Arquivo

Posts Tagged ‘Estratégias de Satanás’

Perseguidos, porém não desamparados

“Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos;” (2Co 4.8-9)

INTRODUÇÃO

Você tem percebido algum tipo de perseguição aos cristãos no Brasil? A partir da sua conversão você já foi vítima de algum tipo de perseguição ou discriminação por causa de sua fé cristã?

Neste artigo abordaremos inicialmente a realidade da perseguição aos cristãos e, em seguida, faremos a análise de um caso real de perseguição logo no início da igreja.

1. A REALIDADE DA PERSEGUIÇÃO

1.1  Abuso do poder religioso.

Em 18/08/2020 o TSE rejeitou instituir o abuso de poder religioso em ações que podem levar a cassações de candidatos eleitos.

A tese foi proposta pelo vice-presidente do TSE 2020, Ministro Luiz Edson Fachin, ao relatar recurso da vereadora de Luziânia (GO) Valdirene Tavares dos Santos contra cassação de mandato por suposto abuso de poder religioso nas Eleições de 2016. O MPE acusou Valdirene de pedir votos durante um evento na catedral da Assembleia de Deus em Luziânia. A reunião com pastores de outras filiais foi convocada pelo pai da candidata, Sebastião Tavares, pastor e dirigente da igreja no município. Após o juiz eleitoral condenar pai e filha, o TRE de Goiás absolveu Sebastião Tavares, mas manteve a punição contra a vereadora. A Corte Regional considerou ilícito eleitoral o discurso de cerca de três minutos feito por ela para cerca de 40 jovens no local religioso. Segundo o MPE, a candidata teria usado sua autoridade religiosa para influenciar os ouvintes, interferindo no direito constitucional da liberdade de voto.

Por sua vez ao votar, o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, disse que a legislação eleitoral já prevê, de forma expressa, o abuso de poder religioso, ao vedar doações a candidatos e partidos por instituições religiosas e propaganda política em templos, de acordo com os artigos 24 e 37 da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997).

Fonte: TSE
https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2020/Agosto/tse-rejeita-instituir-abuso-de-poder-religioso-em-acoes-que-podem-levar-a-cassacoes

É claro que templo religioso não é lugar para campanha política. ”A tese do abuso religioso é eivada de uma visão equivocada, que tenta excluir as pessoas de fé do debate público. O Estado é laico[1], não laicista[2]. Não é possível excluir da discussão política quem tem e assume a fé”. (Valmir Nascimento Milomem Santos, William Douglas)

Fonte: Correio Braziliense – 01/07/2020.
https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/opiniao/2020/07/01/internas_opiniao,868335/abuso-de-poder-religioso.shtml

Entretanto, é de se estranhar que tais autoridades jurídicas nunca se incomodaram com a propagação de ideologias de esquerda e aliciamento de trabalhadores realizadas pelos sindicatos de classe nas portas das empresas e em suas assembleias, bem como com a atuação de professores em escolas e universidades doutrinando os alunos com ideologias socialistas / comunistas e progressistas.

1.2 A Perseguição ao Cristianismo no mundo.

A MISSÃO PORTAS ABERTAS realiza um trabalho sério, cuidadoso e técnico de pesquisa mundial de perseguição aos cristãos. No link abaixo você encontrará o resultado da pesquisa realizada no período de 01/10/2019 a 30/09/2020, apresentando os cinquenta países que lideram essa perseguição, bem como a explicitação dos fatores e motivações que levam a isso.

Resultado da Pesquisa:  TOP 50 da Perseguição ao Cristianismo 2021.pdf

1.3 As quatro estratégias de Satanás sobre a humanidade – os “4 C”:

São, pelo menos, quatro:

a) CONFUNDIR (Operação Eva)

b) CONQUISTAR (Operação Ló)(atrair e seduzir)

c) CONTROLAR (Operação Gerasa)

d) COMBATER (Operação Jó)

Uma dessas estratégias é a perseguição (combate). Veja o detalhamento de cada uma delas no artigo do link abaixo.

Fonte: https://pauloraposocorreia.com.br/2017/09/16/destruindo-fortalezas/

1.4 Reflexões sobre a perseguição

a) Qual a razão da perseguição?

Normalmente a perseguição é motivada por algo (crença, costume, pessoa) que contrarie ou ameace determinados interesses de uma pessoa ou de algumas pessoas ou de grupos sociais ou de grupos organizados que detenham poder dominante ou que pretendam ser o poder dominante.

b) Perseguição ao crente e à igreja.

(i) Jesus falou e preanunciou a perseguição:

– No Sermão do Monte: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.” (Mt 5.10);

– Na Parábola da Semente e dos Solos: “mas não tem raiz em si mesmo, sendo, antes, de pouca duração; em lhe chegando a angústia ou a perseguição por causa da palavra, logo se escandaliza.” (Mt 13.21);

– Comentando o encontro com o jovem de qualidades: “Tornou Jesus: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filhos, ou campos por amor de mim e por amor do evangelho, que não receba, já no presente, o cêntuplo de casas, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições; e, no mundo por vir, a vida eterna.” (Mc 10.29-30).

(ii) A igreja vem sofrendo perseguições desde o início da sua história (At 8.1; 13.50; 2Ts 1.4; 2Tm 3.11).

(iii) O apóstolo Paulo adverte que os crentes piedosos serão perseguidos (2Tm 3.12).

   “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.”

(iv) Nenhum tipo de adversidade pode separar-nos do amor de Cristo: “Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?” (Rm 8.35).

(v) O crente fiel suporta as perseguições e não é desamparado (1Co 4.12; 2Co 4.9).

(vi) As perseguições, por amor a Cristo, devem ser motivo de prazer: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.” (2Co 12.10).

2. A PERSEGUIÇÃO DOS APÓSTOLOS (Atos 4.5-31):

2.1 O contexto

Tudo começou quando Pedro e João subiram ao templo para a oração da ora nona (15h)(At 3.1). Ali na porta do templo curaram o coxo de nascença (At 3.1-11). Na sequência, discursaram e pregaram a Cristo ressuscitado e conclamaram o povo ao arrependimento (At 3.12-26). O evento evangelístico inesperado tomou proporções tais que chamou a atenção das lideranças religiosas que providenciaram a prisão dos apóstolos Pedro e João (At 4.1-3). Entretanto, o Espírito Santo já havia operado nos corações dos ouvintes e o número dos homens que aceitaram a palavra subiu para quase cinco mil (At 4.4).  

2.2 O Sinédrio (At 4.1-3)

a) Sua composição e competência

Era o mais alto tribunal religioso dos judeus, do qual faziam parte os sumos sacerdotes (o atual e os anteriores), chefes religiosos (anciãos) e mestres da Lei (escribas). Representantes do grupo ou seita dos saduceus (At 5.17), juntamente com representantes da seita dos fariseus, compunham o Superior Tribunal Civil e Religioso de setenta juízes, chamado “Sinédrio”, que exercia autoridade quase absoluta em Israel, tanto sobre questões civis, quanto sobre questões religiosas. Embora a Judéia fosse província romana, governada por um procurador, desde o ano 6 DC, a maioria das questões do Estado era entregue nas mãos das autoridades judaicas, na pessoa do sumo sacerdote e do Sinédrio.

b) Suas preocupações

“Então, os principais sacerdotes e os fariseus convocaram o Sinédrio; e disseram: Que estamos fazendo, uma vez que este homem opera muitos sinais?” (Jo 11.47)

Desde o início do ministério público de Jesus estas autoridades religiosas se mostraram preocupadas com a influência e popularidade de Jesus alcançada por meio dos seus discursos e ações miraculosas. E, agora, que pensavam que se tinham livrado dele, executando-o, eis que tudo recomeçava. Os saduceus estavam desgastados e ameaçados por tal pregação. Jesus fora um terrível pesadelo para eles; só que agora havia doze de seus representantes, sem falar no número de discípulos, que crescia a olhos vistos, a cada momento. É bem provável que a perseguição à nova religião tenha se agravado mais do que no tempo de Jesus, uma vez que o grupo dominante (os saduceus) começou a tomar parte mais ativa na perseguição aos cristãos, ao passo que, anteriormente, haviam deixado a oposição ativa a Jesus mais ao encargo dos fariseus, até os últimos poucos meses de sua vida terrena.

Vale lembrar e ressaltar que os fariseus exerceram maior oposição a Jesus, durante o seu ministério terreno, do que os saduceus. Entretanto, após a morte, ressurreição e ascensão de Jesus os saduceus marcaram presença nessa oposição aos seguidores de Cristo. Teologicamente, a hierarquia judaica daquele tempo, por estar essencialmente dominada pelos saduceus, representava uma tendência racionalista e cética (materialista), negando a existência dos anjos e dos espíritos, bem como a realidade da vida após túmulo: “Pois os saduceus declaram não haver ressurreição, nem anjo, nem espírito; ao passo que os fariseus admitem todas essas coisas.” (At 23.8). Portanto, os saduceus estavam preocupados porque Pedro e João proclamavam, persistentemente e abertamente, que Jesus ressuscitara dos mortos e anunciavam, com base nessa ressurreição, a esperança da ressurreição dos homens.

c) Suas atitudes arbitrárias

Parece que esse encarceramento não foi oficial, porquanto não havia qualquer acusação formal, a não ser a possível acusação de estarem os apóstolos a perturbar a tranquilidade e o sossego públicos. Também não parece ter havido tentativa de iniciar qualquer processo legal. O resultado de tudo foi uma mera advertência feita aos líderes cristãos, e não um julgamento severo. Porém, foi assim que toda a questão da perseguição contra a Igreja Cristã primitiva começou. Jesus havia advertido os seus seguidores acerca disso, decorridas apenas algumas poucas semanas que o próprio Senhor Jesus fora arrastado à presença daquele mesmo tribunal. Cristo, pois, advertira aos seus discípulos que seriam entregues “…aos tribunais e às sinagogas…” (Mc 13.9). E agora essa predição começava a cumprir-se.

d) Sua incapacidade

Prender os apóstolos era muito fácil. Difícil era controlar as mentes e os corações daqueles que tomaram conhecimento dos fatos e participaram de uma inesperada concentração evangelística, que se desenvolveu naquela tarde-noite. Os apóstolos foram encarcerados, mas a Palavra de Deus permanecia livre e desimpedida por ser vivificada pelo Espírito Santo. E isto nos faz lembrar da declaração de Paulo em 2Timóteo 2.9: “pelo qual estou sofrendo até algemas, como malfeitor; contudo, a palavra de Deus não está algemada”. Quando a igreja não sofre reação dos inimigos do evangelho é porque ela não está influenciando o mundo como deveria.

2.3 O julgamento e a libertação dos apóstolos (At 4.5-22)

a) O julgamento e os juízes (At 4.5-6)

As regulamentações judaicas proibiam que se instaurassem julgamentos no período noturno; e, neste caso, essa particularidade da lei dos judeus foi observada, porquanto as autoridades religiosas prenderam os dois apóstolos e esperaram até ao raiar do dia seguinte. Deve-se notar, entretanto, que essa lei, no caso do Senhor Jesus, foi inteiramente ignorada, certamente por causa da premência do caso, embora a decisão oficial somente tenha ocorrido na manhã seguinte. A lei contrária aos julgamentos noturnos parece ter-se alicerçado no texto de Jeremias 21.12.

No dia imediato o Sinédrio se reuniu para julgar os apóstolos. Parece que não faltou ninguém: autoridades ou sacerdotes, anciãos e escribas. Os escribas não eram, nem seita religiosa e nem partido político, e sim, um grupo de profissionais. “Doutor”, “escriba” e “mestre (da lei)” são expressões sinônimas, no NT. Tendo-se originado com Esdras, segundo certa tradição, os escribas interpretavam e ensinavam a lei do AT e baixavam decisões judiciais sobre os casos que lhes eram apresentados. A aplicação dos preceitos da lei à vida diária, tornava necessária a função interpretativa dos escribas. Nessa ocasião Caifás era o sumo sacerdote presidente do Sinédrio. Seu sogro, Anás, era o ex-sumo sacerdote e muito respeitado no Sinédrio. Quanto a João e Alexandre, nada sabemos.

b) A grande questão  (At 4.7)

Pedro e João foram levados a presença do Sinédrio e desafiados a dizer com que autoridade, leigos como eles eram, agiam daquela forma. – Apresentem suas credenciais! dizem eles. O credenciamento dado pelo Espírito Santo é o único que nos deveria importar. João Batista era um ministro aprovado por Deus. Sua vida demonstrou isso, embora não estivessem os seus padrões em consonância com os padrões das autoridades religiosas dos seus dias. Jesus teve a vida mais poderosa que alguém já viveu, e, no entanto, as autoridades de seus dias não aceitaram, nem a ele mesmo e nem a seu ministério.

c) A resposta de Pedro  (At 4.8-12)

  • A transformação de Pedro

É maravilhoso pensar na transformação ocorrida em Pedro. Antes, se escondendo de todos e negando o Mestre; agora, porém, sabendo com que tipo de homens estava lidando, enfrentou-os com não menor bravura do que o fizera o Senhor Jesus, o que era, afinal de contas, uma das grandes características de Pedro.

  • A assistência divina

A fonte da coragem de Pedro fica aqui bem evidenciada e era o cumprimento da promessa de Jesus: “Quando, pois, vos levarem e vos entregarem, não vos preocupeis com o que haveis de dizer, mas o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo.” (Mc 13.11; comp. Mt 10.19-20; Lc 21.14-15). Destaca-se novamente o fato, tal como nas ações e intervenções anteriores de Simão Pedro, desde o dia de Pentecoste, de que o temor que o subjugou, durante o breve período da grande prova do Senhor Jesus, que fez Simão tremer ante a indagação de uma simples criada, cedera lugar a uma intrepidez extraordinária, que emprestava a Pedro o poder e a confiança mais patentes, na presença do mais augusto grupo de juízes da terra, a saber, do próprio tribunal que condenara o Senhor Jesus à morte.

  • A defesa de Pedro

Pedro destacou que nada fez além de ajudar um aleijado e declarou que sua cura fora efetuada em nome de Jesus Cristo de Nazaré. Pedro estava presumivelmente defendendo-se, mas depois abandonou a defesa e começou a proclamar o Evangelho (vv.11 e 12). Ele citou o Salmo 118.22, já citado por Cristo (Mc 12.10; Mt 21.42 e Lc 20.17), declarando que Cristo era a pedra que os construtores da nação judia rejeitaram, mas a qual Deus estabeleceu por mais importante pedra do edifício. Além disso, disse que só nele havia salvação; e que se os judeus rejeitassem o poder salvador do seu nome, não haveria outro meio de encontrarem salvação. Pedra angular parece referir-se a uma pedra do alicerce, o que se encaixa bem com a referência a Isaías 28.16 (citada em Rm 9.33) e a Efésios 2.20.

d) O dilema dos juízes  (At 4.13-14)

A atuação dos apóstolos deixou o Sinédrio admirado. “Iletrados e incultos” provavelmente não se referem à sua inteligência ou capacidade de ler e escrever, mas ao fato de que não eram escolados ou educados na tradição dos escribas, sendo de fato leigos. Era coisa incomum que leigos, sem preparo, falassem com tal eficiência e autoridade. Os líderes já sabiam que Pedro e João eram discípulos de Jesus, mas lembravam-se agora do fato de que Jesus, mesmo não sendo educado nas tradições dos escribas (Jo 7.15), também tinha deixado o povo maravilhado com a autoridade com que falava (Mc 1.22). Algo dessa mesma autoridade refletia-se agora nos seus discípulos.

A presença do coxo ali, em pé, curado, junto com eles, tornava difícil negar a eficácia dessa autoridade.

e) A deliberação do Sinédrio  (At 4.15-17)

Embora Pedro e João não tivessem infringido qualquer lei, estavam ganhando uma popularidade perigosa. O Sinédrio deliberou que a única atitude possível era ameaçá-los, ordenando-lhes que não pregassem mais em nome de Jesus. O Sinédrio não tomou qualquer providência para desacreditar a afirmação central da pregação dos apóstolos – que Jesus ressuscitara dos mortos. A pregação dos apóstolos poderia ser facilmente frustrada se a proclamação da ressurreição fosse comprovadamente falsa. O corpo de Jesus desvanecera-se tão completamente que o Sinédrio se sentia inteiramente impotente para refutar a mensagem. 

f) O veredito final e a liberação (At 4.18-22)

Nada podiam eles fazer, senão proibi-los de falar em nome de Jesus e ameaçá-los, pois, tanto as evidências, quanto a reação do povo eram favoráveis aos apóstolos. Antes de saírem, Pedro e João, corajosamente manifestaram ao Sinédrio a disposição de obedecer a Deus a qualquer preço. Não devemos nos abater com as perseguições pois há uma autoridade maior, nosso Deus Todo-Poderoso, que nos guarda e nos assiste nesses momentos. É a ele que devemos obediência!

2.4 O reencontro com a igreja (At 4.23-31)

É possível imaginar o alívio dos apóstolos após a liberação, bem como o anseio e a expectativa de se encontrarem com os irmãos, que certamente estavam em oração por eles.

a) O compartilhamento das experiências vivenciadas (At 4.23)

Como família da fé é natural e importante que busquemos o convívio dos irmãos para mantermos comunhão e compartilharmos as experiências vividas. Desta forma poderemos apoiar e ajudar efetivamente uns aos outros, bem como orar com mais conhecimento de causa uns pelos outros.

b) A oração (At 4.24-30)

Na oração expressa nestes versículos verifica-se:

  • Uma invocação ao Deus Criador e Sustentador de todas as coisas, que tudo governa.
  • A palavra profética, ora realizada, das investidas contra o Senhor Deus e o seu Ungido.
  • Uma súplica ao Senhor para que mesmo diante de tantas ameaças pudessem continuar a anunciar o evangelho e a operar milagres. 

c) O revestimento do Espírito (At 4.31)

Como resposta divina a oração, o Espírito do Senhor se manifestou de forma extraordinária, enchendo-os e concedendo-lhes intrepidez para seguirem em frente, cumprindo sua missão. O que aconteceu aqui podemos chamar de um novo pentecoste, o “pentecoste eclesiástico”.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Desde o início da história, desde o Éden, o grande objetivo de Satanás tem sido o de afastar o ser humano de Deus e da sua vontade. A perseguição é uma das suas opções estratégicas, provavelmente utilizada quando as outras não surtem o efeito desejado. Entretanto, muitas vezes, o resultado é exatamente o oposto; os cristãos perseguidos se tornam fortes instrumentos de Deus no avanço da fé.

Pregar ou defender os bons costumes, a família e os valores judaico-cristãos, significa atrair e desencadear todas as forças movidas pelo inferno em sua direção. Porém, Deus é o nosso refúgio e fortaleza e não nos desampara. Nada escapa ao seu governo e controle sobre tudo e sobre todos. Além disso, vale ressaltar que foi através da grande perseguição contra a igreja em Jerusalém que os cristãos foram dispersos e o Evangelho se espalhou (At 8).

Finalmente, é lamentável ter que citar aqui a existência de “fogo amigo”, quando cristãos perseguem cristãos. Porém mesmo em situações tão negativas como essa, que podem servir de escândalo para os incrédulos, Deus tem os seus propósitos e caminhos em toda e qualquer circunstância, sendo capaz de transformar o mal em bem.


[1] Laico: significa o que ou quem não pertence ou não está sujeito a uma religião ou não é influenciado por ela.

[2] Laicista: Quem segue ou defende o laicismo, doutrina ou ideologia que prega a não intervenção das organizações religiões em instituições políticas e sociais.

Destruindo Fortalezas

“Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo, e estando prontos para punir toda desobediência, uma vez completa a vossa submissão.” (2Co 10.3-6)

Introdução

Você já parou para pensar nas causas que levam os tsunamis, como o de 26/12/2004 no Sul da Ásia, a matar tanta gente (mais de 280 mil pessoas naquela tragédia da natureza)?

1º) Estavam no raio de ação dele – quanto mais próximas do epicentro, maior o estrago;

2º) Estavam distraídas, não sabiam do perigo iminente, não foram alertadas;

3º) É um grande volume de água em forte movimento que arrasta tudo o que está em seu caminho, matando as pessoas por afogamento ou contusão, pois lança pessoas contra objetos flutuantes e estruturas fixas, e objetos contra as pessoas etc.

A humanidade tem sido vítima de muitos tsunamis literais: naturais (provocadas pela natureza), sociais/intelectuais (provocadas pelo homem) e espirituais (planejadas por Satanás e executado por homens, sob sua influência e poder). E isso sempre deixa um rastro de destruição no ambiente e nos sobreviventes mais próximos.

Vivemos, neste mundo, uma grande batalha espiritual e mental. Quem acha que não, ou já foi levado pela enxurrada ou ainda não se deu conta disso e precisa ficar mais alerta. Vejam, por exemplo, o enorme poder da mídia que praticamente acabou com o fumo; entretanto promove a bebida, o sexo fora do casamento, a causa homossexual etc.

Mais recentemente, isto é, de cem anos para cá, podemos perceber claramente o ataque sem tréguas desferido contra a Trindade Santa:

1ª onda: contra Deus:

A Teoria da Evolução destitui Deus de toda a obra da criação e coloca o acaso em seu lugar. Se não há um Criador, não há um princípio moral absoluto; a sociedade está por sua própria conta, se torna amoral e relativiza os absolutos de Deus.

2ª onda: contra Jesus:

A Doutrina da Reencarnação transforma Jesus apenas num espírito evoluído, tal qual muitos outros que também foram aperfeiçoados após muitas passagens por este mundo. A grande mídia, impressa e televisiva, está sempre querendo destruir a imagem histórica de Jesus; tentando provar que ele não existiu ou que tinha fraquezas e paixões carnais escondidas.

3ª onda: contra o Espírito Santo:

A crença de que o homem tem potencialidades mentais e intelectuais inimagináveis, de que o homem é deus, tenta anular a presença e poder do Espírito Santo, que veio habitar no meio da igreja.

A ideia geral tem sido de acabar com a Trindade Santa e colocar a ciência como verdadeira deusa.

Alderi Souza de Matos, em “Carta a um universitário cristão”, em artigo publicado pela Revista Ultimato (set-out 2004), diz:

“O universitário cristão, pode ouvir em sala de aula questionamentos de diversas modalidades:

– acerca da religião em geral (uma construção humana para responder aos anseios e temores humanos);

de Deus (não existe ou então existe, mas é impessoal e não se relaciona com o mundo);

da Bíblia (um livro meramente humano, repleto de mitos e contradições);

de Jesus Cristo (nunca existiu ou foi apenas um líder carismático);

da criação (é impossível, visto que a evolução explica tudo o que existe);

dos milagres (invenções supersticiosas, uma vez que conflitam com os postulados da ciência), e assim por diante.”

Ele continua:

“A ideia de que professores e cientistas sempre pautam as suas ações pela mais absoluta isenção e objetividade é um mito. Por exemplo, muitos intelectuais acusam a religião de ser dogmática e autoritária, de cercear a liberdade das pessoas e desrespeitar a sua consciência. Isso até pode ocorrer em muitos casos, mas a questão aqui é a seguinte: Estão os intelectuais livres desse problema? A experiência mostra que os ambientes acadêmicos e científicos podem ser tão autoritários e cerceadores quanto quaisquer outras esferas da atividade humana. Existem departamentos universitários que são controlados por professores materialistas de diversos naipes – agnósticos, existencialistas e marxistas. Muitos alunos cristãos desses cursos são ridicularizados por causa de suas convicções, não têm a liberdade de expor seus pontos de vista religiosos e são tolhidos em seu desejo de apresentar perspectivas cristãs em suas monografias, teses ou dissertações. Portanto, verifica-se que certas ênfases encontradas nesses meios podem ser ditadas simplesmente por pressupostos ou preconceitos anti-religiosos e anticristãos, em contraste com o verdadeiro espírito de tolerância e liberdade acadêmica.”

Parece tão difícil, para muitos, aceitar a mensagem bíblica. Entretanto, aceitam tantas coisas sem qualquer sentido. Noutro dia, duas jovens conversavam, no restaurante, sobre a importância do mapa astral para datas importantes: nascimento, casamento, abertura de uma empresa etc. Dizia, ainda, para a outra, que determinada data era boa para o casamento devido à confluência de Saturno[=compromisso] com a Lua[=família]). Quanto bobagem!

Segundo a Bíblia, os 3 inimigos do homem são: O Mundo (mundanismo), Satanás e a Carne: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.” (Ef 2.1-3)

Vejamos as quatro estratégias de Satanás sobre a humanidade – os “4 C”:

1. CONFUNDIR (Operação Eva)

Fundir juntamente, misturar a verdade de Deus com as suas mentiras.

– Ele é o pai da mentira!

“Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” (Jo 8.44)

– Eva foi enganada por Satanás (Gn 3.1,4-5):

1º) Questiona e distorce a palavra de Deus

    É assim que Deus disse? (v.1)

2º) Encobre o juízo de Deus

    É certo que não morrereis. (v.4)

3º) Oferece ilusões

     Como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal (v.5)

– Nem Jesus escapou das suas investidas na sua tentação no deserto (Mt 4).

– Hoje (1993) há no Brasil cerca de 4800 seitas para confundir as mentes das pessoas. “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência,” (1Tm 4.1-2)

2. CONQUISTAR (Operação Ló)

Atrair, Seduzir, com o propósito de desviar do caminho da dignidade.

– Ló foi atraído e seduzido pelo que viu (Gn 13.10, 12-13)

– Balaão: este falso profeta seduziu o povo de Israel a prevaricar contra Deus (Nm 31.16; 25.1-9)

– Demas: em 61 d.C. era cooperador de Paulo  (Fm 24; Cl 4.14); já em 66 d.C. há o triste registro de que ele apostatou da fé, foi atraído e seduzido, “tendo amado o presente século” (2Tm 4.10).

3. CONTROLAR (Operação Gerasa)

Exercer o controle, dirigir.

– Controle por possessão: o homem geraseno, por exemplo (Mc 5.2-4)

– Controle da mente: Meditação transcenden­tal – Nova Era.

4. COMBATER (Operação Jó)

Pelejar, lutar contra.

Quando lhe resistimos nas demais estratégias ou investidas só lhe resta o combate direto ou indireto.

– Operação Jó (Jó 1.3, 8-12): a insinuação de Satanás era de que se fosse retirado de Jó tudo o que ele tinha, este blasfemaria contra Deus.

– Não tem sido pouca a perseguição sofrida pelos cristãos desde o início da igreja.

Conclusão

Felizmente, “as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas,”:

– A excelência da Obra de Cristo é a garantia da vitória!

“Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados.” (Hb 10.14)

– A fé é o requisito para a vitória.

“porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o Filho de Deus?” (1Jo 5.4-5)

– A “armadura de Deus” é o recurso para a vitória! (Ef 6.13-18)

“Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.” (Ef 6.10-12)

– O “trono” de Deus é o prêmio pela vitória! (Ap 3.21)

“Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono.”


Catedral Presbiteriana do Rio
30/01/2005 – Culto Vespertino (19h)
Esboço da Mensagem pregada pelo Presbítero Paulo Raposo Correia

%d blogueiros gostam disto: