Arquivo

Archive for 13/02/2011

PASTORES QUE DEIXAM SAUDADE

PASTORES QUE DEIXAM SAUDADE

“Então, o povo se lembrou dos dias antigos, de Moisés, e disse: Onde está aquele que fez subir do mar o pastor do seu rebanho? Onde está o que pôs nele o seu Espírito Santo?” (Is 63.11)

Saudade…. É mais fácil sentir do que explicar. É um sentimento de vazio pela ausência de alguém ou de alguma circunstância que deveria estar “aqui e agora”, e não “lá e então”, distante, no doce recanto cativo da memória. Quem são esses pastores que deixam saudade? Cada um de nós tem sua própria lista. A questão é, por que eles deixam saudade? A partir da investigação histórica de três pastores, que estão na lista de todos aqueles que amam a Bíblia, poderemos encontrar a resposta: Moisés, representando Israel (AT), Paulo, representando a Igreja (NT) e Jesus, o autor e consumador da fé, a ponte entre a Lei e a Graça, o único mediador entre Deus e os homens. Há três processos básicos pelos quais passaram esses e tantos outros grandes vultos da história e das páginas sagradas: ESVAZIAMENTO, ENCHIMENTO e TRANSBORDAMENTO.

1º) Esvaziamento é o processo de renúncia do “eu”, daquilo que somos ou possuímos, inclusive a cultura secular, tendo a certeza de que nada disso se constitui em elemento indispensável para o êxito da missão que Deus quer realizar através de nós, admitindo, entretanto, que estas coisas, quando subordinadas a Deus, podem ser acessórios úteis. Moisés passou os primeiros 40 anos de sua vida na corte egípcia aprendendo a ser alguém (At 7.22). Teve que ser arrancado do pináculo do poder real, despojado de todos os títulos e riquezas terrenas, quando, por conta própria, tentou fazer alguma coisa pelo seu povo e fracassou (At 7.23; Hb 11.24-26). Paulo, o apóstolo dos gentios, enquanto Saulo, caiu por terra, onde deixou ficar sua alta posição social e tudo aquilo que era valorizado pela sociedade (Fp 3.4-11). Jesus, que deve ser visto de uma forma diferenciada em toda essa abordagem, de certa forma “a si mesmo se esvaziou” (Fp 2.7) da Glória que tinha junto ao Pai (Jo 17.5).

2º) Enchimento é o processo de crucificação do “eu”, através da identificação ou união mística do crente regenerado com Deus, pela operação do Espírito Santo. Para ser cheio do Espírito é preciso primeiro esvaziar-se de si mesmo. Moisés passou o segundo período de 40 anos de sua vida aprendendo que não era nada e que nada poderia fazer de si mesmo. Na terra de Midiã, depois de atravessar o deserto abrasador, ele aprendeu a pastorear os rebanhos do seu sogro, como preparação para pastorear o rebanho de Deus. E foi assim que no final desses 40 anos, ele teve a visão, o chamado e a capacitação de Deus, que lhe falou do meio da sarça ardente (At 7.30-35). Após sua conversão e batismo, Paulo voltou a Jerusalém, mas foi impelido pelo Senhor para as regiões da Arábia, para estar a sós com Deus, se preparando para sua nova missão (At 22.17; Gl 1.17). Jesus, após o seu batismo e unção pelo Espírito do Senhor, foi conduzido ao deserto para ser tentado e para estar a sós com Deus, antes de iniciar o seu ministério público (Mt 4.1-11).

3º) Transbordamento é o processo de submissão do “eu”, é o direcionamento do “eu” a serviço de Deus e do próximo, para que a vontade de Deus seja feita na terra, assim como é feita no céu. Quando se está cheio, se transborda em todas as direções. Moisés, que já tinha apreendido a ter humildade, passa o terceiro e último período de 40 anos de sua vida aprendendo a ter fé e a depender de Deus, aprendendo que Deus é tudo. Paulo e Jesus também experimentaram isso (Gl 2.19-20; Fp 2.8; Hb 5.8-9).

Esses três pastores deixaram saudade por aquilo que foram e pelo que Deus realizou através deles: Moisés, cooperou com Deus na libertação de Israel da escravidão do Egito e no estabelecimento da nação livre, proclamando a Lei Moral, a Lei Civil ou Social e a Lei Cerimonial ou Religiosa. Jesus, cooperou com Deus na obra de libertação dos eleitos da escravidão de Satanás e do pecado e no estabelecimento de um novo reino, proclamando e ensinando um novo modo de vida. Paulo, cooperou com Deus na libertação dos homens da escravidão do judaísmo (legalismo) e das falsas crenças e no estabelecimento da Igreja, sistematizando as doutrinas da fé cristã.

Finalmente, é preciso alertar que não raramente você encontrará pastores que estão vivendo na contramão de tudo o que foi escrito acima. Alguns podem até ter começado com sinceridade e humildade, comprando livros com dificuldade, vestindo roupas surradas, dependendo da ajuda dos irmãos para concluírem seus cursos teológicos. Infelizes são aqueles que, no decorrer dos anos, passam a ver o ministério pastoral como profissão e não mais como vocação. Passam a dar foco no seu sustento e não no sustento da obra de Deus; na organização eclesiástica e não no corpo vivo de Cristo. Enchem-se de teologia e de vãs filosofias humanas, passando a pregá-las em lugar da Bíblia, que deixa de ser texto para se tornar pretexto. Suas vidas e pregações são como “o bronze que soa” ou como o “címbalo que retine”; pastores “que se apascentam a si mesmos” (Ez 34.2). Chegam a se considerarem indispensáveis e insubstituíveis, do tipo que pensa, “sem mim eles nada poderão fazer”. Ao invés de promoverem libertação e edificação, trazem escravidão e destruição. Certamente esses, em vez de deixarem saudade, trarão alívio ao povo de Deus quando deixarem o ofício.

Graças a Deus pelos pastores que deixaram saudade e pelos que ainda deixarão. Eles realizaram ou realizam seu trabalho sem a preocupação do aplauso humano, pois o fazem como para o Senhor e não para os homens. O galardão de um verdadeiro pastor já está assegurado: “Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória” (1 Pe 5.4). Queridos pastores, a vocês que têm dado a vida pelo rebanho de Deus, nossa sincera gratidão e apreço. Que o Senhor te fortaleça, te ilumine e te abençoe! A paz seja com todos.

Presb. Paulo Raposo Correia
Editorial do Boletim de 08/12/2002
Dia do Pastor – Catedral Presbiteriana do RJ

A BÍBLIA – “O LIVRO”

Categorias:Artigos, Bíblia Tags:

Tempo para Deus

tempoparadeus

Tempo para Deus (pdf)

Os 12 apóstolos e os irmãos de Jesus

Igreja, a comunidade do Perdão

Categorias:Artigos, Outros Tags:,

PLANO DE LEITURA BÍBLICA EM 2 ANOS

Leitura bíblica em 2 anos

Orientações para impressão:

 (Orientação do papel  PAISAGEM)

I) Imprimindo a Capa: (Papel A4) Capa.pdf
    Capa alternativa (menos gasto de tinta): Capa ALT.pdf

Abra o arquivo: Capa (pdf)

1º) Selecione: IMPRIMIR / PÁGINA 1

2º) Retire a folha impressa, coloque-a outra vez na bandeja para imprimir o outro lado, selecione: IMPRIMIR / PÁGINA 2

II) Imprimindo o Plano: (Papel A4) Plano de Leitura.pdf

Abra o arquivo: Plano de Leitura (pdf)

1º) Selecione: IMPRIMIR / PÁGINA 1

2º) Retire a folha impressa, coloque-a outra vez na bandeja para imprimir o outro lado, selecione: IMPRIMIR / PÁGINA 2

3º) Selecione: IMPRIMIR / PÁGINA 3

4º) Retire a folha impressa, coloque-a outra vez na bandeja para imprimir o outro lado, selecione: IMPRIMIR / PÁGINA 4

Agora é só dobrar ao meio, a capa e as folhas do Plano, para montar o CADERNO e boa leitura.


Criação, edição e distribuição exclusiva por Paulo Raposo Correia – 2002
BLOG: 2011

……………………..

Se você está sendo abençoado com a leitura bíblica baseada neste plano, deixe um comentário abaixo para incentivar outras pessoas!!! Obrigado.


Estatística de Acesso ao Plano (por ano)(*):
2011:      92 acessos
2012:    360 acessos
2013:    826 acessos
2014:    821 acessos
2015: 1.269 acessos
2016: 1.725 acessos
2017: 5.506 acessos
2018: 5.903 acessos
2019: 4.155 acessos

Total: 20.657 acessos
(*) Fonte: WordPress.com


Veja também:

Plano em Inglêshttps://pauloraposocorreia.com.br/category/leitura-biblica/ingles-english/

Plano em Francêshttps://pauloraposocorreia.com.br/category/leitura-biblica/frances-francais/

Livro: Batismo, com a palavra a Bíblia.

que apresenta a orientação bíblica a respeito desse controvertido assunto, contribuindo para o esclarecimento e edificação do povo de Deus.

Veja, a seguir, uma foto do livro e o texto da contracapa.

……………………………………………….

……………………………………………….

 ASPERSÃO OU IMERSÃO?

O batismo é mesmo necessário? Você sabe qual o seu significado? Qual a forma mais adequada: aspersão ou imersão? Você tem vivido situações difíceis tendo que ser rebatizado(a) para se tornar membro de uma igreja? É bíblica a doutrina do rebatismo? De que tipos de batismo a Bíblia fala?

Estas e outras questões são aqui respondidas com total base bíblica, de uma forma didática e com uma linguagem simples apesar da profundidade com que o assunto é tratado.

……………………………………………….

……………………………………………….

……………………………………………….

Mais Detalhes

Observe o SUMÁRIO do livro:

Prefácio
Introdução
1. Unidade na diversidade
2. Significado do termo
3. O Batismo no Antigo Testamento
4. O Batismo de Arrependimento
5. O Batismo de Sofrimento
6. O Batismo Cristão
7. O Batismo em Cristo
8. O Batismo nos Primórdios da Igreja
9. O Batismo com o Espírito Santo
10. O Batismo com Fogo
Bibliografia

São 86 páginas de texto, de leitura tão atraente, que você não vai querer parar de ler.

Impressão em papel de ótima qualidade, com acabamento especial (costurado).

Um livro que não pode faltar em sua biblioteca!

Promoção:

O autor oferece este livro para você em condições muito especiais:

Preço de R$ 15,00 + Frete.

Quem lê não consegue guardar este conhecimento só para si. Para não ter que emprestar o seu livro e correr o risco de recebê-lo de volta amassado, ou até mesmo nem recebê-lo, que tal adquirir dois exemplares: um para você e outro para uma pessoa de suas relações. Com este presente, você vai ajudar muitas pessoas a livrarem-se de suas dúvidas, sobre um assunto tão importante, para a honra e glória de Deus.

……………………………………………….

Como solicitar o livro?

Faça o depósito em conta bancária (solicite-nos o número da conta desejada), informando-nos, por e-mail, os dados do depósito (Banco, Data, Valor, etc).
Valor de R$ 15,00 + Frete.
Não se esqueça de enviar também seu nome e endereço completos.

……………………………………………….
Envie seu pedido por e-mail, com seu nome e endereço completos.
Ao identificarmos o respectivo depósito em nossa conta, o livro será despachado para você, imediatamente, dispensando-o de qualquer outra formalidade e economizando tempo.

Resumindo:
Ao enviar este e-mail: em “Assunto” escreva: “Solicitação de livro”; no corpo da mensagem escreva:

Seu nome completo.
Seu endereço completo, inclusive o CEP.
Seu e-mail.
Comentário adicional (se desejar).
Solicite o número da conta do Banco no qual será feito o depósito .

……………………………………………….

Referências bancárias para depósito

PAULO RAPOSO CORREIA
Banco Santander
ou
Banco do Brasil
(Solicite-nos o número da conta desejada)

……………………………………………….

Qual é o teu Cristo?

Qual é o teu Cristo?

Neste mundo há muitos cristos; de muitas formas, de várias cores, de vários tamanhos.
Cristos feitos, cristos inventados, cristos moldados, cristos deformados, cristos tristes e cristos desfigurados.
Há cristo para cada gosto, cada interesse, cada objetivo, e cada projeto.

Há o cristo das belas artes, um motivo como tantos outros para expressar uma forma ou exibir uma escola, pelo homem criada. É cristo para se ver, apreciar ou criticar, para exaltar o autor, seu talento, sua invencionice. É um cristo despido de autoridade, sem expressão, sem dignidade.

Há o cristo da literatura, da prosa, do verso, da forma, do estilo, do livro famoso, dos best-sellers.É um cristo pretexto que serve de texto dentro de um contexto, que ajuda o seu autor a faturar mais e ser mais lido e procurado.

Há o cristo das cantigas, deturpado, maltratado, irreverente, tratado. Aparece na crista das ondas, estoura nas paradas, é cantado nos salões e circula os milhões como mercadoria, para enriquecer as empresas.

Há até o cristo do cinema e do teatro, sucesso de bilheteria, é a explosão da arte moderna, fazendo a caricatura da maior personagem da história. É o cristo musicalizado, encenado, industrializado. É cristo para espetáculo, para os olhos, para os ouvidos, para o lazer e a higiene mental.

Há o cristo do crucifixo, de pedra, de mármore, de madeira, de metal. É cristo para a parede, para o colar da mocinha, para o peito piloso do rapaz excêntrico. É apenas ornamento ou simples decoração. Embora alguns lhe prestem culto; ele não vê, não ouve, não entende.

o cristo dos teólogos, difícil de entender, complicado… é cristo para eruditos, para cultos, privilegiados. É só para ser discutido, analisado, dissecado, aceito intelectualmente. Não modifica, não transforma, não regenera, não muda. É cristo aristocrata, de elite.

Há também, infelizmente, o cristo de certos cristãos que ainda o têm no túmulo. É cristo crucificado, morto e sepultado, e ainda conservado na tumba dura e fria. É o cristo que não vive porque os seus adoradores estão mortos e não despertaram para uma vida nova; a vida do próprio Cristo, da qual, lamentavelmente não se apossaram.

O meu Cristo não é nenhum desses:
O meu Cristo é Filho de Deus que foi encarnado, viveu, sofreu, foi condenado, morto e sepultado por causa de meus pecados.
O meu Cristo não ficou preso na sepultura escura. Ele ressuscitou, subiu ao céu e reina à direita do Pai.
O meu Cristo é respeitado, admirado, cultuado, adorado….porque está vivo….bem vivo!
O meu Cristo vive nas palavras que proferiu, nos ensinos que deixou, nos atos que praticou e na obra que realizou.
O meu Cristo vive nas almas que Ele salvou.
O meu Cristo vive… eu sei bem disso e não tenho nenhuma dúvida.

O MEU CRISTO VIVE EM MIM.

ALELUIA!!!

(Autor desconhecido)

%d blogueiros gostam disto: