Arquivo

Archive for the ‘Liderança’ Category

O pastoreio da igreja na atualidade

pastoreio atual

Nos últimos três artigos e no atual, estamos tratando da seguinte temática e tópicos:

Pastoreando o Rebanho de Deus (1Pe 5.1-4).

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

Nos três primeiros artigos trouxemos a visão da igreja primitiva ou neotestamentária sobre o assunto, tomando por base a Primeira Epístola de Pedro, conforme o texto mencionado. Neste quarto artigo, faremos uma ponte daquele tempo inicial para o tempo atual. Abra a sua mente e coração para refletir mais profundamente sobre a visão bíblica quanto ao pastoreio do rebanho de Deus, a sua igreja militante.

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

Os termos usados

Ao fazermos a ponte entre os primeiros tempos da igreja e a época atual, vamos começar apresentando os nomes dados a esses líderes da igreja que sucederam os apóstolos. Todos os nomes se aplicam ao mesmo tipo de oficial e líder da igreja, sendo que cada um destaca e ressalta um aspecto peculiar da pessoa ou do ofício.

i. PRESBÍTERO ou ANCIÃO (At 11.30 – 1ª vez)

Termo de Dignidade: sugere Maturidade e Experiência
Homem maduro, experimentado, criterioso e respeitado que dá sábios conselhos para orientação dos membros da igreja.

ii. BISPO (“episkopos”, grego) (At 20.28; Fp 1.1)

Termo de Superintendência: sugere Direção
Homem diligente que preside os trabalhos, as reuniões, organiza e supervisiona tudo

iii. PASTOR

Termo de Ternura: sugere Cuidado
Homem zeloso que apascenta o rebanho de Deus, preparando-lhe pastagens verdejantes (mensagens espirituais e práticas vitais) e guiando-o às águas tranquilas, isto é, proporcionando-lhe um ambiente espiritual, agradável e alegre.

Tais termos frequentemente aparecem no plural, fazendo referência à liderança plural de cada igreja local.

Ofício e Dom

Em segundo lugar é importante reafirmar que este ofício de Presbítero ou Ancião ou Bispo ou Pastor (1Pe 5.2) é diferente do Dom de Pastor (Ef 4.11).

O significado de ofício é o mesmo de profissão, ou seja, “Profissão é um trabalho ou atividade especializada dentro da sociedade, geralmente exercida por um profissional. Algumas atividades requerem estudos extensivos e a masterização de um dado conhecimento, tais como advocacia, biomedicina ou engenharia, por exemplo. Outras dependem de habilidades práticas e requerem apenas formação básica (ensino fundamental ou médio), como as profissões de faxineiro, ajudante, jardineiro. No sentido mais amplo da palavra, o conceito de profissão tem a ver com ocupação, ou seja, que atividade produtiva o indivíduo desempenha perante a sociedade onde está inserido.” (Wikipédia)

Já o significado de dom pode ser expresso na sociedade como aquela capacitação ou talento natural; e, na igreja, como aquela capacitação ou habilidade especial concedida pelo Espírito Santo, “… com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo,” (Ef 4.12). O que o apóstolo Paulo menciona em Efésios são os cinco dons ministeriais, dons que concedem capacitação sobrenatural para o exercício dos ministérios: Apóstolo / Profeta / Evangelista / Pastor / Mestre.

As etapas do planejamento divino

O que Deus planejou para a liderança e governo da sua igreja?

Tudo começou com o “Seminário de Jesus” treinando e preparando os apóstolos para a era da igreja. Se considerarmos 10h/dia, 365 dias/ano e 3 anos teremos uma carga horária de 10.950h/aula. Se considerarmos um curso de teologia de 4h/dia, 20 dias/mês, 9 meses/ano e 5 anos teremos 3.600h/aula. Portanto, o “Seminário de Jesus” teve a carga horária mais do que o triplo de um curso de teologia convencional. Os apóstolos foram treinados pelo Mestre dos mestres, com aulas teóricas e práticas insuperáveis.

Na segunda fase do planejamento divino, tudo isso foi potencializado no Pentecostes, com a unção e capacitação dos apóstolos e dos primeiros discípulos pelo Espírito Santo. Também o apóstolo Paulo foi chamado e designado por Deus para fortalecer o grupo.

Na terceira fase, a liderança da igreja foi assumida apenas por presbíteros, eleitos em cada igreja local, sempre no plural (At 14.23). Os primeiros foram instruídos, pessoalmente, pelos apóstolos, e pelas cartas doutrinárias ou epístolas que percorriam as igrejas, pois as Escrituras do NT ainda estavam sendo escritas.

As características das igrejas locais do primeiro século

A simples leitura do NT nos mostra que tais igrejas locais:

i. Se reuniam com simplicidade nos espaços e locais onde pudessem ser acomodados, até mesmo nas casas (Rm 16.5; 1Co 16.19; Cl 4.15; Fm 1.2).

ii. Naturalmente começaram com poucos membros e foram crescendo dia após dia.

iii. Tinham governo próprio e independente, porém com o compromisso de manter a doutrina: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.” (At 2.42)

iv. Também estavam comprometidas com evangelismo, missões e ação social.

Os desafios das igrejas locais de ontem, de hoje e de sempre

Enquanto o número de membros é pequeno, a organização e governo da igreja local é mais simples. Na medida em que o grupo local cresce, dois caminhos podem ser trilhados. O primeiro é o de dividir o grupo, formando novas igrejas locais, o que possibilitará manter a simplicidade de organização e governo. O desafio desse caminho é encontrar um novo espaço e convencer parte do grupo a migrar para a nova igreja local. O segundo caminho é manter todo o grupo junto e partir para um novo espaço, capaz de acomodar o grupo atual e com folga suficiente para acomodar muitos outros membros, no caso do espaço atual não poder ser ampliado. O desafio desse segundo caminho passa a ser organização, administração e governo de uma igreja tão numerosa. Para dar conta de tudo isso, é preciso criar uma estrutura de pessoal para cuidar das questões administrativas e atividades meio da igreja. Por outro lado, é preciso estabelecer uma estrutura de pessoal para orientar e liderar a atividade fim da igreja.

Na história da igreja, ambos os caminhos ou modelos têm sido trilhados ou adotados. Isso tem gerado dois grandes e permanentes desafios para a Igreja de Cristo, a saber:

  1. Manter as igrejas locais no trilho da sã doutrina bíblica, considerando a multiplicidade de igrejas locais e de líderes.
  2. Manter uma estrutura de pessoal e liderança que dê conta de todas as demandas “materiais” e “espirituais” de uma igreja local mais numerosa.

O que parecia tão simples: um só Deus e Pai; um só Mediador e Salvador, Jesus Cristo; um só Espírito Santo, unindo, ungindo e capacitando todos os remidos; uma única igreja, a de Cristo; com um só livro, a Bíblia, Única Regra Infalível de fé e prática; sim, o que parecia tão simples tem se tornado um grande desafio de unidade.

Entendo que, por conta disso e com a vontade permissiva de Deus, surgiram as denominações, tentando, cada uma, estabelecer sua solução para esses dois grandes desafios. Cada uma, então, apresenta a sua própria visão doutrinária da Bíblia e sua forma de governo (episcopal, presbiteriano ou congregacional).

As pequenas igrejas não teriam dificuldade para manter o modelo de liderança da igreja primitiva, através de presbíteros. Aliás, no mundo inteiro, ainda hoje existem muitas igrejas locais que seguem esse modelo, isto é, são lideradas por presbíteros e não têm a figura de um pastor como oficial líder. Certamente esses líderes deveriam ter o preparo necessário para o exercício do ofício, ou seja, atender as qualificações neotestamentárias estabelecidas. Entretanto, parece que já no segundo século da igreja surgiu a necessidade de líderes de igrejas locais que dedicassem mais tempo ao ministério eclesiástico. Afinal, os presbíteros tinham suas famílias e suas obrigações de trabalho secular para sustenta-las. É, assim, que surgem os pastores das igrejas locais para assumirem maior responsabilidade de liderança, compartilhando o governo da igreja com os presbíteros, dependendo da forma de governo adotada. É interessante verificar a defesa de Paulo a favor do sustento dos que vivem para o evangelho (1Co 9.1-14).

Finalmente, concluímos estes quatro artigos dizendo que Pastorear o Rebanho de Deus” é simples assim! É preciso ter muito cuidado com a perigosa TEOLOGIA REVERSA; aquela que parte do HOJE para a BÍBLIA, isto é, estabelece hoje algumas linhas de pensamento, conceitos, estruturas e doutrinas, muitas vezes copiando e acompanhando a sociedade secular, o mundo, e, então, tentam construir algum respaldo bíblico para isso, normalmente bizarro e fora do contexto. Os defensores da TEOLOGIA LIBERAL se encaixam nesta mesma linha de ação. Por outro lado, o que apresentamos aqui e o que defendemos é a TEOLOGIA DIRETA, onde procuramos partir da Bíblia para estabelecer o que fazer e como fazer HOJE. Se, por conta disso, os liberais quiserem nos taxar de fundamentalistas, fiquem à vontade. O que mais nos importa é viver e “defender” as Sagradas Escrituras!

 

A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

4 coroas

Nos últimos dois artigos, no atual e no próximo, estamos tratando da seguinte temática e tópicos:

Pastoreando o Rebanho de Deus (1Pe 5.1-4).

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

Nos três primeiros artigos traremos a visão da igreja primitiva ou neotestamentária sobre o assunto, tomando por base a Primeira Epístola de Pedro, conforme o texto mencionado. No quarto artigo, faremos uma ponte daquele tempo inicial para o tempo atual. Abra a sua mente e coração para refletir mais profundamente sobre a visão bíblica quanto ao pastoreio do rebanho de Deus, a sua igreja militante. Vejamos, agora, o terceiro artigo.

 

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

4 Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória.

Se há presbíteros que devem pastorear o rebanho, há um pastor acima deles. O Senhor Jesus é mencionado na Bíblia como pastor em quatro momentos ou tempos:

 

a) O Pastor (Prometido)(Mt 26.31; Zc 13.7)

O Messias prometido desde os tempos antigos, aquele pastor que viria para ser ferido de morte em prol do seu rebanho que ficaria momentaneamente disperso.

 

b) O Bom Pastor (Encarnado)(Jo 10.11)

Aquele pastor que veio e é capaz de dar a sua vida pelas ovelhas, diferentemente do mercenário que as abandona na hora do perigo.

 

c) O Grande Pastor (Ressuscitado)(Hb 13.20-21).

Aquele pastor que se foi, depois de dar a sua vida pelas ovelhas e de ser ressuscitado pelo Pai, estabelecendo por meio do seu sangue uma Eterna Aliança.

 

d) O Supremo Pastor (Glorificado)(1Pe 5.4).

Aquele pastor que há de voltar para reunir o seu rebanho e galardoar os que o serviram e realizaram a boa obra que lhes foi confiada.

 

Então, a forma que Pedro usa para motivar os presbíteros a desempenharem com dedicação e excelência o pastoreio é implantando em seus corações a viva esperança de que o Pastor dos pastores, o Supremo Pastor Jesus há de se manifestar outra vez entre os homens e irá recompensá-los com um coroa “imarcescível”, que não desaparece, que não se degrada com o tempo, que não perde o seu valor, em contraste com tudo que aqui é transitório e passageiro.

Já nos detivemos um pouco no sujeito da ação de recompensar, o Senhor Jesus Cristo e suas várias e interessantes referências como pastor. Pensemos, agora, naquilo que é o objeto da recompensa, a “coroa da glória”. Muitos não assimilam muito bem a ideia do galardão e muito menos das coroas.

Outra verdade bíblica irrefutável é a promessa de galardão. Aparece pela primeira vez em Gênesis 15.1 como promessa de Deus a Abrão e, pela última vez, em Apocalipse 22.12 – “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras”. Não tem sentido algum imaginar os galardões como objetos materiais dentro de um mundo espiritual. Os galardões não estão ligados às coisas que “obteremos”, mas sim ao que “seremos”, aquilo em que nos “tornaremos”.

Um dos aspectos básicos e primordiais da fé Cristã é que, no mundo porvir, há duas recompensas prometidas: a recompensa devido a Graça – Vida Eterna – e a recompensa devido ao Serviço – Galardão.

 

1ª) A VIDA ETERNA é em si a grande recompensa dos filhos de Deus (Mc 10.30; Mt 19.29 e Lc 18.30). Essa é a recompensa geral e igual de todos os remidos por Cristo: “…para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo 3.16)

2ª) GALARDÃO (recompensa, premio) é o segundo tipo de recompensa reservada aos servos de Deus. Vários são os textos bíblicos que mencionam os galardões:

O galardão é grande: Mt 5.12; Lc 6.23.

O galardão é condicional: Mt 6.1.

O galardão é diferenciado: Mt 10.41-42.

O galardão é recompensa por atitudes tomadas: Lc 6.35.

O galardão é segundo as obras praticadas: 1Co 3.8, 14; Ap 22.12.

Outros textos: Hb 11.26; Ap 11.18.

 

Em síntese, podemos afirmar que:

Graça é dádiva, de Deus. Galardão é recompensa, prêmio pelas obras dos homens.

A graça é imerecida; é dom gratuito de Deus, recebida pela fé, sem dinheiro e sem preço (Rm 6.23). O Galardão é merecido; é o salário pelo serviço prestado, recebido pelas obras através do labor e sacrifício.

A salvação é recebida de graça por meio do ESPÍRITO e as coroas são ganhas com esforço, por meio do CORPO: “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo.” (2Co 5.10)

 

É interessante que Jesus recebeu uma coroa de espinhos dos seus algozes (Mt 27.29; Mc 15.17; Jo 19.2, 5), porém tem reservado para os seus servos outros tipos de coroas. As quatro coroas prometidas aos servos de Deus são:

 

1ª) Coroa da Vida (Ap 2.10; Tg 1.12)

“Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.” (Ap 2.10)

“Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam.” (Tg 1.12)

 

“Para os mártires

No amor pela pessoa de Cristo

Alcançada perante os inimigos

No testemunho em presença da morte” (*)

 

2ª) Coroa Incorruptível (1Co 9.25)

“Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível.”

 

“Para os vencedores

No amor pelas almas sem Cristo

Alcançada perante os descrentes

Na pregação do Evangelho.” (*)

Como? Sacrificando a vida (1Co 9.19-23), com eficácia (1Co 9.24-26) e mantendo o bom testemunho (1Co 9.27)

 

3ª) Coroa da Glória (1Pe 5.4)

Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória.

 

“Para os servos fiéis

No amor pelas ovelhas de Cristo

Alcançada perante a Igreja

No apascentar do rebanho” (*)

 

4ª) Coroa da Justiça (2Tm 4.7-8)

“Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.”

 

“Para os vigilantes

No amor pela vinda de Cristo

Alcançada perante ele mesmo

No anseio pela sua vinda” (*)

 

Deixamos aqui duas palavras, uma de esclarecimento e a outra de advertência.

A primeira, de esclarecimento e motivação é a seguinte. Como pode ser observado na exposição acima das coroas, qualquer cristão poderá ser recompensado com uma dessas coroas, pois os requisitos são variados, elas não estão restritas apenas aos líderes. Podemos inferir que até mesmo esta coroa de glória poderá ser recebida por um servo ou uma serva de Deus que não exerceu uma função ou papel formal de liderança na igreja, pois essas não estão atreladas a títulos, mas aos serviços realizados.

A palavra de advertência tem por base o texto: “Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.” (Ap 3.11). É preciso ficar atento ao que se realiza ou deixa-se de realizar por meio do corpo. O apóstolo Paulo acrescenta: “Contudo, se o que alguém edifica sobre o fundamento é ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará. Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão; se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo.” (1Co 3.12-15). No Tribunal de Cristo não estará na pauta o julgamento para salvação ou condenação. Entretanto, serão julgadas as obras dos crentes, com vistas a galardão ou destruição pelo fogo da avaliação divina. Aquilo que realizarmos por meio do corpo que teve a aprovação de Deus será recompensado; enquanto que as coisas inúteis e irrelevantes, segundo o juízo divino, serão destruídas, ainda que possam ter grande valor para quem as realizou. Portanto, é importante avaliar a cada momento se o resultado do nosso esforço é para recompensa ou destruição. Porque se a Graça depende totalmente de Cristo, o Galardão depende “totalmente” do crente, que precisa estar em sintonia com o Pai: “porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.” (Fp 2.13).

 

(*) Pinto, José Boechat. As coroas dos crentes (Edições Cristãs)

 

_____________________

Leia nos artigos anteriores:

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

 

Leia no próximo artigo:

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

 

O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

Jeito errado-certo

No último artigo, no atual e nos próximos dois, estamos tratando da seguinte temática e tópicos:

Pastoreando o Rebanho de Deus (1Pe 5.1-4).

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

Nos três primeiros artigos traremos a visão da igreja primitiva ou neotestamentária sobre o assunto, tomando por base a Primeira Epístola de Pedro, conforme o texto mencionado. No quarto artigo, faremos uma ponte daquele tempo inicial para o tempo atual. Abra a sua mente e coração para refletir mais profundamente sobre a visão bíblica quanto ao pastoreio do rebanho de Deus, a sua igreja militante. Vejamos, agora, o segundo artigo.

 

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

 2 pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade;

3 nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.

 

O texto não só expressa o anseio e apelo de Pedro, mas também alguns ensinamentos importantes:

1º) Era tarefa e função dos presbíteros de cada igreja pastorear, ou seja, guiar, alimentar e cuidar do rebanho.

2º) Nunca se pode perder de vista que o rebanho é de Deus e não de algum líder. O recado velado é simples, preventivo e oportuno.

3º) O rebanho de Deus está espalhado por toda a parte, mas não está disperso, nem perdido. Está distribuído por aí em pequenos rebanhos que precisam ser pastoreados por seus respectivos presbíteros.

A tarefa de pastorear traz a reboque alguns requisitos e desafios. Três deles são aqui mencionados:

 

1. “não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer”

A palavra “constrangimento” traz em si mesma uma carga negativa; não combina com o ser humano e nem com o verbo fazer. Fazer algo por constrangimento é ser forçado a fazer, quando não se queria fazer; é fazer por obrigação. Isso nunca é bom para quem faz e produtivo para a missão ou tarefa ou obra a ser realizada. A tarefa de pastorear é verdadeiramente preciosa aos olhos de Deus e nobre diante dos olhos humanos; mas não é para qualquer pessoa. O apóstolo Paulo afirma: “Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja” (1Tm 3.1). A obra é excelente, mas nem todos são vocacionados para realiza-la. Daí a probabilidade real de alguém ser constrangido ou “forçado” a realiza-la. Muitas são as razões ou circunstâncias que podem levar alguém a esse pastorear por constrangimento. Podemos citar aqui algumas delas, para exemplificar:

a) – Não tem ninguém melhor para fazer, então assuma você (necessidade);

b) – Isso pode me colocar numa posição de destaque e visibilidade, então vou assumir, mesmo não gostando (vaidade);

c) – Isso é uma tradição de família, então você tem que assumir (tradição);

d) etc etc

O pastorear não pode ser determinado pela imposição das circunstâncias, nem pela vontade dos outros, nem pela ambição humana, nem pelos caprichos do tradicionalismo. Antes, porém, precisa ser exercido espontaneamente, em atendimento ao nítido e inconfundível chamado de Deus. O padrão não é humano e nem negociável; tem que ser exatamente como Deus quer!

2. “nem por sórdida ganância, mas de boa vontade”

 Outra forma errada de pastorear é fazê-lo de forma gananciosa; aquele jeito sujo, nojento de se obter alguma vantagem financeira do rebanho de Deus se aproveitando do ofício. Imaginem o acerto de Pedro, inspirado pelo Espírito Santo, é claro, prescrevendo algo que na história da igreja tem sido uma lamentável realidade, principalmente neste século 21. Quantos falsos pastores, verdadeiros mercenários, estelionatários da fé, mercadejadores da Palavra de Deus, têm enriquecido manipulando e despojando aquelas ovelhas ingênuas do Senhor. Paulo insere este aspecto na qualificação de presbíteros, “… não cobiçoso de torpe ganância,…”(1Tm 3.3; Tt 1.7) e, também, na qualificação dos diáconos: “…, não cobiçosos de sórdida ganância,…” (1Tm 3.8). Na ocasião já havia indícios de que isso seria problema para a igreja (Tt 1. 10-12).

Ao contrário disso, o apelo do apóstolo é que o pastoreio seja exercido de boa vontade, sem exigir nada em troca. Pedro conhecia bem o exemplo do Mestre, que deu muito e pediu muito pouco. Deu pães e peixes com fartura e pediu apenas cinco pães e dois peixes (Mc 6.35-44). Nem para pagar o imposto de meio estáter (duas dracmas) pediu, antes, porém, enviou Pedro a pescar um estáter que estaria na boca do primeiro peixe fisgado (Mt 17.24-27). E, também disse: “Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (At 20.35).

 

3. “nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho”

A figura que salta aos olhos neste terceiro caso é a de um mordomo. Aquele que pastoreia se assemelha ao mordomo a quem o dono da casa confia a administração dos seus bens e dos seus servos. O grande risco e equívoco de ambos, é pensar e agir como se fossem donos e não servos. Aquele que pastoreia não é dono do rebanho e o rebanho não é de animais, mas de gente. Gente salva por Cristo, com todo o direito de pensar com sua própria cabeça. Gente que não precisa ser dominada, nem mentalmente manipulada, mas que precisa ser orientada. Gente que, se não seguir a orientação de seus líderes, segundo a Palavra de Deus, colherá as consequências na sua vida e família. Gente que um dia terá que prestar contas dos seus atos diretamente a Deus. Aliás, também os presbíteros hão de prestar contas a Deus do seu ministério: “Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.” (Hb 13.17)

Em vez de dominar, o que se recomenda aos presbíteros é agir de tal forma que mais do que as palavras, suas vidas sirvam de modelo e exemplo a ser seguido pelos irmãos.

____________________

Leia no artigo anterior:

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

 

Leia nos próximos artigos:

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

 

A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

Apóstolos-Presbíteros

Nestes próximos quatro artigos estaremos tratando da seguinte temática e tópicos:

Pastoreando o Rebanho de Deus (1Pe 5.1-4).

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

Nos três primeiros artigos traremos a visão da igreja primitiva ou neotestamentária sobre o assunto, tomando por base a Primeira Epístola de Pedro, conforme o texto mencionado. No quarto artigo, faremos uma ponte daquele tempo inicial para o tempo atual. Abra a sua mente e coração para refletir mais profundamente sobre a visão bíblica quanto ao pastoreio do rebanho de Deus, a sua igreja militante.

 

Parte 1: A paridade entre apóstolos e presbíteros (1Pe 5.1)

“Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada:”

O apelo é dirigido “aos presbíteros que há entre vós”. A igreja neotestamentária era governada e pastoreada pelos presbíteros, que, por sua vez, eram auxiliados pelos diáconos. Os presbíteros eram os oficiais da igreja que se dedicavam prioritariamente à pregação, ao ensino da Palavra e à oração; enquanto os diáconos cuidavam em atender às necessidades materiais dos santos (At 6.2-4). E, todos os crentes, inclusive presbíteros e diáconos, tinham a responsabilidade e privilégio de testemunhar, falar da salvação em Jesus e, além disso, de praticar o amor e procurar com zelo os dons espirituais (1Co 14.1) para serem aplicados no serviço cristão: “… com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo,” (Ef 4.12). A expressão “que há entre vós”, isto é, nas diversas igrejas locais para as quais a epístola foi escrita (1Pe 1.1), nos revela a normalidade do uso de tal ofício. Paulo, o apóstolo dos gentios e responsável pela organização da maioria dessas igrejas locais, não descuidava desse importantíssimo aspecto: “E, promovendo-lhes, em cada igreja, a eleição de presbíteros, depois de orar com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.” (At 14.23); “Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi:” (Tt 1.5). Ressalte-se a preferência pela pluralidade de oficiais presbíteros em cada igreja. De certa forma, isso tinha em vista a garantia de continuidade e da ordem institucional e eclesiástica.

É interessante observar o posicionamento de Pedro ao se expressar assim: “…eu, presbítero como eles,…”. Há quem valorize a existência de hierarquia, castas, divisões, na sociedade e, até mesmo, na igreja. Parece que tal ideia não tinha muitos defensores entre os apóstolos. Pedro revela isso aqui e o apóstolo João prefere se identificar como “o presbítero” (2Jo 1.1; 3Jo 1.1). Em certos textos, nota-se que eles preferiam se identificar, prioritariamente, como servos: Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus,” (Rm 1.1; Tt 1.1; 1Pe 2.1). Qual a diferença entre apóstolos e presbíteros?

a) Os apóstolos

A palavra “apóstolo” (gr. apostolov) significa “alguém enviado”, como um embaixador que leva uma mensagem e representa aquele que o enviou. O termo é composto do prefixo “apo” (afastamento, separação), mais gr. stelw (enviar). Entretanto, esse termo é empregado no Novo Testamento para qualificar dois grupos distintos de pessoas:

Como título oficial, que dá a entender poderes e autoridade especiais em referência aos alicerces da igreja (ver Ef 2.20), aplicava-se exclusivamente aos doze apóstolos originais, a Matias e a Paulo. São os doze mencionados em Apocalipse 21.14. As qualificações ou credenciais (ver 2Co 12.12) de um apóstolo incluem:

 i. Ter sido escolhido pessoalmente pelo Senhor ou pelo Espírito Santo (Mt 10.1-2; At 1.26; Gl 1.1);

 ii. Ter visto o Senhor e ser testemunha de sua ressurreição (At 1.22; 1 Co 9.1);

 iii. Ser investido com dons miraculosos, os “sinais”, “prodígios” e “maravilhas” (At 5.15-16; Hb 2.3- 4).

Contudo, há também um sentido não-técnico, secundário, da palavra “apóstolo”. Trata-se de uma aplicação mais abrangente do termo. Esse sentido secundário dá a entender essencialmente o que denominamos hoje de “missionários”, pessoas enviadas e dotadas de poder e autoridade especiais. Vale lembrar que o termo “missionário” não se encontra no NT. É desta forma que Barnabé é referido como “apóstolo”, juntamente com Paulo em Atos 14.4. O apóstolo Paulo aplica essa palavra, neste mesmo sentido, a Tiago, irmão do Senhor (Gl 1.19). Neste mesmo sentido Epafrodito é citado, por ser “mensageiro” (gr. apostolon) da igreja em Filipos (Fp 2.25, ver ainda a citação de “mensageiros”, gr. apostoloi, em 2Co 8.23). Não se pode deixar de mencionar os falsos apóstolos mencionados e denunciados no NT (2Co 11.13 e Ap 2.2).

 

Na verdade, o ministério apostólico dos doze era temporário e transitório. Na Antiga Aliança, Deus chamou a Abraão e, através de seu neto Jacó (ou Israel), elegeu para si um povo, Israel, formado por doze tribos, que levavam os nomes dos seus filhos. Na Nova Aliança, Jesus foi enviado por Deus para reunir um novo povo eleito, os remidos pelo seu sangue. Assim como Moisés foi usado por Deus com autoridade e poder (Ex 7.3), para dar corpo e forma a este povo, Jesus, também foi usado e aprovado por Deus diante de todos para inaugurar um novo tempo (At 2.22). Como ele havia de morrer, ressuscitar e retornar ao pai, para que o Espírito Santo de Deus fosse derramado sobre todos os remidos, ele mesmo escolheu, chamou e capacitou doze discípulos, aos quais deu o nome de apóstolos (Lc 6.13), sendo um deles (Judas Iscariotes) posteriormente substituído, para dar corpo e forma a este novo povo, que lhe aprouve chamar de sua igreja. Como o próprio nome indica, o livro de “Atos dos Apóstolos” registra um pouco do muito que o Espírito Santo realizou através deles.

Resumidamente, podemos dizer que os apóstolos:

  • Receberam mandamentos por intermédio do Espírito Santo (At 1.2);
  • Ensinaram a doutrina do Senhor (At 2.42; 2Pe 3.2; Jd 1.17);
  • Juntamente com os profetas do Antigo Testamento estabeleceram o fundamento sobre o qual a igreja seria edificada (Ef 2.20);
  • Realizaram muitos prodígios e milagres (At 2.43; 5.12);
  • Com grande poder, davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus (At 4.33);
  • Recebiam doações e providenciavam a distribuição aos mais necessitados (At 4.34-35);
  • Foram presos e castigados para que não falassem em o nome de Jesus (At 5.18; 5.40);
  • Orientaram a igreja a escolher homens para servir, os futuros diáconos, e impôs as mãos sobre eles (At 6.1-6);
  • Exerciam, juntamente com os presbíteros, o governo da igreja (At 15.2).

 b) Os presbíteros

O texto de Atos 8.1 nos apresenta um divisor de águas do ministério apostólico. A partir daquele momento a atuação apostólica ficou praticamente circunscrita a Jerusalém, com poucas incursões fora destes termos, realizadas principalmente pelo apóstolo Pedro (At 9.32) e, eventualmente, acompanhado por João (At 8.14); sendo Pedro aquele que havia recebido do Senhor as chaves para abrir a porta do Evangelho aos judeus e gentios (Mt 16.19). Entretanto, a partir de Atos 9, entra em cena o apóstolo Paulo, um “nascido fora de tempo” (1Co 15.8), o “apóstolo dos gentios” (Rm 11.13). Em tempo de muita perseguição aos apóstolos e a igreja de Jerusalém, ele se encarregou de levar o evangelho até aos confins da terra (At 1.8).

Assim, enquanto a participação dos onze, juntamente com Matias (At 1.26) diminuía, encerrando o ciclo apostólico, a presença dos novos líderes da igreja, os presbíteros, crescia. A primeira menção a eles, no NT, ocorre em Atos 11.30. Resumidamente podemos dizer do presbítero:

  • É um ofício plural exercido por homens, com ação no âmbito da própria igreja, a qual reconhece aqueles a quem Deus escolheu, debaixo de muita oração e jejuns (At 14.23). Diz o sábio: “Não havendo sábia direção, cai o povo, mas na multidão de conselheiros há segurança.” (Pv 11.14);
  • Juntamente com os apóstolos tinham a responsabilidade de analisar e deliberar sobre questões doutrinárias (At 15.2, 4, 6, 22), emitindo documento sobre a decisão tomada, para orientação da igreja (At 15.23; 16.4);
  • O apóstolo Paulo dedicou atenção especial a eles, pois os via como líderes e pastores do rebanho de Deus (At 20.17, 28; 21.17);
  • Há dois textos bíblicos principais que apresentam, em forma de instrução e prescrição, as qualificações necessárias dos presbíteros: 1 Timóteo 3.1-7 e Tito 1.5-9. São listados ali cerca de 21 requisitos ou qualificações, sendo 5 apenas em 1 Timóteo 3.1-7, 7 em Tito 1.5-9 e, 9 comuns aos dois textos. Para propiciar uma melhor visão didática, essas qualificações individuais e familiares, podem ser agrupadas sob os seguintes aspectos/segmentos: “caráter / temperamento”, “comportamento / hábito”, “habilidade / competência / maturidade” e, “situação conjugal e familiar”. Portanto, cada presbítero deve atender a essas qualificações, sendo que em algumas delas precisará contar com a colaboração da família (esposa e filhos).
  • Paulo escreve algo que tem a ver com honra, mas também com o eventual sustento financeiro desses líderes: “Devem ser considerados merecedores de dobrados honorários os presbíteros que presidem bem, com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino.” (1Tm 5.17)
  • Tiago destaca a importância dos presbíteros, orando e atendendo as necessidades da igreja (Tg 5.14).

Por que em Efésios 4.11 o apóstolo Paulo mencionou apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres, e omitiu presbíteros e diáconos? Não me passa pela mente outra resposta senão que as cinco palavras citadas se referem aos cinco dons ministeriais concedidos pelo Espírito Santo. O texto diz assim: “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo,” (Ef 4.11-12). Já as palavras presbíteros e diáconos se referem a ofícios ou cargos instituídos desde os primórdios da igreja, para zelarem pelo seu bom funcionamento e ordem. Vale ressaltar que até mesmo o ofício de “pastor ou ministro do evangelho“, tão comum na igreja evangélica de hoje, é posterior ao primeiro século, não ocorrendo ainda na igreja neotestamentária. Assim sendo, os pastores mencionados em Efésios 4.11 se referem ao dom e não ao ofício de ministro do evangelho. Paulo considerava-se designado por Deus como pregador, apóstolo e Mestre (2Tm 1.11). Então, o melhor dos mundos seria aquele em que ministros do evangelho, presbíteros e diáconos exercessem seus respectivos ofícios cheios do Espírito Santo, manifestando os vários dons por ele concedidos.

Enfim, o que se via na igreja primitiva era a paridade entre apóstolos e presbíteros, ocorrendo o que sempre acontece quando pares conciliares se reúnem; uns se destacam mais do que outros. No famoso Concílio de Jerusalém, reunido para tratar da questão da circuncisão dos gentios (At 15), houve grande debate (At 15.7), o que sugere que muitos apóstolos e presbíteros expuseram suas opiniões. Lucas, inspirado pelo Espírito, de uma forma inteligente e objetiva, teve o cuidado de destacar a presença de uma multidão acompanhando os debates (At 15.12) e, a fala de quatro oradores, dentre tantos outros: Pedro (At 15.7), Barnabé e Paulo (At 15.12) e Tiago, irmão do Senhor (At 15.13). É fácil entender o porquê do registro desses quatro. Um eficiente secretário de atas de um concílio também teria seguido a linha de Lucas. Pedro, por sua proeminência entre os apóstolos, por ter sido designado pelo Mestre aquele que tinha a chave para abrir a porta do evangelho aos gentios e, como já vimos antes, pela sua experiência alcançada nas incursões que fazia entre os gentios. Barnabé e Paulo, porque na ocasião eram as maiores autoridades na evangelização e plantação de igrejas no mundo gentio. Esses três oradores defenderam muito bem a ideia de que na Nova Aliança não havia mais distinção entre judeus e gentios e espaço para as ordenanças da Antiga Aliança. Por fim, Tiago, porque ratificou o que os três anteriores falaram, acrescentando a citação do profeta Amós (Am 9.11-12); essa é a vantagem de quem fala por último, num concílio. A grande contribuição dele, como alguns conciliares que conheço costumam fazer, foi a de, com sabedoria, já encaminhar o debate para a decisão final, apresentando uma proposta que previa até a forma de comunicação e o texto a ser encaminhado para orientação dos irmãos. É digno de nota que a decisão final foi tomada pelos apóstolos e presbíteros, com toda a igreja ali reunida. Afirmar que, por conta dessa proposta final, pode-se considerar que Tiago era o “pastor da igreja de Jerusalém” é muita leviandade. Podemos, no máximo, supor que Tiago tinha alguma liderança entre seus pares, lucidez de raciocínio, facilidade de comunicação, conhecimento das Escrituras e, provavelmente, desfrutava de um certo prestígio por ser um meio-irmão do Senhor Jesus Cristo.

Leia nos próximos artigos:

Parte 2: O jeito errado e o certo de pastorear (1Pe 5.2-3)

Parte 3: A recompensa do bom pastoreio (1Pe 5.4)

Parte 4: O pastoreio da igreja na atualidade

A Família Igreja

Família Igreja

Família é algo tão singular que se manifesta originalmente, de forma misteriosa, na Trindade; se reproduz na esfera das criaturas humanas; e, também se expressa, de forma mística, na instituição Igreja. O que há de interessante nesses três tipos de família é o que já tratamos nos artigos anteriores, “A Família Deus” e “A Família Homem” e o que trataremos neste artigo.

“Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus,” (Ef 2.19)

Várias metáforas são aplicadas à igreja, tais como: Corpo de Cristo (1Co 12.27; Ef 1.23), Rebanho (Jo 10.16; At 20.28), Lavoura de Deus (1Co 3.9), Casa Espiritual (1Pe 2.5), Edifício de Deus (1Co 3.9), Santuário de Deus (1Co 3.16-17; Ef 2.21) etc. Dentre tantas figuras, a da igreja como Corpo de Cristo e como Família, a Família de Deus são muito significativas, porque envolvem as ideias de corpo e de pessoas, respectivamente. Se para a sociedade pós-moderna, a família tradicional ou família nuclear, composta de pai, mãe e filhos, a cada dia que passa se torna menos importante, o mesmo não ocorre na visão divina. Na bíblia e na visão de Deus, o Criador de todas as coisas, a família sempre ocupou e sempre ocupará um lugar de destaque.

A Família Deus (Deus-Pai, Deus-Filho e Deus-Espírito Santo) sempre existiu em perfeita harmonia, unidade e gozo. Ao criar a Família Homem ou Família Adâmica, seu propósito era reproduzir, no habitat terrestre, este seu modelo de família e que esta vivesse em perfeita comunhão e harmonia com ela, a Família Deus. Porém, logo a Família Homem fracassou e, pela desobediência, quebrou a comunhão com a Família Deus. O pecado gerou a maldição, o caos se instalou desde então e separou a Família Homem, da Família Deus.

A Família Deus não desistiu do seu propósito e anunciou a vinda de uma criança que inauguraria um novo tempo, que iria possibilitar a geração de uma nova família, a Família Igreja, a Igreja de Jesus Cristo. Na sua oração ao Pai, também conhecida como oração sacerdotal, Jesus expressa claramente esse anseio de comunhão da Família Deus: “Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra; a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste.” (Jo 17.20-21). Seu propósito se estende para além dessa vida. Após uma breve passagem por este mundo terreno, ele deseja que todos os seus sejam reunidos a ele na sua glória celestial e eterna (Jo 17.24).

Portanto, é em Cristo, que efetivamente acontece a “fusão”, a reconciliação, entre a Família Deus e a Família Homem, gerando a Família da Fé, a Família Igreja! É claro que não é a Igreja quem salva, mas Jesus Cristo! E essa salvação é individual, pessoal e não familiar.

Como se manifesta a paternidade, a maternidade e a “filidade” na Família Igreja?

O tema da epístola de Paulo aos Efésios é: A IGREJA, O CORPO DE CRISTO. Na “fusão” da Família Deus com a Família Homem, a Família Deus ocupa o lugar de cabeça e a Família Homem Regenerada ou Família Igreja, ocupa o lugar de corpo. É o cérebro (Família Deus), que com “impulsos invisíveis” aos olhos humanos, comanda todo o corpo visível (Família Igreja) (1Co 11.3; Ef 5.23).

A paternidade na Família Igreja emerge, espiritualmente, de Deus-Pai; e flui, efetivamente, através dos seus líderes. Essa liderança visível da Família Igreja foi instituída por Deus para exercer as funções de provisão, proteção e direção; através de homens segundo o coração de Deus, designados na Bíblia por presbíteros (ou bispos ou anciãos) (1 Tm 3.1-7 e Tt 1.5-9) e diáconos (At 6.1-6 e 1Tm 3.8-13). A sociedade secular pode até ter outra visão sobre o papel do homem e da mulher na liderança da família, o que não é de se estranhar porque ela não está alinhada com os padrões divinos; e, assim agindo, acaba influenciando fortemente a Família Homem e a Família Igreja, a tal ponto de muitos crentes passarem a achar que esse princípio bíblico é machista, retrógrado e ultrapassado. Entretanto, isso não deve nos surpreender, nem tampouco as tentativas mirabolantes que estes fazem com os textos bíblicos para conciliar o inconciliável – Sociedade Secular e Igreja. Nenhuma suposta modernidade deve mudar nossa visão e posição sobre este assunto, pois a nossa bússola existencial e espiritual deve apontar sempre para o norte divino da Santa e Eterna Palavra de Deus – a Bíblia. Quando Deus fala pela boca do profeta Jeremias: “Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com conhecimento e com inteligência.” (Jr 3.15), podemos assegurar que Deus não está se referindo exclusivamente àqueles que chamamos hoje de pastor de igreja. A referência divina é a homens maduros e experientes na fé, chamados e capacitados por ele mesmo para liderar o seu povo, que hoje é a sua igreja (1Pe 5.1-2). Naturalmente, quando não estiver em foco a Família Igreja como um todo, porém um segmento menor desta, outros líderes, de ambos os sexos, são extremamente úteis e importantes.

A maternidade na Família Igreja emerge, espiritualmente, de Deus-Espírito Santo; e flui, efetivamente, através do mesmo Espírito Santo, derramado sobre todos os remidos do Senhor, pertencentes à Nova Aliança; diferentemente do que acontecia na Antiga Aliança, quando este mesmo Espírito tomava pontual e temporariamente apenas algumas pessoas visando determinado fim. O Espírito Santo se manifesta: pela regeneração ou novo nascimento da criatura humana, através da Palavra de Deus, a Bíblia, (Jo 3.5; Ef 5.26; Tt 3.5; 1Pe 1.23); pela sua habitação no crente (Jo 14.17, 23); pelo fruto do Espírito (caráter – Gl 5.22-23); e, pelos dons do Espírito (Serviço – Ef 4.12), nos regenerados. A Palavra pregada e ensinada produz a fé para a salvação (Rm 10.17) e crescimento espiritual (Ef 4.15-16). Portanto, o Espírito e a Palavra de Deus, além da regeneração e crescimento, produzem inspiração, acolhimento, consolo e nutrição. Não é Maria, mãe de Jesus, ou o segmento feminino da igreja, que vão exercer as funções da maternidade na Família Igreja! Absolutamente Não!!! Idolatrar a “Virgem Maria”, como a mãe de Deus ou mãe da igreja é cometer o grave erro de anular a verdadeira expressão da maternidade na Igreja, que acontece pelo ESPÍRITO SANTO!!!

O Espírito Santo é a parte divina que possibilita a união mística da Família Deus com a Família Homem, dando origem à Família Igreja. É esse diferencial, da ação do Espírito Santo, que faz a igreja ser igreja e não uma Associação Social, ou um Clube, ou uma ONG. É através da sua presença efetiva e real na Família Igreja que o princípio da maternidade se expressa. É esta ação do Espírito Santo que capacita, com dons, cada crente sacerdote (homem e mulher) para exercer a sua função no corpo de Cristo, na Família Igreja. É como diz o apostolo Paulo: “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo,” (Ef 4.11-13).

A “filidade” na Família Igreja emerge, espiritualmente, através de Deus-Filho; e flui, efetivamente, pelos filhos de Deus, membros do corpo de Cristo. A “filidade” de Jesus é o exemplo a ser seguido por nós crentes, seus irmãos: “Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos,” (1Pe 2.21). O grande propósito de Deus para a igreja é que cada remido reproduza em seu viver a imagem do seu Filho Jesus: “Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.” (Rm 8.29; ver tb Gl 4.19; Ef 4.13). Jesus é o nosso exemplo e modelo de “filidade”, isto é, de alinhamento com o propósito e a vontade do Pai, obediência aos valores do Pai e continuidade da missão.

 

Em resumo, na Família Igreja temos:

PATERNIDADE (Líderes): Provisão, Proteção e Direção.

MATERNIDADE (Espírito Santo e a Palavra de Deus): Inspiração, Acolhimento, Consolo e Nutrição.

“FILIDADE” (Crentes): Alinhamento, Obediência e continuidade.

 

Conclusão:

“Não há nada que se faça fora da família que não tenha nascido na família”. Todos nós nascemos em alguma família. Mas, nenhum de nós escolheu a família em que nasceu.

Talvez você tenha sido agraciado com uma família que só te dá alegria, que provê tudo o que você precisa: teto, conforto, alimentação, saúde, educação, proteção, diversão, apoio, incentivo etc etc. Não se esqueça, entretanto, que tudo isso é passageiro; o máximo que tua família e amigos poderão fazer por você é, no final da tua vida terrena, segurar a alça do caixão e levar o teu corpo até a sepultura.

Quem sabe você teve a desventura de nascer numa família, rica ou pobre, mas que somente trouxe amargura e sofrimento à tua vida. O que mais importa agora não é o que fizeram com a tua vida e sim o que você vai fazer com o que fizeram da tua vida.

Deus tem uma excelente notícia para todos nós. Em Cristo ele nos deu acesso a uma nova família, a Família Igreja, a Família de Deus, uma Família Eterna. O que você precisa fazer agora é levar até aos pés de Cristo toda a tua dor e frustrações; confessar a ele todos os teus pecados e recebê-lo como Senhor e Salvador da tua vida. É como diz a letra deste cântico:

Se caminhas na vida sempre na contramão    

E se andas sem rumo, sem achar a razão,

Meu amigo é fácil encontrar solução:

Precisas fazer parte da família de DEUS.

 

Vem entrar agora na família de DEUS.

Precisas fazer parte da família de DEUS.

             

Veja, também, os seguintes artigos:

A Família Deus (anterior)

A Família Homem (anterior)

As qualificações dos diáconos

O embrião do ofício de diácono está no texto de Atos 6.1-6, tendo ocorrido a partir de delegação da autoridade apostólica e, portanto, constitui-se num exercício de autoridade na igreja. Desta forma, coerentemente com o “princípio divino da autoridade de gênero”, foram escolhidos sete homens. Entretanto, as qualificações para o ofício de diácono na igreja apareceram posteriormente, no texto de 1 Timóteo 3.8-13. Antes de tratarmos das qualificações dos diáconos é importante analisar a questão da diaconia, na bíblia.

Cremos na diaconia universal dos crentes, homens e mulheres, ao lado do sacerdócio universal dos crentes. Todos os remidos foram chamados pelo Senhor para servir, para realizar as boas obras: “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” (Ef 2.10). Servir, no grego, “doulos” (escravo, aquele que deve cumprir a vontade do seu Senhor, sem se importar com sua própria vontade) ou “diakonos” (aquele que realiza tarefas para ajudar os outros) é a nobre missão de cada crente, pois o Senhor Jesus é o exemplo maior. “Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.” (Mc 10.45). Para servir não é necessário ter um cargo ou um ofício. Assim é que o termo servir é empregado em todo o NT no sentido não-técnico, referindo-se a homens e mulheres que serviam a essa ou àquela igreja local: “Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que está servindo à igreja de Cencréia,..” (Rm 16.1). Na igreja primitiva, a pergunta que se fazia a outro cristão era: “– em que igreja você está servindo ao Senhor?”; enquanto hoje se pergunta: “– de que igreja você é?”

Cremos que o ofício de diácono, ao lado do ofício de presbítero, são para ser exercidos por homens, cujas qualificações são descritas na Bíblia em duas únicas listas: 1Timóteo 3.1-13 e Tito 1.5-9. E não é por acaso que tais instruções aparecem na Bíblia, lado a lado: “Semelhantemente…” (1Tm 3.8). As qualificações dos diáconos são muito parecidas com as dos presbíteros, pois se trata da liderança maior da igreja, os presbíteros, e da liderança supervisionada por eles, os diáconos. Vale lembrar que o termo “diaconisa” não aparece na Bíblia, nem muito menos “presbítera”. Já que o governo das igrejas locais e o ensino público oficial nas mesmas são funções de presbíteros e pastores (cf. 1Tm 3.2, 4-5; 5.17; Tt 1.9), infere-se que tais funções não fazem parte do chamado cristão das nossas queridas irmãs.

O texto bíblico apresenta, em forma de instrução e prescrição, as qualificações dos diáconos. São listados cerca de 9 requisitos “necessários” que não são meramente caprichos do apóstolo. Para propiciar uma melhor visão didática, essas qualificações individuais e familiares, podem ser agrupadas sob os seguintes aspectos/segmentos: “caráter/temperamento”, “comportamento/hábito”, e, “situação conjugal e familiar”. Portanto, cada diácono deve atender a essas qualificações, sendo que em algumas delas precisará contar com a colaboração da família (esposa e filhos).

Apresentamos, a seguir, as 9 qualificações vinculadas a seus respectivos segmentos. Ainda que tecnicamente alguma qualificação possa ser mais bem enquadrada em outro segmento, o mais importante, sem dúvida, é entender o significado de cada uma delas e que esta instrução bíblica seja praticada na igreja. O assunto é muito extenso, mas será abordado aqui de forma sucinta. Os textos bíblicos seguem a versão Almeida Revista e Atualizada (ARA).

I.   CARÁTER/TEMPERAMENTO

Considera-se aqui o “jeito de ser” da pessoa.

1 Qualificação: “é necessário que sejam respeitáveis” (1Tm 3.8)
Significado: Respeitável → Digno de respeito, apreço, atenção, consideração, acatamento.

Comentário: Já diziam os antigos que respeito não se impõe, se conquista; e não é uma conquista fácil. Como? Com atitudes coerentes, falando e fazendo a coisa certa, da forma certa e na hora certa. Em outras traduções, “que sejam honestos”, “que sejam sérios”. Esta seriedade não tem nada a ver com ser uma pessoa sempre fechada e sisuda; indica a reverência com que se deve tratar os anciãos, por exemplo. Entretanto, a pessoa que não se valoriza, que está sempre fazendo criancices, é imatura, que não tem controle e domínio de si e dos seus atos, vai ter dificuldade para conquistar esse respeito. O ofício diaconal requer pessoas maduras, capazes de entender e atender o que a pessoa necessita e não, necessariamente, o que a pessoa pede. O diácono precisará ter discernimento e sabedoria para lidar com “pedintes profissionais” que chegam até eles com as mais criativas estórias.

2 Qualificação: “de uma só palavra” (1Tm 3.8)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Eis aqui uma qualificação bastante interessante. É rotina do ofício de diácono tratar com pessoas, mediar situações entre partes em conflito, distribuir recursos destinados à ação social sendo o intermediário entre os recursos disponibilizados e os destinatários necessitados etc etc. Assim sendo é mandatório para este ofício que o diácono seja íntegro, honesto e franco no falar, homem “de uma só palavra” ou homem de palavra. Em hipótese alguma é admissível que ele tenha favoritismos e predileções, tratando os iguais de forma desigual, favorecendo a uns em detrimento de outros. Ele não pode dizer uma coisa para um, e outra coisa para o outro; a verdade tem que ser única na sua boca. Por falar nisso, em muitos casos ele precisará ser discreto, sigiloso e confiável, não comentando os problemas das pessoas atendidas por ele.

 

II.      COMPORTAMENTO/HÁBITO

Considera-se aqui o “modo de agir, de proceder” da pessoa.

3 Qualificação: “irrepreensível” (1Tm 3.10)
Significado: Que não dá motivo à repreensão ou censura.

Comentário: Excelente “carro chefe” nas duas listas de qualificações, pois supre facilmente algum requisito que porventura o apóstolo Paulo tenha deixado de mencionar. Irrepreensível não quer dizer perfeito, pois perfeito é atributo somente do Senhor Deus. Irrepreensível é aquele que as pessoas, de dentro ou de fora da igreja, não tenham pecado para apontar, pois não vive na prática do pecado (1Jo 3.9). No caso de diáconos aparece esta novidade: Também sejam estes primeiramente experimentados; e, se se mostrarem irrepreensíveis, exerçam o diaconato.” (1Tm 3.10). Aquela mesma ideia de que não devem ser neófitos, novos convertidos, aparece também aqui. Os diáconos têm a responsabilidade de manter a ordem nos cultos. Assim sendo, precisam ter autoridade espiritual pois, eventualmente, precisarão atender casos de possessão demoníaca, dentre outros. Presbíteros e diáconos não são escolhidos pela igreja, são escolhidos por Deus e reconhecidos pela igreja. Para que sejam reconhecidos, a igreja precisa avaliar o trabalho que já estão fazendo e não se iludir com o suposto potencial que, teoricamente, aparentam possuir.

4 Qualificação: “não inclinados a muito vinho,” (1Tm 3.8)
Significado: Não dominado por bebida alcoólica.

Comentário: Cada país tem suas tradições e bebidas típicas. No Brasil, a caipirinha; no México, a Tequila; na Alemanha, a cerveja; na Rússia, a vodca; etc. Naquela época e região, o vinho tinha os seus apreciadores. Vale lembrar que o apóstolo não desqualificou quem bebia vinho, mas sim quem não se dominava no seu consumo. Particularmente, nunca fui chegado a bebidas alcoólicas e nunca fui fã da expressão “beber socialmente” como hábito de um cristão (Pv 23.31-35).  Um pouco de vinho, com baixo teor alcoólico, consumido eventualmente nas refeições, tem até seus benefícios medicinais (1Tm 5.23). Entretanto, para quem tem tendência ao alcoolismo, basta começar para não mais conseguir parar. Combate-se acertadamente o fumo, porém a bebida patrocina quase tudo. Assim, infelizmente, as estatísticas do alcoolismo crescem no mundo inteiro.

5 Qualificação: “não cobiçosos de sórdida ganância,” (1Tm 3.8)
Significado: Avareza → desejo e apego exagerado de acumular riquezas.Avarento → que não dá, mesquinho.

Comentário: A avareza é pecado (Mt 6.24); ter dinheiro e ser rico não. O problema não é o dinheiro e sim o amor e apego a ele (1Tm 6.17). Se ele for avarento, o foco da sua vida será cada vez acumular mais dinheiro e deleitar-se com os prazeres que este pode comprar (Pv 23.4-5; 1Tm 6.10). Entretanto, se ele não for apegado ao dinheiro, poderá dispor de mais tempo para servir ao Senhor, dedicar-se mais ao rebanho de Deus e a todos os desafios e projetos da igreja.

6 Qualificação: “conservando o mistério da fé com a consciência limpa.” (1Tm 3.9)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Além de regenerado, é claro, ele deve ser: um fiel seguidor do Senhor Jesus Cristo; guardar no coração e obedecer a Palavra de Deus, para não pecar; conhecer e praticar a sã doutrina bíblica; enfim, guardar e viver a fé cristã. Deve estar sempre pronto a testemunhar de sua fé e evangelizar, tendo em mente os lindos exemplos deixados nas Escrituras pelos diáconos Estêvão (At 6.8 a 7.60) e Filipe (At 8.5-40). Sua consciência não deve acusá-lo, muito menos os de dentro ou os de fora da igreja. Deve demonstrar idoneidade e transparência na administração dos recursos disponibilizados pela igreja.

III.   SITUAÇÃO CONJUGAL E FAMILIAR

Considera-se aqui a “vida familiar” da pessoa.

7 Qualificação: “seja marido de uma só mulher” (1Tm 3.12)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Esta qualificação pode ser interpretada pelo menos de três maneiras:

1ª) Que, obrigatoriamente, ele terá que ser um homem casado (com uma mulher, naturalmente).

2ª) Que, em toda a sua vida, ele tenha sido casado com apenas uma mulher, isto é, que não tenha casado outras vezes.

3ª) Que ele não pode ser poligâmico, pois em algumas sociedades e culturas isso era e ainda é uma situação legalmente permitida.

Qual das três é a interpretação correta? O texto bíblico não favorece uma resposta conclusiva. É desejável que ele seja casado e aplique na igreja a maturidade e experiência da liderança do seu lar. Mas, um homem viúvo, que vive só, também pode ser igualmente útil. Será que um homem viúvo, ao contrair novas núpcias, perderia a qualificação para o diaconato? Quanto ao solteiro, nada é referido explicitamente, a favor ou contra. Quanto ao homem ser casado simultânea e legalmente com mais de uma esposa, parece não ser esse o propósito de Deus, quando instituiu o casamento (Gn 2.24), o que Jesus ratificou (Mt 19.5). Quanto ao homem divorciado, que vive só ou casou-se outra vez, a situação não é muito simples de avaliar. Há alguns anos atrás, muitas igrejas não realizavam casamento de cônjuge divorciado. Dizia-se, também, que homem divorciado não deveria assumir posição de liderança na igreja, por uma questão de não viver uma situação exemplar. Tomavam como base as várias referências bíblicas de que o líder tem que ser modelo para o rebanho (1Pe 5.3; 1Tm 4.22; Fp 3.17). O assunto é muito complexo e não é nosso objetivo tratar dele aqui. Neste final dos tempos, em que há tanto desprezo pela Palavra de Deus e aceitação dos usos e costumes de uma sociedade pagã, que o Senhor nos ilumine e nos dê uma consciência tal que não sejamos irresponsáveis e permissivos, nem legalistas e injustos.

8 Qualificação: “Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo.” (1Tm 3.11)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Este versículo tem sido motivo de muita polêmica, sendo que para uns, está aqui em foco as esposas dos diáconos e, para outros, as qualificações resumidas das diaconisas. Minha posição pessoal se alinha com os que consideram aqui as qualificações resumidas das esposas dos diáconos e, portanto, suas auxiliadoras idôneas. Os argumentos são os seguintes: 1º)Várias traduções da Bíblia já adotam esta posição, pois no grego  “gunê” é traduzido por mulher (Mt 5.28) ou por esposa (Mt 5.31,31; 14.3). “Suas esposas devem ser cuidadosas….” (A Bíblia Viva – Mundo Cristão); “A esposa do diácono também deve ser….” (NTLH – SBB); etc. 2º)O ofício de diácono, desde sua origem (At 6), representa uma delegação de autoridade mas continua sendo exercício de governo na igreja, o que biblicamente é sempre de responsabilidade do homem (princípio divino de autoridade de gênero), o cabeça da mulher. Prova de que o diaconato exerce governo delegado pelo presbiterato é a qualificação de “governo” expressa no versículo 12.  3º)Se o apóstolo quisesse apresentar as qualificações de diaconisa ele seria mais claro e não se limitaria a uma lista tão resumida e inexpressiva. 4º)Não faz qualquer sentido o apóstolo, que é tão sistemático, começar a apresentar as qualificações dos diáconos, interromper para falar de diaconisas, em um minúsculo e brevíssimo versículo (v.11), e depois, continuar com sua apresentação.  Por outro lado, faz todo o sentido ele falar do diácono (vv.8-10), de sua esposa (v.11) e de sua relação familiar (v.12). 5º)É razoável que as esposas dos diáconos sejam mencionadas aqui pois sua cooperação no ministério do marido era e sempre será de grande valor. Vale ressaltar aqui que repudiamos qualquer favorecimento de conceito machista ou feminista na interpretação bíblica. Também não podemos aceitar que qualquer igreja ou denominação se atreva a distorcer o texto bíblico na tentativa de fundamentar suas decisões. Se quiser seguir modelos ou costumes do mundo pagão, a título de “evolução e modernidade”, que o faça e assuma os riscos e consequências, mas, por favor, não coloque a Bíblia nisso!

9 Qualificação: “governe bem seus filhos e a própria casa.” (1Tm 3.12)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Biblicamente, a responsabilidade maior do “governo” do lar é do homem; assim aprendemos e assim praticamos. Obviamente, que essa não é uma tarefa a ser exercida pelo homem de forma isolada, solitária e autoritária. Antes, porém, deverá ser exercida com sabedoria e com todo o apoio de sua esposa, sua auxiliadora idônea. Então, mais uma vez estamos diante de uma qualificação que é exigida dele, mas que depende essencialmente dela, da esposa, e também dos filhos. O texto é de fácil entendimento e a lógica é simples. Quem demonstra estar governando bem a sua casa, terá grande probabilidade de fazer um bom trabalho no governo da igreja, na área da diaconia. Quem no seu juízo perfeito colocaria uma pessoa toda atrapalhada na sua vida pessoal para gerenciar o seu negócio?

Concluímos esta sucinta abordagem com as seguintes considerações:

a) O texto termina com o seguinte versículo: “Pois os que desempenharem bem o diaconato alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus.” (2Tm 3.13). Nenhum servo de Deus, fiel e leal ao seu Senhor, faz o seu serviço buscando glória e honra para si mesmo, senão para o seu Senhor. Entretanto, o seu serviço e dedicação não ficarão esquecidos, diante de Deus e dos homens. Cabe aqui um alerta: diácono não é trampolim para presbítero! Cada ofício tem suas peculiaridades e algumas qualificações distintas. Alguns erros fundamentais têm sido cometidos na tentativa de premiar um diácono operoso “promovendo-o” a presbítero.

b) É difícil imaginar alguém que esteja cem por cento dentro deste padrão. Não é por isso que vamos agora ficar discutindo com a Bíblia ou com o apóstolo Paulo sobre o assunto. Padrão é meta, é desafio. Não é o caso também de desprezarmos o padrão bíblico e adotarmos nossos próprios critérios. A Bíblia é a nossa única e infalível regra de fé e prática.

c) Se eu e você achamos difícil reconhecer um homem cristão que atenda a todas essas prescrições, não fique perplexo se eu te afirmar que todo cristão, e não exclusivamente os diáconos, deveriam ter estas qualificações! Ou você acha que só os diáconos precisam ser respeitáveis, não avarentos, não dados a bebidas alcoólicas etc e os demais cristãos podem? Todos temos o desafio de viver de forma irrepreensível. Não é o que o Senhor Jesus diz? “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.” (Mt 5.48)

d) Não custa lembrar que, biblicamente, não é a igreja quem escolhe diáconos! O processo é o seguinte:

1º) Deus os escolhe, os constitui (vocação e chamado).

2º) O homem cristão, regenerado, faz a obra.

3º) A igreja reconhece aquele que está fazendo a obra, sob a orientação do Senhor.

e) Quando a exigência é pouca e as qualificações bíblicas são desconsideradas, o nível da liderança é fraco e a igreja sofrerá as consequências. É como diz o provérbio popular, aqui adaptado: “Cada igreja tem o governo que merece.”

Finalmente, irmãos se alguém aspira ao diaconato, excelente obra almeja, então deve se empenhar para atender ao padrão prescrito na Palavra de Deus. Por outro lado, irmãos, vamos observar o jeito de ser da pessoa, seu modo de agir, sua capacidade de realização a partir do que a pessoa já vem realizando e, sua vida familiar, ao reconhecer diáconos na igreja de Deus!

Que o Senhor nos ajude!

Clique ao lado para imprimir → As qualificações dos diáconos (pdf)


Veja também: As qualificações dos presbíteros

As qualificações dos presbíteros

Há dois textos bíblicos principais que apresentam, em forma de instrução e prescrição, as qualificações necessárias dos presbíteros: 1 Timóteo 3.1-7 e Tito 1.5-9. O assunto é extremamente importante e sempre atual para cada igreja local. O cristão consciente sabe muito bem o quanto é valioso para a igreja ter  presbíteros que satisfaçam a essas referências bíblicas. São listados cerca de 21 requisitos, sendo 5 apenas em 1 Timóteo 3.1-7,  7 em Tito 1.5-9 e,  9 comuns aos dois textos. Para propiciar uma melhor visão didática, essas qualificações individuais e familiares, podem ser agrupadas sob os seguintes aspectos/segmentos: “caráter/temperamento”, “comportamento/hábito”, “habilidade/competência/maturidade” e, “situação conjugal e familiar”. Portanto, cada presbítero deve atender a essas qualificações, sendo que em algumas delas precisará contar com a colaboração da família (esposa e filhos).

Apresentamos, a seguir, as 21 qualificações vinculadas a seus respectivos segmentos. Ainda que tecnicamente alguma qualificação possa ser mais bem enquadrada em outro segmento, o mais importante, sem dúvida, é entender o significado de cada uma delas e que esta instrução bíblica seja praticada na igreja. O assunto é muito extenso, mas será abordado aqui de forma sucinta. Os textos bíblicos seguem a versão Almeida Revista e Atualizada (ARA).

I.   CARÁTER/TEMPERAMENTO

Considera-se aqui o “jeito de ser” da pessoa.

Qualificação: “temperante” (1Tm 3.2) / “que tenha domínio de si” (Tt 1.8)
Significado: Poder ou virtude pela qual o homem pode refrear os apetites desordenados.

Comentário: O homem temperante ou moderado é aquele que não se deixa arrebatar por extremos. Não pode ser extremista. Precisa ter controle e domínio de si e dos seus atos. Precisa ser autodisciplinado e autocontrolado.

Qualificação: “não violento, porém cordato” (1Tm 3.3; Tt 1.7)
Significado: Cordato → Que concorda, que tem gênio manso e pacífico. Sensato; prudente.

Comentário: O presbítero precisará lidar com opiniões diferentes e até com oposição; dos seus pares ou dos irmãos.  Alguém com gênio manso e pacífico é recomendável.

Qualificação: “inimigo de contendas” (1Tm 3.3)
Significado: Contenda → Altercação, controvérsia, debate, disputa, litígio, demanda.

Comentário: O presbítero precisa ser uma pessoa pacífica e pacificadora e, não, um criador de caso. Entretanto, ser pacífico não significa dizer sim a tudo, como uma vaquinha de presépio, para não se expor e, assim, se sentir confortável junto à maioria dos seus pares.  Vale lembrar, que antes de tudo, o presbítero tem o dever maior de zelar pela ética, pela moral e pelos bons costumes; zelar pelos princípios e doutrinas bíblicas; e, zelar pelo que for melhor para a igreja. Se necessário for, ele vai debater e discutir sim e exaustivamente as questões; com todo o respeito às pessoas, com inteligência e sensatez. Jamais deverá se omitir, sentindo-se acuado pela maldosa insinuação de alguém de que não está promovendo a paz. Seu dever é expor seu ponto de vista com argumentos, fatos e dados. Se a maioria decidir de forma diferente, sua postura tem que ser de respeito, reflexão e entrega para o Senhor, em oração. É preciso ter sempre em mente a possibilidade de estar equivocado ou, por outro lado, que o Senhor Deus pretenda usar uma eventual má decisão do grupo para fins que escapam a nossa visão pessoal, mas não a soberania de Deus.

Qualificação: “não arrogante” (Tt 1.7)
Significado: Arrogante → Altivo, insolente, soberbo.

Comentário: Ele não deve ser orgulhoso, arrogante no trato com as pessoas. Alguém que se acha superior e despreza as opiniões e sentimentos dos outros, não está qualificado para o ofício.

Qualificação: “não irascível” (Tt 1.7)
Significado: Não Propenso à irritação. Que não se irrita facilmente.

Comentário: “Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.” (Tg 1.19b) Principalmente o presbítero precisa enquadrar-se neste perfil recomendado por Tiago. Alguém explosivo, “com pavio curto”, não está qualificado para o ofício.

II.      COMPORTAMENTO/HÁBITO

Considera-se aqui o “modo de agir, de proceder” da pessoa.

Qualificação: “irrepreensível” (1Tm 3.2; Tt 1.5)
Significado: Que não dá motivo à repreensão ou censura.

Comentário: Excelente “carro chefe” nas duas listas de qualificações, pois supre facilmente algum requisito que porventura o apóstolo Paulo tenha deixado de mencionar. Irrepreensível não quer dizer perfeito, pois perfeito é atributo somente do Senhor Deus. Irrepreensível é aquele que as pessoas, de dentro ou de fora da igreja, não tenham pecado para apontar, pois não vive na prática do pecado (1Jo 3.9).

Qualificação: “sóbrio” (1Tm 3.2; Tt 1.8)
Significado: Moderado, não dado a excessos, especialmente no comer, beber e vestir.

Comentário: Uma pessoa sóbria é uma pessoa equilibrada nos seus hábitos alimentares e discreta no vestir-se. Não chama a atenção com os seus exageros.

Qualificação: “modesto” (1Tm 3.2)
Significado: Que pensa ou fala de si sem orgulho; humilde.

Comentário: Uma pessoa modesta é aquela que entendeu o exemplo do Mestre. Um servo não tem o direito de ter vontade própria, quanto mais pensar de si mesmo além do que convém.

Qualificação: “não dado ao vinho” (1Tm 3.3; Tt 1.7)
Significado: Não dominado por bebida alcoólica.

Comentário: Cada país tem suas tradições e bebidas típicas. No Brasil, a caipirinha; no México, a Tequila; na Alemanha, a cerveja; na Rússia, a vodca; etc. Naquela época e região, o vinho tinha os seus apreciadores. Vale lembrar que o apóstolo não desqualificou quem bebia vinho, mas sim quem não se dominava no seu consumo. Particularmente, nunca fui chegado a bebidas alcoólicas e nunca fui fã da expressão “beber socialmente” como hábito de um cristão (Pv 23.31-35).  Um pouco de vinho, com baixo teor alcoólico, consumido eventualmente nas refeições, tem até seus benefícios medicinais (1Tm 5.23). Entretanto, para quem tem tendência ao alcoolismo, basta começar para não mais conseguir parar. Combate-se acertadamente o fumo, porém a bebida patrocina quase tudo. Assim, infelizmente, as estatísticas do alcoolismo crescem no mundo inteiro.

10  Qualificação: “não avarento” (1Tm 3.3) / “nem cobiçoso de torpe ganância” (Tt 1.7)
Significado: Avareza → desejo e apego exagerado de acumular riquezas.  Avarento → que não dá, mesquinho.

Comentário: A avareza é pecado (Mt 6.24); ter dinheiro e ser rico não. O problema não é o dinheiro e sim o amor e apego a ele (1Tm 6.17). Se ele for avarento, o foco da sua vida será cada vez acumular mais dinheiro e deleitar-se com os prazeres que este pode comprar (Pv 23.4-5; 1Tm 6.10). Entretanto, se ele não for apegado ao dinheiro, poderá dispor de mais tempo para estudar a Palavra, preparar-se melhor para ensinar e aconselhar, dedicar-se mais ao rebanho de Deus e a todos os desafios e projetos da igreja.

11  Qualificação: “que tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laço do diabo.” (1Tm 3.7)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Ele deve ter boa reputação perante os de fora da igreja, para que nem ele nem a igreja sejam envergonhados ou caiam no descrédito, nem na cilada do diabo. Se não for assim ele não será irrepreensível, conforme já visto. Chego a pensar que “laço do diabo” também pode ser a falsa impressão de alguém que, consciente ou inconscientemente, sendo um “ficha suja”, se sinta confortável ao ser reconhecido presbítero pela igreja.

12  Qualificação: “amigo do bem” (Tt 1.8)
Significado: Afeiçoado àquilo que promova o bem.

Comentário: A ideia é bem clara e é o mínimo que se espera de qualquer cristão.

13  Qualificação: “justo” (Tt 1.8)
Significado: Conforme à justiça, à razão e ao direito.  Reto, imparcial, íntegro. Homem virtuoso, que observa exatamente as leis da moral ou da religião.

Comentário: O termo tem o mesmo sentido hoje. É a virtude de viver acatando e respeitando as leis de Deus e as leis dos homens.

14  Qualificação: “piedoso” (Tt 1.8)
Significado: Que tem amor e respeito às coisas sagradas; misericordioso, compadecido.

Comentário: Piedoso é aquele que tem prazer nas coisas de Deus e procura viver de modo a ser agradável a Deus, em todo o tempo e em todos os seus atos.

III.    HABILIDADE/COMPETÊNCIA/MATURIDADE

Considera-se aqui a “capacidade de realização” da pessoa (para o ofício).

15  Qualificação: “apto para ensinar” (1Tm 3.2) / “apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem.” (Tt 1.9)
Significado:  Ver comentário abaixo.

Comentário:  Todo presbítero deve ser ensinador e pastor, segundo os padrões bíblicos. O apóstolo Paulo, não só acreditava como contava com isso para a continuação da obra que iniciara:  “De Mileto, mandou a Éfeso chamar os presbíteros da igreja. Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.” (At 20.17, 28). Ele não precisa ser doutor na Palavra, mas deve saber transmitir os seus ensinos, a doutrina. Ele precisa ter intimidade com a Bíblia, para poder combater as heresias e ensinar o reto caminho. Há algum tempo atrás, num certo seminário sobre diaconia, ouvi um pastor dizer que numa igreja governada por um conselho formado de pastor e presbíteros, há pastores que preferem que sejam eleitos presbíteros ricos e rasos no conhecimento bíblico. Por que? Porque desta forma, estes presbíteros “bancam” os seus projetos e não questionam suas pregações e ensinos. Triste pastor e pobre igreja que embarca nessa canoa furada!

16  Qualificação: “não seja neófito, para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo.” (1Tm 3.6)
Significado: Neófito → Novato, sem maturidade na fé.

Comentário: Segundo o ensino bíblico, um recém-convertido não está qualificado para a função. O mesmo se pode dizer de um crente imaturo na fé, ainda que tenha muitos anos de “banco de igreja”. Por que não?

1º) Porque ele precisa ter experiência para lidar com os problemas que surgem no dia a dia da igreja.

2º) Porque ele poderá se escandalizar ao tomar conhecimento de certas coisas que podem eventualmente acontecer em qualquer igreja, pois a igreja visível não é perfeita.

3º) Porque ele deve conhecer a Bíblia, sua doutrina, para colaborar na edificação dos seus irmãos.

4º) Para não incorrer na condenação do diabo. Para não inflar, orgulhando-se de estar ocupando uma posição de destaque, de liderança. O cristão maduro saberá entender as palavras de Jesus quando disse aos seus discípulos que maior é aquele que serve, com toda a dedicação e amor. O neófito poderá incorrer no erro de achar que o oficial de igreja é reconhecido pelos seus irmãos para ostentar um título, para ser servido, para ter regalias e gozar de privilégios!

17  Qualificação: “despenseiro de Deus” (Tt 1.7)
Significado: Aquele que distribui.

Comentário: Ele precisa ter qualidades para ser um bom mordomo, um bom gerente, um bom administrador da casa de Deus. O mordomo tem a responsabilidade de administrar bem pessoas e coisas, fazendo sempre prevalecer a vontade do seu Senhor e não a sua própria. Ele nunca pode perder de vista que é um simples representante do dono e não o dono. Nessa administração, algumas vezes os presbíteros precisarão tratar de assuntos mais técnicos, relacionados a diversas áreas: jurídica, trabalhista, engenharia, economia e finanças, informática, áudio e vídeo etc etc. Se alguém, além de atender as qualificações dos presbíteros, também for especialista em alguma dessas áreas, será útil. Entretanto, não havendo algum presbítero especialista, com muita tranquilidade, o conselho de presbíteros poderá requisitar a presença ou o parecer técnico de um especialista dentre os membros da igreja ou até mesmo de fora dela, sempre que julgar necessário. Não se pode perder de vista que igreja não é empresa, mas um organismo vivo, o corpo de Cristo. Nela, o espiritual tem prevalência sobre o material!

IV.   SITUAÇÃO CONJUGAL E FAMILIAR

Considera-se aqui a “vida familiar” da pessoa.

18  Qualificação: “esposo de uma só mulher” (1Tm 3.2; Tt 1.5)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Esta qualificação pode ser interpretada pelo menos de três maneiras:

1ª) Que, obrigatoriamente, ele terá que ser um homem casado (com uma mulher, naturalmente).

2ª) Que, em toda a sua vida, ele tenha sido casado com apenas uma mulher, isto é, que não tenha casado outras vezes.

3ª) Que ele não pode ser poligâmico, pois em algumas sociedades e culturas isso era e ainda é uma situação legalmente permitida.

Qual das três é a interpretação correta? O texto bíblico não favorece uma resposta conclusiva. É desejável que ele seja casado e aplique na igreja a maturidade e experiência da liderança do seu lar. Mas, um homem viúvo, que vive só, também pode ser igualmente útil. Será que um homem viúvo, ao contrair novas núpcias, perderia a qualificação para o presbiterato? Quanto ao solteiro, nada é referido explicitamente, a favor ou contra. Quanto ao homem ser casado simultânea e legalmente com mais de uma esposa, parece não ser esse o propósito de Deus, quando instituiu o casamento (Gn 2.24), o que Jesus ratificou (Mt 19.5). Quanto ao homem divorciado, que vive só ou casou-se outra vez, a situação não é muito simples de avaliar. Há alguns anos atrás, muitas igrejas não realizavam casamento de cônjuge divorciado. Dizia-se, também, que homem divorciado não deveria assumir posição de liderança na igreja, por uma questão de não viver uma situação exemplar. Tomavam como base as várias referências bíblicas de que o líder tem que ser modelo para o rebanho (1Pe 5.3; 1Tm 4.22; Fp 3.17). O assunto é muito complexo e não é nosso objetivo tratar dele aqui. Neste final dos tempos, em que há tanto desprezo pela Palavra de Deus e aceitação dos usos e costumes de uma sociedade pagã, que o Senhor nos ilumine e nos dê uma consciência tal que não sejamos irresponsáveis e permissivos, nem legalistas e injustos.

19  Qualificação: “hospitaleiro” (1Tm 3.2; Tt 1.8)
Significado: Que dá hospedagem por generosidade ou bondade; que acolhe com satisfação.

Comentário: Esta qualificação está colocada aqui nesta categoria, porque não depende somente dele, mas muito da esposa e um pouco dos filhos. É fácil convidar pessoas para a nossa casa, o difícil é fazer todos os preparativos para recebê-las. Quem cuida dos visitantes? Normalmente é a esposa. E se ela não tiver esse espírito hospitaleiro? Se hospedar dá trabalho, por outro lado pode propiciar muita bênção para a família naquele convívio temporário. Há, entretanto, pelo menos dois aspectos que podem dificultar o exercício da hospitalidade: a situação financeira deste irmão e as limitações de espaço na sua moradia.

20  Qualificação: “que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?)” (1Tm 3.4-5)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: Biblicamente, a responsabilidade maior do “governo” do lar é do homem; assim aprendemos e assim praticamos. Obviamente, que essa não é uma tarefa a ser exercida pelo homem de forma isolada, solitária e autoritária. Antes, porém, deverá ser exercida com sabedoria e com todo o apoio de sua esposa, sua auxiliadora idônea. Então, mais uma vez estamos diante de uma qualificação que é exigida dele, mas que depende essencialmente dela, da esposa, e também dos filhos. O texto é de fácil entendimento e a lógica é simples. Quem demonstra estar governando bem a sua casa, terá grande probabilidade de fazer um bom trabalho no governo da igreja. Quem no seu juízo perfeito colocaria uma pessoa toda atrapalhada na sua vida pessoal para gerenciar o seu negócio?

21  Qualificação: “que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem são insubordinados.” (Tt 1.6)
Significado: Ver comentário abaixo.

Comentário: O texto parece fácil de entender, mas nem tão simples de atender ou comentar. A salvação é obra dos pais ou do Espírito Santo? É verdade que o testemunho de vida dos pais exerce forte influência na vida dos filhos. É verdade, ainda, que a Bíblia diz: “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.” (Pv 22.6). Porém, até onde vai a responsabilidade de um pai crente nesse processo? Há pais tão fiéis no testemunho, mas que não são agraciados com a bênção de ver seus filhos nos caminhos do Senhor. Há outros que são convertidos pelo testemunho dos filhos. Há pais fiéis e cuidadosos que criam filhos da mesma forma, nos caminhos do Senhor, sendo que uns permanecem nele e outros o abandonam. Difícil esta questão, não? Então, é preciso ter muito cuidado com julgamentos precipitados, que somente aumentam a tristeza de alguns pais. É preciso lembrar que também há filhos crentes, não por conta do mérito dos pais crentes, mas apesar deles.

Concluímos esta sucinta abordagem com as seguintes considerações:

a) Além dessas, há outras duas qualificações que são tão básicas e tão óbvias que o apóstolo nem julgou necessário mencioná-las: o presbítero deveria ser um homem e um regenerado, nascido de novo.

b) É difícil imaginar alguém que esteja cem por cento dentro deste padrão. Não é por isso que vamos agora ficar discutindo com a Bíblia ou com o apóstolo Paulo sobre o assunto. Padrão é meta, é desafio. Não é o caso também de desprezarmos o padrão bíblico e adotarmos nossos próprios critérios. A Bíblia é a nossa única e infalível regra de fé e prática.

c) Se eu e você achamos difícil reconhecer um homem cristão que atenda à todas essas prescrições, não fique perplexo se eu te afirmar que todo cristão, e não exclusivamente os presbíteros, deveriam ter estas qualificações! Ou você acha que só os presbíteros não podem ser violentos, arrogantes, avarentos, não dados a bebidas alcoólicas etc e os demais cristãos podem? Todos temos o desafio de viver de forma irrepreensível. Não é o que o Senhor Jesus diz? “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.” (Mt 5.48)

d) Não custa lembrar que, biblicamente, não é a igreja quem escolhe presbíteros! O processo é o seguinte:

1º) Deus os escolhe, os constitui (vocação e chamado).

2º) O homem cristão, regenerado, faz a obra.

3º) A igreja reconhece aquele que está fazendo a obra, sob a orientação do Senhor.

e) Quando a exigência é pouca e as qualificações bíblicas são desconsideradas, o nível da liderança é fraco e a igreja sofrerá as consequências. É como diz o provérbio popular, aqui adaptado: “Cada igreja tem o governo que merece.”

Finalmente, irmãos “se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja”, então deve se empenhar para atender ao padrão prescrito na Palavra de Deus. Por outro lado, irmãos, vamos observar o jeito de ser da pessoa, seu modo de agir, sua capacidade de realização a partir do que a pessoa já vem realizando e, sua vida familiar, ao reconhecer presbíteros na igreja de Deus!

Que o Senhor nos ajude!

Clique ao lado para imprimir → As qualificações dos presbíteros (pdf)


Veja também: As qualificações dos diáconos

Honrarias e Memoriais na igreja local

Sou filho e neto de cristãos. Freqüento igrejas evangélicas desde o ventre da minha querida mãe. Desde muito cedo tenho ouvido e lido as histórias bíblicas. Dentre elas uma sempre me impressionou muito; é a de Jesus entrando no templo, fazendo um pequeno chicote e expulsando pessoas e animais dali, porque os homens profanavam o lugar santificado fazendo negócios (Jo 2.12-17). Isso sempre nos causa grande impacto. Afinal, Jesus passou a maior parte do seu tempo aqui na terra curando, fazendo o bem, recebendo e restaurando pecadores. Os discípulos não se atreveram a fazer qualquer censura, apenas se lembraram de que estava escrito: “O zelo da tua casa me consumirá”.

Meu caráter cristão evangélico foi moldado num ambiente cristão que reforçava a todo instante que Deus é AMOROSO E MISERICORDIOSO e ao mesmo tempo SANTO e JUSTO. Como santo que é, ele requer dos seus filhos santidade de vida e de culto. Ele disse a Abraão “Anda na minha presença e sê perfeito”(Gn 17.1) e repetiu através de Jesus “Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste”(Mt 5.48). Aprendi desde cedo que há dois lugares santificados que merecem constante vigilância de nossa parte para que sejam guardados imaculados: o nosso corpo e a  igreja, ambos Templos do Espírito Santo. Por extensão, a nossa residência e o edifício – lugar que consagramos para a adoração coletiva ao Senhor – devem ser preservados de toda a contaminação do mundo. Até aqui, nenhuma novidade, certo? A difícil tarefa com a qual todo crente sincero se depara continuamente é a de discernir, a cada momento, se ainda está tão puro diante do Senhor ou se já cedeu às pressões e influências do ambiente pagão que nos cerca. Muitas vezes e com as melhores intenções acabamos cedendo espaço a coisas que hoje parecem ser tão mínimas e inofensivas, porém, com o passar do tempo, se transformam em problemas graves que impedem o crescimento da igreja e cortam a nossa comunhão com Deus.

É com temor e tremor e em oração, com a consciência clamando por uma atitude, sentindo a responsabilidade de atalaia e com muita simplicidade e desejo de ajudar que abordo a questão de memoriais e seu uso em qualquer igreja local, tendo como pano de fundo o ponto de vista bíblico.

Seria uma boa prática erigir monumentos a cristãos que se destacaram na história? Será que as pessoas que ajudaram a igreja, de um modo mais especial, não merecem ser homenageadas pelo que fizeram em uma placa memorial? Não tenho dúvida de que o reconhecimento e a gratidão para com aqueles que fazem, são deveres da igreja, sempre visando a glória de Deus que a todos capacita (1 Co 16.18; Fp 2.29; Hb 11 etc.). Entretanto, erigir um memorial ou uma escultura a homens parece ser algo que vai muito além do reconhecimento e honra.

O que a Bíblia tem a dizer sobre o assunto? Que exemplos temos?

O sábio Salomão diz: “A memória do justo é abençoada” (Pv 10.7). Jesus acrescenta que contar o que alguém fez de bom, para sua memória, é boa prática (Mt 26.13). Nenhum respaldo temos aqui e em outra parte das Escrituras para se erigir esculturas ou confeccionar memoriais ou placas dedicados aos homens. Senão vejamos:

I) MEMORIAIS NO ANTIGO TESTAMENTO:

a) Para a lembrança daquilo que Deus fez – Acontecimentos importantes:

  • Páscoa, o grande memorial da libertação (Ex 12.14; 13.9 etc).
  • Passagem pelo Jordão – coluna de pedras (Js 4.7).

b) Para a lembrança daquilo que Deus quer que o seu povo faça – Os mandamentos do Senhor:

  • Lei dada a Moisés (Ex 24.4; 24.12 etc)
  • Os dez mandamentos (Dt 6.6-9). Deveriam estar como sinal no próprio corpo e nas partes da casa.

c) Para testemunho diante do Senhor – Colunas erigidas como sinal de pacto ou gratidão:

  • Pedra erigida por coluna (Jacó) (Gn 28.18, 22).
  • Pedra erigida por coluna (Josué) (Js 24.26).
  • Pedra erigida por coluna (Samuel) – “Ebenézer, … até aqui nos ajudou o Senhor” (1 Sm 7.12);

d) Para adoração ao Senhor, para prestar-lhe culto – Altar erigido por:

  • Noé (Gn 8.20);
  • Abraão (Gn 12.7; etc);
  • Jacó, “Deus, o Deus de Israel” (Gn 33.20);
  • Jacó, “El-Betel, porque ali Deus se lhe revelou” (Gn 35.7);
  • Moisés, “O Senhor é a minha Bandeira” (Ex 17.15)
  • Moisés (Ex 24.4);
  • Gideão, “O Senhor é paz” (Jz 6.24).

e) Para habitação do Senhor e serviço – Tabernáculo e vestes sacerdotais:

  • Todos os utensílios do Tabernáculo e do Templo são sublimes tipos de Jesus. Nada ali servia de memorial humano, quer dos patriarcas, quer de qualquer outro grande vulto do passado do povo judeu.
  • É somente nas vestes sacerdotais que vamos encontrar memoriais, não a uma pessoa, mas à coletividade do povo, ali representado nas doze tribos (Ex 28.12, 29). a)nas ombreiras, para lembrá-lo de que ele deveria “carregar” o povo; b)no peitoral (sobre o coração, lugar de afeição), para lembrá-lo de que isto deveria ser feito com muito amor e compaixão.

f) Para perpetuar a memória de homens!?!? – Mau exemplo:

  • Coluna erigida por Absalão para sua própria memória (2Sm 18.18).

II) MEMORIAIS NO NOVO TESTAMENTO:

O mais importante memorial do NT é a Ceia do Senhor – o memorial da redenção, cuja páscoa era o antitipo:

“E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim. – (Lc 22.19)

“… e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.” – (1Co 11.24, 25)

É significativo que a igreja primitiva não tenha sido instruída a carregar num cordão, ou fixar num ponto qualquer, uma cruz, para memorial da morte de Cristo. Em lugar disso somos chamados à comunhão do pão e do cálice, elementos tão simples, mas com simbolismo tão profundo.

III) CONCLUSÃO:

Portanto, a Bíblia nos ensina que:

  • Só o SENHOR, a SUA PALAVRA e o que ELE FEZ merece um memorial:

“Tu, porém, SENHOR, permaneces  para sempre, e a MEMÓRIA do teu nome, de geração em geração.” (Sl 102.12)

“O teu nome, SENHOR, subsiste para sempre; a tua MEMÓRIA, SENHOR, passará de geração em geração.”  (Sl 135.13)

“Divulgarão a MEMÓRIA de tua muita bondade e com júbilo celebrarão a tua justiça.” (Sl 145.7)

  • A bênção do Senhor está condicionada a um correto tratamento desse assunto:

“…em todo lugar onde eu fizer celebrar a MEMÓRIA DO MEU NOME, virei a ti e te abençoarei.” (ÊX 20.24)

  • A contribuição dos remidos do Senhor deve formar um fundo anônimo para uso na Casa do Senhor e no seu Reino.

“Tomarás o dinheiro das expiações dos filhos de Israel e o darás ao serviço da tenda da congregação; e será para memória aos filhos de Israel diante do SENHOR, para fazerdes expiação pela vossa alma.” (Êx 30.16).

“Tu, porém, ao dares a esmola, ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita”  (Mt 6.3)

  • Imagens de escultura? Nem pensar (Ex 20.2)!!!!!!

 

Quanto à questão de memoriais na igreja local gostaria de compartilhar o seguinte:

Quando vou a um enterro no Cemitério São João Batista, por exemplo, sinto-me incomodado o tempo inteiro com o que vejo. Suntuosos jazigos, revestidos de mármore, com placas bem trabalhadas mostrando nomes de pessoas ou da família. No mesmo cemitério, vê-se também sepulturas simples. O lugar dos mortos retrata fielmente o mundo dos vivos. Reflete a ótica da sociedade em que vivemos. Nada contra os legitimamente ricos e abastados!!!! Entretanto, enquanto uns jogam dinheiro fora, na sua luxúria, nos seus hobbies extravagantes, outros catam comida no lixo para não morrerem de fome.

Por outro lado quando vou a um cemitério do tipo Jardim da Saudade, sinto que aquele ambiente condiz com o que deveria ser a ótica e a prática cristã. Todos ali têm o mesmo tipo de sepultura simbolizando que são iguais perante Deus, pó que volta ao pó. Fico confortado com aquele memorial à Biblia, bem no meio do jardim, num nível mais elevado do que as sepulturas, com aquela magnífica promessa de ressurreição, proferida pelo Senhor Jesus: “Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto?” (Jo 11.25, 26).

Comparar igreja com cemitério é uma péssima idéia, desculpe-me por isso. Igreja é lugar de vida e cemitério de morte! Porém, aproveitando, com ressalvas, as duas imagens acima, termino dizendo que nós cristãos temos que parar com esse negócio de placas, memoriais e honrarias a homens e mulheres cristãos, sejam estes ricos ou pobres, famosos ou não, mártires ou não etc. O melhor que fazemos é nos orientar pela Bíblia, a Palavra de Deus e tomar muito cuidado com a flexibilização dos princípios claramente estabelecidos por Deus. Toda honra e glória devem ser tributadas apenas a Deus! Aos homens e mulheres de valor, basta o reconhecimento e gratidão, de forma verbal e, no máximo, o registro em carta ou livro de atas.

“Eu sou o SENHOR, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura.” (Isaías 42.8)

Soli Deo Gloria!

Oração de ovelha

Oh, Deus, dá-nos sempre pastores ….

  1. Segundo o teu coração e dispostos a fazerem a tua santa, boa e agradável vontade;
  2. Verdadeiramente regenerados e ungidos pelo teu Santo Espírito;
  3. Chamados e vocacionados por ti para pastorearem o teu rebanho;
  4. Mestres e praticantes, comprometidos com a tua Palavra e a Sã doutrina;
  5. Que não se deixem seduzir pelo adultério ou pelo dinheiro ou pela tentação do poder e nem pelos poderosos deste mundo;
  6. Que cultivem a humildade, buscando tão somente a tua glória e não a deles próprios;
  7. Que invistam e concentrem tempo e talentos na tua obra;
  8. Que trabalhem para atender, não as vontades, mas as necessidades dos santos;
  9. Que tratem a todos sem acepção de pessoas;
  10. Que apóiem os crentes sacerdotes, no exercício dos seus dons e, principalmente, na sua missão e tarefa de evangelizar o mundo.

Em nome de Jesus e para a tua glória!

Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fide, Solus Christus, Soli Deo Gloria

(PRC/2006)

A “PARÁBOLA DO PASTOR SAMARITANO”

“Então lhe disse: Vai, e procede tu de igual modo.” (Lc 10.37b)

Então lhes contou a seguinte parábola(*): “Certo grupo de ovelhas havia se separado do rebanho e pastava próximo a estrada que desce de Jerusalém para Jericó. Casualmente descia um homem negociante por aquele mesmo caminho e, vendo-as, aproximou-se, porque percebeu haver ali uma oportunidade de lucro. Passou ele a saquear aquele pequeno rebanho, comendo da sua gordura, vestindo-se de sua lã e fazendo lucro com os mercadores que passavam naquele caminho. Apascentava a si mesmo e não às ovelhas. A ovelha fraca não fortalecia, a doente não curava, a quebrada não ligava, a desgarrada e perdida não  buscava e não trazia de volta. Consumido pela fome da terra, pelas feras do campo e pelo descaso daquele homem, o pequeno rebanho se enfraquecia e minguava. Assim, dominava sobre elas com rigor e dureza até o dia em que foi morto e despedaçado por uma raposa faminta que o atacou. Tempos depois, semelhantemente, um religioso descia por aquele lugar e, vendo aquele pequeno rebanho abandonado, aproximou-se com reservas para avaliar o que podia ser feito. Com seu pudor e vaidade exacerbados não se aproximava muito por causa do cheiro das ovelhas. Muito menos ousava tocá-las para limpar-lhes as feridas e ligar as quebradas. Às fracas e doentes não fazia chegar à boca alimento e água. Preferia manter-se numa atitude de contemplação daquele quadro que estava ali, diante dos seus olhos, elaborando lições de vida que pudesse compartilhar, mais tarde, com os religiosos e a sociedade. Não pensava em ficar ali muito tempo e rogava aos céus que viesse outro para assumir o seu lugar. Foi assim que, distraído com suas elucubrações sobre a religião e a dor da criatura  foi tomado de assalto por um lobo faminto e morreu. Certo samaritano, que seguia o seu caminho, vendo aquele pequeno rebanho desamparado, fraco e doente, compadeceu-se dele. Apressando-se, chegou perto e, apeando do seu cavalo, começou a cuidar de todas as ovelhas. Examinando-as, uma a uma, fazia conforme a situação o exigia. Assim, tomando do vinho e do óleo que trazia, limpava e aplicava sobre os ferimentos delas. As fracas e doentes, tomou em seus braços e carregou para a sombra das árvores,  fazendo-lhes chegar à boca alimento e água. As menos debilitadas levou para pastagens próximas. Assim fazendo, cotidianamente, o pequeno rebanho foi rapidamente revitalizado. Então levou-as para um lugar seguro, fazendo-as pastar em pastos verdejantes e chegar às águas claras e tranqüilas. O rebanho estava agora protegido e saudável e, começou a se multiplicar. Aconteceu que, passado algum tempo, cuidando aquele samaritano daquele rebanho como quem cuida para o proprietário das ovelhas, a quem tem que prestar contas, chegou até ali um poderoso proprietário de terras e de gado, vindo de Jerusalém, a procura das suas ovelhas extraviadas. Sabedor de que suas ovelhas estavam sendo cuidadas pelo samaritano foi ao seu encontro. Quando o samaritano o avistou, também dirigiu-se ao encontro do proprietário e, aproximando-se, lhe relatou a situação em que encontrou e o que fez pelo rebanho desgarrado e que estava pronto a entregar-lhe as ovelhas, sem exigir qualquer recompensa em troca. O proprietário admirou-se sobremaneira ao ouvir o relato do samaritano e sua liberalidade. Então, com grande alegria, o convidou para ir com ele, a fim de pastorear, não apenas aquele pequeno rebanho, mas todo o rebanho de onde aquelas ovelhas haviam se desgarrado. E, assim, caminharam juntos na direção de Jerusalém.“

Estando, com eles, à parte lhe perguntaram o significado da parábola. Então, passou a interpretá-la, dizendo:  Nunca percam de vista que parábolas são narrações alegóricas com o propósito de destacar aspectos importantes, verdades que edificam ou que alertam os ouvintes ou leitores e que devem ser fixados na memória destes. Na sua interpretação, não tentem procurar ou produzir doutrinas dos seus detalhes. Muitos desses detalhes servem apenas para compor e dar sentido a estória ou história apresentada. O foco nesta parábola é o pequeno rebanho e os seus três “pastores”.  O pequeno rebanho pode ser uma igreja local. Os três homens, seus líderes ou pastores. Assim sendo, temos aqui três tipos de liderança, representados por cada um dos homens da parábola:

1º) PASTORES MATERIALISTAS: São eles orientados pelo conceito: O QUE É TEU É MEU, SE EU PUDER TIRAR DE VOCÊ! O foco destes está no conforto e nos bens materiais. São negociantes da fé: usam a fé para auferirem lucros materiais. Preferem estar no foco dos holofotes a estarem à sombra da Cruz. Preferem dirigir igrejas-empresas à igrejas-comunidades. São pastores que apascentam a si próprios e preenchem bem as características dos falsos pastores descritas em Ezequiel 34.1-10 e, retratadas,  nas atitudes do primeiro homem da parábola. Em nome de Deus e usando a Bíblia chegam quase a ameaçar as ovelhas, coagindo-as a dar ofertas e dízimos, sem prestarem contas do que é feito com esses recursos. Outros preferem o discurso da prosperidade utópica, enquanto vão enchendo suas contas bancárias com moeda bem REAL e outras moedas também. Abram bem seus olhos, ovelhas!!!

2º) PASTORES RELIGIOSOS: São eles orientados pelo conceito: O QUE É MEU É MEU E O QUE É TEU É TEU! Enquanto o tipo anterior vive para o material, este tipo se fixa na religiosidade e na espiritualidade, no conhecimento e na teoria, na teologia contemplativa.  Alienado do mundo que o cerca, se esconde das ovelhas, imerso no seu próprio mundo intelectual e celibatário. Estes também não têm o DNA de pastor. Não gostam do cheiro do povo de Deus. Não gostam de chegar junto.

3º) PASTORES SAMARITANOS: São eles orientados pelo conceito: O QUE É MEU É TEU, SE VOCÊ PRECISAR! Opostos aos dois tipos anteriores, estes têm o foco na ovelha, em gente. Se doam e se deixam gastar pelas ovelhas do Senhor. Seguindo o exemplo do Supremo Pastor, Jesus, fazem como o “pastor samaritano da parábola”. Estão nos púlpitos, pregando o Evangelho, orientando e ensinando a palavra; mas, também, nos gabinetes ao lado dos que necessitam de aconselhamento. Estão junto às ovelhas nas suas celebrações e ações de graças; mas, também, nos lares, nas enfermarias, nos  CTIs, orando com os enfermos e levando-lhes uma palavra de conforto e esperança.  Ao invés de saquear, ou se alienar, disponibilizam a si próprios e, a tudo que têm, no ministério que receberam do Senhor das ovelhas. Fazem a obra como quem tem que prestar contas ao Senhor das ovelhas. Graças a Deus pelos “pastores samaritanos” que serviram, servem e ainda servirão ao Senhor aqui na nossa igreja e, nas demais igrejas locais. Um dia ouvirão do Pai Celeste,  “foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor.” O galardão de um verdadeiro pastor já está assegurado para eles: “Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória” (1 Pe 5.4). Queridos pastores, a vocês que têm dado a vida pelo rebanho de Deus, nossa sincera gratidão e apreço. Que o Senhor fortaleça, ilumine e abençoe a vocês! A paz seja com todos.

(*) Criei esta parábola apenas para ilustrar algumas verdades.

Presb. Paulo Raposo Correia
Editorial do Boletim de 12/07/2009
Dia do Pastor – Catedral Presbiteriana do RJ

%d blogueiros gostam disto: