a Bíblia, fica assim:

Bíblia aberta entre o AT e o NT e virada pra frente.

1)    Lado direito – AT – SANTIDADE (Antiga Aliança – a busca da santidade para satisfazer a justiça divina)

2)    Lado esquerdo – NT – JUSTIÇA (Nova Aliança – a satisfação da justiça divina em Jesus que produz santidade de vida)

Bíblia fechada, segura por ambas as mãos na posição de entregar a alguém:

3)    Uma grande prova de AMOR a Deus e ao próximo – a entrega da Palavra de Deus, do Evangelho, ao nosso semelhante.

%d blogueiros gostam disto: