Arquivo

Posts Tagged ‘Dez Mandamentos’

A revolta de Coré

Revolta Coré2

Quem foi Coré ou Corá? Quais os motivos da sua rebelião? E o desfecho?

Coré não é muito citado na Bíblia. No Antigo Testamento, há algumas referências aos seus ascendentes e descendentes (os coreítas). Ele era da tribo de Levi, seu bisavô. Seu avô era Coate e seu pai Jizar (ou Isar ou Aminadabe) (Ex 6.21; 1Cr 6.22; Nm 16.1). Seus filhos foram Assir, Elcana, Abiasafe (ou Ebiasafe) (Ex 6.24; 1Cr 6.22. 37; 1Cr 9.9). A história de sua rebeldia encontra-se em Números 16. Há mais duas referências a ele em Números 26.9-11 e 27.3. No Novo Testamento há apenas uma referência a ele, em Judas 11.

1. Quem eram os rebeldes?

Levi

 

O líder dos rebeldes era Coré, bisneto de Levi e primo de Moisés. Portanto, estes eram levitas. Coré se associou a dois irmãos, Datã e Abirão (Nm 16.1, 12, 24, 25, 27; 26.9; Dt 11.6; Sl 106.17), e também a Om, sendo todos eles da tribo de Ruben. Contou ainda com o apoio de duzentos e cinquenta homens, príncipes da congregação, eleitos por ela, homens de renome (Nm 16.2). Todos eles se ajuntaram contra Moisés e Arão, para dar um basta à sua liderança sobre o povo.

 

 2. As causas da rebelião

“Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, ….” (1Sm 15.23)

1ª) Uma visão equivocada

“e se ajuntaram contra Moisés e contra Arão e lhes disseram: Basta! Pois que toda a congregação é santa, cada um deles é santo, e o SENHOR está no meio deles; …” (Nm 16.3a)

Uma coisa é ser chamado para ser santo, outra coisa é ser santo, separado. O verdadeiro líder enfatiza a necessidade dos irmãos viverem em santidade de vida, para desfrutarem da comunhão com um Deus que é Santo. Os falsos líderes promovem a libertinagem e fazem vista grossa para o pecado. Banalizam a Graça Divina e promovem a falta de temor à Santidade de Deus. As condições estabelecidas por Deus a este respeito são muito claras: “Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel.” (Ex 19.5-6). Santidade não é rótulo, mas um “estilo” de vida.

2ª) Ambição pelo poder

“…. por que, pois, vos exaltais sobre a congregação do SENHOR?” (Nm 16.3)

“…. senão que também queres fazer-te príncipe sobre nós?” (Nm 16.13)

A alegação ou acusação dos rebeldes era a suposta usurpação do poder por parte de Moisés e Arão. É espantoso verificar que, mesmo depois de tantas manifestações milagrosas e incontestáveis do poder de Deus pela intermediação de Moisés (pragas, mar se abrindo etc), essa gente pudesse ainda questionar a liderança e autoridade de Moisés e Arão. Percebe-se, da parte deles, uma inveja incontrolável de Moisés. Afinal, por que esse tal Moisés deveria ser o protagonista de tudo isso? Quem era ele? Foi criado na corte de Faraó. Depois de adulto, com quarenta anos de idade, fugiu para uma terra distante, ficando ali outros quarenta anos. Enquanto isso eles habitaram e sofreram junto ao povo cativo. Agora, depois de todo esse tempo, ele vem de fora para se fazer príncipe sobre o povo? Acontece sempre aquela velha e recorrente situação: “antiguidade é posto, temos que respeitar!”, “chegou agora e já quer se sentar à janela?”. O ser humano, inclusive o cristão, precisa entender que, não importa se o líder é de perto ou é de longe. O que realmente importa é se ele é o melhor para a função e, no caso da igreja, se ele é o designado pelo Soberano Senhor dos céus e da terra para exercer aquela liderança!

3ª) Ambição pelo sacerdócio

“acaso, é para vós outros coisa de somenos que o Deus de Israel vos separou da congregação de Israel, para vos fazer chegar a si, a fim de cumprirdes o serviço do tabernáculo do SENHOR e estardes perante a congregação para ministrar-lhe; e te fez chegar, Coré, e todos os teus irmãos, os filhos de Levi, contigo? Ainda também procurais o sacerdócio?” (Nm 16.9-10)

Na matança dos primogênitos dos egípcios, os primogênitos de Israel foram poupados. Assim, os primogênitos de Israel passaram a pertencer ao Senhor. Então, Deus fez uma troca, desses primogênitos (inclusive dos animais), por todos os homens da tribo de Levi (Nm 3.12-13). Quando Deus separou a tribo de Levi das demais tribos de Israel, não lhe deu herança de terra, mas eles deveriam receber cidades no meio das possessões das demais tribos (Nm 35.2ss). Também os consagrou para o serviço de Deus, primeiramente no Tabernáculo, depois, no Templo. Todos os levitas foram designados para exercer algum encargo na tenda da congregação. Eles deveriam atuar sob a liderança de Arão e seus filhos (Nm 3.9). Em Números 3 e 4 as tarefas relativas ao Tabernáculo são distribuídas pelas famílias dos três filhos de Levi: Gerson, Coate e Merari. Basicamente, coube aos filhos de Gerson cuidar da infraestrutura externa (montagem, desmontagem e transporte) (Nm 3.21-26; 4.21-28); aos filhos de Merari cuidar da infraestrutura interna (montagem, desmontagem e transporte) (Nm 3.33-37; 4.29-33); e, aos filhos de Coate cuidar do mobiliário e utensílios sagrados do santuário (montagem, desmontagem e transporte) (Nm 3.27-32; 4.1-20). É importante observar que coube à família de Coate a parte mais delicada, cuidar das “coisas santíssimas” (Nm 4.4), como a arca, com risco de morte: “Isto, porém, lhe fareis, para que vivam e não morram, quando se aproximarem das coisas santíssimas: Arão e seus filhos entrarão e lhes designarão a cada um o seu serviço e a sua carga. Porém os coatitas não entrarão, nem por um instante, para ver as coisas santas, para que não morram.” (Nm 4.19-20). Tudo isso foi estabelecido por Deus, por intermédio de Moisés, inclusive o tão cobiçado sacerdócio: “Mas a Arão e a seus filhos ordenarás que se dediquem só ao seu sacerdócio, e o estranho que se aproximar morrerá.” (Nm 3.10).

A igreja é o corpo de Cristo, onde cada membro tem a sua função. É o próprio Senhor quem vocaciona, chama e elege aqueles que devem ser reconhecidos como líderes do rebanho. É danoso para o Corpo de Cristo, quando alguém ambiciona posições e cargos, para os quais o Senhor não o designou, ou quando queremos impor, pela força, aqueles que o Senhor não escolheu para determinada missão. Cada um tem uma missão importante e específica a realizar no reino de Deus e deve se deixar conduzir pelo Espírito Santo de Deus!

3. O desenrolar da rebelião

  •  A prova do líder e dos santos (Nm 16.4-7; 16-19; 27-30)

“E falou a Coré e a todo o seu grupo, dizendo: Amanhã pela manhã, o SENHOR fará saber quem é dele e quem é o santo que ele fará chegar a si; aquele a quem escolher fará chegar a si.” (Nm 16.5)

Diante da inesperada rebelião, Moisés não teve outra alternativa senão submeter ao Senhor o arbítrio daquela questão. Moisés estabeleceu dia e hora para o confronto entre a liderança espiritual divinamente instituída e a liderança rebelde. A resposta seria dada pelo próprio Deus! Duas situações haveriam de ser julgadas ali: 1ª) Quem é dele; 2ª) Quem é o santo autorizado a aproximar-se do Senhor. As instruções da prova foram passadas. Ambos os lados deveriam comparecer diante de Deus com os seus incensários acesos; Moisés com o fogo tirado do altar e os rebeldes com o fogo estranho (Nm 16.16-19). Na sua fala final, Moisés esclarece que se algo fora do comum, se coisa inaudita acontecesse ali, levando os rebeldes à morte, ficaria provado que ele era um enviado do Senhor e os seus opositores aqueles que desprezaram ao Senhor (Nm 16.27.30)

  • A intransigência dos rebeldes e a ira de Moisés (Nm 16.12-15)

Os rebeldes não demonstraram qualquer interesse em dialogar. Eles fizeram o que é característico dos rebeldes: 1º) Acusar os líderes de não dar ao povo uma boa qualidade de vida; 2º) Acusar os líderes de usurpação de poder, de poder não legitimado pelo povo; 3º) Acusar os líderes de enganar os mais simples. É interessante como Moisés, o homem mais manso da terra (“Era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra.” Nm 12.3) perde a paciência e desabafa com Deus. Aí, quem perde a paciência é Deus e Moisés tenta aplacar sua ira.

  •  A ira divina e a intercessão de Moisés (Nm 16.20-27)

Diante de tanto atrevimento e rebeldia, a vontade de Deus era de exterminar toda a congregação, imediatamente. Essa era já a terceira vez que Deus manifestou este desejo e foi contido por Moisés (Ver as outras duas: Ex 32.10; Nm 14.11). Mais uma vez o Senhor cedeu e aguardou a separação física entre os rebeldes e o restante da congregação (Nm 16.23-26).

 4. As consequências da rebelião

1º castigo: A Coré, Datã e Abirão (Nm 16.31-34)

A terra se abriu e engoliu os três líderes, seus homens e seus bens. E o povo fugiu. Em Números 26.11 há o seguinte registro: “Mas os filhos de Corá (Coré) não morreram.”

2º castigo: Aos 250 príncipes da congregação (Nm 16.35)

Fogo procedente do Senhor consumiu os duzentos e cinquenta homens que se apresentaram diante do Senhor com fogo estranho.

3º castigo: Aos 14.700 murmuradores da congregação (Nm 16.41-50)

Como se as tragédias ocorridas não fossem suficientes para convencer aquela congregação também rebelde, eles tiveram a ousadia de murmurar contra Moisés e Arão, culpando-os de tamanha matança. Mais uma vez a ira divina se manifesta, agora pela 4ª vez (Nm 16.45), para exterminar toda a congregação. A praga dizimou 14.700 murmuradores. Não fora a expiação do povo, providenciada por Arão, sob a ordem de Moisés, toda a congregação teria sido dizimada. Na verdade, desde que a sentença divina fora pronunciada, por ocasião do relatório negativo dos 10 espias, isto é, que os de vinte anos para cima (exceto Josué e Calebe), não entrariam na terra prometida (Nm 14.20-30), a congregação se tornou propensa a rebeldia.

De tudo o que foi exposto anteriormente, fica claro o alto preço que é pago pelos rebeldes e seus seguidores!!!


Este é o terceiro artigo baseado no versículo abaixo:

“Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Coré. (Judas 11)

Veja, também, os seguintes artigos:

  • O caminho de Caim
  • Balaão e o Jogo dos 7 Erros

Cuidado, não despreze o Antigo Testamento (AT)

AT x NT1

Nenhum cristão autêntico desconhece o fato de que vivemos debaixo da Graça, na Nova Aliança estabelecida por Jesus Cristo, na cruz do Calvário, há quase dois mil anos atrás. A primeira vinda do Senhor Jesus inaugurou um novo tempo e estabeleceu um divisor de águas. O desabrochar desse novo momento histórico, mais precisamente o primeiro século da era cristã, está registrado nas páginas do Novo Testamento (NT), da Bíblia. Podemos afirmar seguramente que são os ensinamentos e doutrinas contidos no NT que fundamentam a vida do cristão e da igreja de Cristo. Entretanto, concluir daí, que o Antigo Testamento (AT) não precisa mais ser lido e estudado, não deve ser usado em pregações à igreja etc etc é, no mínimo, um grande equívoco. Nossa intenção neste artigo é mostrar o quanto o AT é, e sempre há de ser, importante e valioso para o cristão. Resumir 3600 anos nessas poucas linhas foi o grande desafio ao escrever este artigo. Vou compartilhar com você apenas dez razões pelas quais você precisa repensar sua relação com o AT:

1. As Alianças de Deus

A palavra portuguesa “testamento” corresponde à palavra hebraica berith, que significa “aliança”, “pacto”, “acordo”. O AT e o NT contém os registros das Alianças de Deus com a raça humana. Uma Aliança é um pronunciamento soberano de Deus, através do qual ele estabelece um relacionamento de responsabilidade entre ele mesmo e um indivíduo ou uma família ou uma nação ou parte da humanidade ou a humanidade em geral. Segundo alguns estudiosos, são oito as Alianças estabelecidas por Deus, sendo que sete estão no AT e uma no NT. As do AT são: 1ª) A Edêmica (Gn 1.28; 2.15-17); 2ª) A Adâmica (G.3.15-21); 3ª) A Noética (Gn 9.1-17); 4ª) A Abraâmica (Gn 12.1-3); 5ª) A Mosaica, também chamada de Antiga Aliança (Ex. 19.1-25; Gl 3.17); 6ª)A Palestiniana (Dt 28.1 a 30.3) e a 7ª) A Davídica (2Sm 7.16; Lc 1.32-33). A que se encontra no NT é a 8ª) A Nova Aliança (Hb 8.6-13; Gl 3.24), bem conhecida da igreja de Cristo. Nem preciso defender a importância de conhecer o que Deus estabeleceu em cada uma dessas Alianças, como os seres humanos envolvidos responderam ao que foi estabelecido por Deus e como Deus reagiu à resposta humana!!! Que riqueza de informação! Isso nos dá uma visão mais clara de “quem é o ser humano” e de “quem é o nosso soberano Deus”; e a maior parte dessas Alianças se encontra no AT.

2. Nossas origens

É relevante observar a extensão do AT, a partir da valiosa declaração de Jesus aos escribas e fariseus: “para que desta geração se peçam contas do sangue dos profetas, derramado desde a fundação do mundo; desde o sangue de Abel até ao de Zacarias, que foi assassinado entre o altar e a casa de Deus.” (Lc 11.50-51a). Portanto, vai do livro de Gênesis, o primeiro do cânon hebraico, onde está registrada a fundação do mundo e a morte de Abel, até Crônicas, o último livro do cânon hebraico, onde é mencionada a morte de Zacarias (2Cr 24.20-21, nas bíblias em português). Os 24 livros do cânon hebraico[1] correspondem aos 39 do AT, da nossa Bíblia em português. Ressalte-se que Jesus excluiu os Livros Apócrifos (inseridos na Bíblia Católica), os quais já existiam naquela época.

Assim, no primeiro livro do AT, Gênesis, encontramos a mais extraordinária revelação da criação do mundo e de tudo o que nele há. É claro que a Bíblia não é um livro de exposição do saber científico, mas tal informação é única e totalmente confiável. Jamais ceda à pressão dos evolucionistas ou dos anticriacionistas de tratar essas narrativas como lendas!!! Já estive envolvido no estudo da questão Criação x Evolução e posso assegurar que a TEORIA DA EVOLUÇÃO é uma falácia que não se sustenta cientificamente (não é ciência, porque não pode ser reproduzida a partir de experimentos controlados em laboratório). Não tenha vergonha da verdade divina. Leia, releia, confie e defenda essa revelação divina. Há boa literatura criacionista disponível; vale a pena conferir.

3. Milagres espetaculares

A crítica bíblica de ontem, de hoje e de sempre, aliada aos opositores da Palavra de Deus, tentarão ridicularizar os milagres bíblicos, principalmente os do AT: as dez pragas no Egito, a abertura do Mar Vermelho ou a do Rio Jordão, colunas de nuvem ou de fumaça (no céu), maná e codornizes que caem do céu e águas que jorram de pedras feridas com vara, as peripécias de Sansão, machados que flutuam, jumento que fala, os amigos de Daniel na fornalha, Daniel na cova do leões, Jonas no ventre do grande peixe etc etc. Uma forma sutil e ardilosa, porém cruel, de tentar desacreditar a Bíblia é infiltrar e mesclar elementos ou fenômenos naturais que “coincidentemente” teriam atuado naquelas ocasiões. Assim, sugerem eles que pessoas simplórias e com grande imaginação se encarregaram de “criar os milagres”. Podem dizer o que quiserem, mas nós continuaremos lendo o AT e crendo no poder de Deus manifestado ao longo da história! Não foi por acaso que Jesus se referiu a alguns desses milagres. Se o nosso Mestre acreditava neles, eu também acredito! Veja, por exemplo: “Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra.” (Mt 12.40). Não vamos nos sentir intimidados pelos racionalistas e secularistas que nos rodeiam, pois estes não conhecem o Deus altíssimo!

4. Histórias emocionantes e edificantes

Se a Bíblia é feita de registros de alianças, por que não é uma lista interminável de cláusulas, como num contrato? A sabedoria divina é admirável e a Palavra de Deus reflete isso e muito mais. Deus preferiu utilizar a pedagogia e o poder inimaginável de uma história, para passar conteúdos relevantes e práticos, de forma direta e vívida. A vida é feita de histórias e há impressionantes histórias de vida. O AT é repleto de histórias que emocionam, edificam e são capazes de afetar, de moldar o caráter do leitor, ou, pelos menos torná-lo sensível a alguns princípios, influenciando comportamentos. Muitas vezes uma história fala mais profundamente ao coração do que um sermão moralista. Jesus não se desviou do estilo divino; ele doutrinou através de histórias e parábolas e, nos deixou muitas histórias para este mesmo propósito. Como deixar de ler, não apreciar, não deixar-se influenciar pelas impressionantes histórias contidas no AT? A história do dilúvio, dos patriarcas (Jó, Abraão, Isaque, Jacó, José), de Moisés e Josué, de Elias e Eliseu, de Samuel, Davi, Daniel, Rute, Ester, Neemias etc etc. Estas e tantas outras são pedras preciosas dadas pelo nosso Deus a humanidade. Até mesmo muitos não cristãos as apreciam e as consideram verdadeiras pérolas literárias.

5. Uma lei à frente do seu tempo

dez mandamentosTodo povo e nação precisa do seu sistema legal. Que povo teve o privilégio de receber diretamente de Deus um sistema de leis tão completo como a legislação mosaica?

Quando os descendentes de Jacó se tornaram numerosos. Quando foram libertos do jugo do Egito pela mão do Senhor Deus, sob a liderança de Moisés e Arão. Quando emancipados se tornaram uma nação. Ali, ao pé do monte Sinai, receberam a lei que os permitiria ter o status de uma verdadeira nação. A lei é uma, e toda a lei é espiritual, quer trate de colheitas, criminosos ou adoração. No entanto é conveniente considerá-la em três divisões:

– Lei Moral (os dez mandamentos) – A que manda fazer o bem e evitar o mal;

– Lei Civil ou Social – A que regula as mútuas relações entre os cidadãos;

– Lei Cerimonial ou Religiosa – A que determina as regras de culto a Deus.

Obs.: A Lei Judicial ou Criminal ou Penal, que define os delitos e determina a forma de os punir, está entrelaçada com a Lei Civil.

É claro que essa Lei foi dada a Moisés no contexto dos costumes de um povo (Israel) e de uma época (cerca de 1462 a.C.), ou seja, há aproximadamente 3500 anos atrás. Quando eu era jovem, fiquei bem impressionado com a leitura do livro “A provisão divina para sua saúde” (S. I. McMillen M. D. – Editora Fiel). O autor aborda aspectos sanitários e de prevenção de enfermidades e epidemias já presentes nessa legislação mosaica, muito à frente do seu tempo e da literatura com a qual Moisés teve contato na corte do Egito, a potência cultural da época. Certamente há muitas leis ali que não fazem mais sentido hoje, mas não se pode negar que tantas outras foram o embrião das legislações que existem pelo mundo afora. É bastante enriquecedor ler e reler essa legislação mosaica no AT!

Vale aqui ressaltar que a essência da lei se encontra nos dez mandamentos. É o que chamaríamos hoje de “Constituição da humanidade”. Estabelece os princípios do governo divino.

“Certo rabino frisa que existem 613 mandamentos de Moisés (248 afirmativos e 365 negativos); mas que Davi reduziu-os a 11 conceitos principais (Sl 15.2-5); Isaías a apenas 6 (Is 33.15); Miquéias a 3 (Mq 6.8); Amós a 2 (Am 5.4) e Habacuque a apenas 1 (Hc 2.4). A regra áurea é o mais perfeito desses sumários.” A essência da essência de toda a Lei foi definida por Jesus. Ao ser perguntado por um intérprete da lei, Jesus a resumiu em dois grandes mandamentos: “amar a Deus” e “amar ao próximo” (Mt 22.34-40).

6. Reis e reinados

Quando se lê a história dos reis de Israel, antes e depois da divisão do reino, tem-se a real dimensão da influência dos governantes e dos líderes espirituais sobre o povo, bem como as consequências disso. Quando se levantavam reis e sacerdotes tementes a Deus, que combatiam as práticas pecaminosas e contrárias à vontade de Deus e incentivavam a obediência e adoração somente a Deus, o resultado era vitória contra os povos inimigos, seguida de paz e prosperidade. Quando os governantes e sacerdotes eram maus, a derrota e destruição era certa. A simples leitura dessas histórias é extremamente proveitosa; ajuda-nos a manter a vigilância e obediência à vontade do Senhor Deus, pois os resultados não serão diferentes hoje. É só lembrar da “lei da colheita” conforme a semeadura.

7. Sabedoria e Poesia

Os livros poéticos e de sabedoria no AT são simplesmente maravilhosos! Trazem verdadeiro deleite para a alma e muita orientação prática e proveitosa para a vida cotidiana. Somente tropeça nas questões mais básicas e elementares do viver diário quem não quer se apropriar de tais ensinos e instruções. Por exemplo, em Provérbios, há orientações e dicas em abundância, começando com a dica principal: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência” (Pv 9.10). Além disso, quanta poesia Inspirada e inspiradora pode ser encontrada nos Salmos. É claro que não posso deixar de expressar aqui o meu veemente repúdio àquelas “modernas” traduções (NTLH e outras) que subtraem do texto bíblico original sua preciosa poesia!!!

8. Juízos, Violência e Imprecações

Você já deve ter ouvido falar, ou até dito, que “o Deus do AT não é o mesmo do NT”. As narrativas encontradas nos dois testamentos parecem servir de base para estas visões antagônicas de um mesmo Deus, único e verdadeiro, Criador dos céus e da terra. É, também, mais uma razão para alguns se apegarem mais ao NT, desprezando o AT. Afinal, quem se sentiria confortável na presença de um Deus que não abre mãos da prática da justiça e da punição do pecado. Preferem, antes, um Deus que é amor, compassivo e misericordioso. Muitos são os julgamentos e punições, individuais e coletivos, registrados no AT. Já começa no Gênesis com Adão e Eva, Caim, A Torre de Babel, O Dilúvio, Sodoma e Gomorra, A mulher de Ló. Deus se manifesta no Êxodo como um trator passando por cima de Faraó, seus deuses e seu povo, através das dez pragas. No AT, a ordem do dia e de cada dia era “Perfeito serás para com o Senhor teu Deus” (Dt 18.13). Sua presença é aterradora; só Moisés podia se aproximar dele e o Monte Sinai fumegava (Ex 19.18). Trovões e relâmpagos anunciavam sua presença e o povo, à distância, estremecia (Ex 19.16). Deus manda Israel eliminar vários povos (homens, mulheres, jovens, velhos e crianças) para que o seu povo, Israel, ocupasse aquelas terras, porque havia se enchido a medida da iniquidade deles (Gn 15.16; Lv 18.24-25; Dt 9.5). E, esse mesmo tom, continua por todo o AT. Dentre os do seu próprio povo, os transgressores da lei eram condenados à morte, até mesmo por transgredir o descanso do sábado ou tentar segurar a Arca para que não caísse. Por fim, o Israel dividido (Samaria e Judá) é destroçado e levados para o exílio pela Assíria e Babilônia, como castigo divino pela rebeldia aos mandamentos do Senhor.

Em muitos Salmos e textos do AT há um tom de imprecação. A oração imprecatória não soa bem aos ouvidos cristãos. Diante da maldade, da opressão, da violência ou da injustiça, não só clamavam ao Senhor por suas vidas, mas também pediam a Deus que fizesse cair sobre os seus inimigos os piores males. Assim, se unem numa mesma oração, as súplicas mais ardentes e as mais violentas imprecações (Sl 58.6-11; 83.9-18; 109.6-19; 137.7-9).

Contrapondo-se a todo este cenário do AT, chegamos ao NT e nos deparamos, por exemplo, com o registro de uma mulher apanhada em flagrante adultério e trazida aos pés de Jesus. Segundo a Lei ela deveria morrer apedrejada, mas Jesus a perdoa e lhe diz: “vai e não peques mais” (Jo 8.3-11). Assim, o NT expressa a imagem de um Deus de amor, perdoador e misericordioso. Um Pai que quer ver os filhos obedecendo, não pela força do castigo, mas pelo apelo do amor.

Como entender esses juízos, violência e imprecações? A figura abaixo sintetiza bem o modus operandi de Deus, no AT e no NT, segundo minha visão teológica:

Pecou x Pagou

De fato, na época do AT, naquele contexto, prevalecia no âmbito do povo de Israel o conceito de que a obediência a Deus e aos seus mandamentos, deveria ser recompensada na vida presente, com longevidade e prosperidade; enquanto os transgressores da lei mosaica (judeus) e os ímpios (pagãos) deveriam receber o seu justo castigo o quanto antes, para que ficasse evidente que há um Deus vivo e presente, retribuindo a cada um conforme suas ações (Sl 7.9; 37.28; 75.10; 58.11).

É um grave equívoco achar que o “Deus do AT” é um Deus intolerante ao pecado e punidor, enquanto o “Deus do NT” é um Deus tolerante ao pecado e perdoador!!!  O Deus único e soberano a quem servimos é três vezes Santo, Puro e Justo; sempre amará o pecador e sempre condenará e punirá o pecado, quer seja imediatamente (AT), quer nos juízos que estão por vir (NT). Esse modus operandi de Deus, no NT, não significa indiferença frente ao mal, passividade quando triunfam a injustiça, a violência, a opressão aos mais fracos e o desprezo ao sagrado. Vale lembrar, ainda, que o nível de exigência no NT é superior ao do AT. Enquanto a lei enquadrava o ato consumado, Jesus revisitou o texto legal original “ouvistes o que foi dito” para enquadrar, como pecado, o pensamento ou a intenção do ato (Mt 5.21-22; 27-30 etc).

É importante ressaltar que tanto no AT como no NT há um “sistema de perdão”, de expiação de pecados. No AT, o pecador deveria confessar o seu pecado impondo as mãos sobre o animal, que, em seguida, era sacrificado. É muito interessante registrar aquele episódio em que o perverso rei Acabe sensibilizou a Deus, que adiou o juízo sobre sua casa, porque se humilhou perante ele (1Rs 21.29). No NT, Jesus é o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Ele morreu, e com um único e perfeito sacrifício pode expiar o pecado que nos leva à morte eterna e os pecados cometidos e confessados após a conversão. Também é interessante lembrar que mesmo no contexto do NT, Ananias e sua esposa Safira foram punidos com morte imediata, no início da igreja, porque mentiram ao Espírito Santo (At 5.1-11). Podemos considerar que ocorrências como esta, ou a da punição com cegueira de Elimas, o mágico, pelo apóstolo Paulo (At 13.8-11) foram casos isolados, pois, a partir do NT, vivemos a era da graça e longanimidade de Deus, abrindo a oportunidade de salvação a todos e, deixando para o dia do juízo final a condenação e punição dos impenitentes. Entretanto, ninguém se iluda; o pecado sempre será odioso aos olhos de Deus: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor,” (Hb 12.14). Não custa lembrar que, apesar do juízo divino estar “temporariamente suspenso” Deus é soberano para realizar intervenções ou juízos pontuais, quando ele assim o desejar. Também não é demais lembrar que, mesmo que o juízo divino não ocorra imediatamente, cada um sofrerá compulsoriamente as consequências naturais dos atos que praticar!

9. Promessas e Profecias

 Nosso Deus é tão maravilhoso que se chega a nós, simples mortais, e faz alianças que contém preciosas promessas. Para os que permanecem fiéis no cumprimento de sua parte nesses pactos, a bênção é garantida. É confortante e motivador ler o AT e nos depararmos com as inúmeras promessas divinas ali registradas e, na linha do tempo, constatar o seu fiel cumprimento. O mesmo se pode dizer das inúmeras profecias reveladas e já realizadas ou cumpridas. Mas há, também, no AT, aquelas relevantes profecias previstas para os últimos dias, que ajudam a clarear o entendimento das profecias do NT, nesta mesma linha. O livro de Daniel é uma preciosidade, neste sentido. Os juízos e punições de Deus registrados no AT são “fichinha” se comparados com o que está por vir, registrado no NT!

 10.   Figura e Realidade

 No processo de educação infantil é comum trabalhar o concreto e depois o abstrato. De certa forma Deus trabalhou com Israel, o seu povo do AT, o concreto; para que a igreja, o seu povo do NT, entendesse o abstrato, as realidades espirituais. É impressionante a quantidade de figuras presentes no AT cuja realidade está expressa no NT; ou de tipos, no AT, cujos antítipos estão no NT.  A palavra antítipo literalmente quer dizer: correspondente ao tipo. Jesus fez várias referências a tipos do AT, sendo que em alguns casos, ele mesmo é o antítipo: “Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do grande peixe, assim o Filho do Homem estará três dias e três noites no coração da terra.” (Mt 12.40) “E do modo por que Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.” (Jo 3.14-15). Como é abençoador comparar uns com os outros! Como o conhecimento de um ajuda a entender melhor o outro.

Conclusão:

Por que se contentar com menos? Por que perder o início do filme se você pode ver o filme todo e entende-lo melhor? Eu amo a Bíblia toda, a preciosa e incomparável Palavra de Deus!

Se você não tem tempo ou interesse na leitura e estudo de toda a Bíblia, de participar da Escola Bíblica Dominical ou de algum grupo de estudo bíblico, precisa urgentemente reavaliar sua vida espiritual, sua relação com Deus e até que ponto ama e está disposto a conhecer e obedecer a sua Palavra.


[1] Cânon hebraico: LEI (5 Livros), PROFETAS (8 Livros) e ESCRITOS (11 Livros) – Introdução Bíblica, J. Cabral, pgs. 75 e 76

%d blogueiros gostam disto: