Inicial > Artigos, Igreja > A igreja que explicita sua crença

A igreja que explicita sua crença

documentos-westminster

“antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós,” (1Pe 3.15)

Introdução:

Neste estudo estaremos abordando o fato de que, principalmente as igrejas históricas e reformadas, como a Igreja Presbiteriana, adotam credos e confissões de fé, que lhe servem de balizamento para aquilo que creem e professam como sendo a doutrina bíblica essencial. Isto fazem para que seus membros possam ter mais fácil acesso e compreensão da doutrina e ensino bíblicos, de modo a blindá-los e preservá-los das heresias e toda a sorte de ventos de doutrina estranhos à Bíblia.

1. OS TRÊS PILARES DE UMA RELIGIÃO/SEITA

generica

RELIGIÃO: Instituição social com crenças e ritos.
SEITA: Ramo dissidente de uma religião, cujas doutrinas e métodos divergem do tronco principal, considerado herético.

.

cristianismo

.

Dos esquemas acima, percebe-se a importância do Fundador e das Crenças sobre os seus Seguidores.

2. TRÊS PALAVRAS IMPORTANTES: Crença, Confissão e Balizamento

“Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.” (Jo 7.38)
“e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.” (Fp 2.11)

Durante certo tempo o livro sagrado dos cristãos, a Bíblia, era acessado por poucos. A igreja católica romana permitia que apenas uns poucos, do clero, lessem, interpretassem e ministrassem a Palavra. Os leigos não tinham esse privilégio. Com o advento da imprensa em 1455, da tradução da Bíblia para o Alemão, por Lutero, em 1534, e de outras traduções, bem como da Reforma Protestante [1], o povo passou a ter acesso a Bíblia. Com esse livre acesso e incentivo à leitura bíblica pelo povo, dá para imaginar a dificuldade que surge quanto ao entendimento do ensino e doutrina bíblicos. Portanto, era necessário unificar a visão e entendimento dos cristãos, de modo que todos tivessem a mesma crença. Parece que nestes Séculos 20 e 21 os cristãos estão vivenciando essas mesmas dificuldades, considerando as múltiplas interpretações que têm surgido a respeito do ensino e doutrinas bíblicas, agravado pelo descaso aos credos e confissões.

CRENÇA:

No geral, é a firme convicção sobre ideias, conceitos e fatos que se julga verdadeiros. Particularmente, neste estudo, é a firme convicção sobre as verdades e doutrinas bíblicas.

CONFISSÃO:

No geral, é o ato de confessar, declarar algo, que se pensa, que se crê ou que se fez.
Particularmente, neste estudo, é a declaração que se faz sobre a crença ou fé cristã.

BALIZAMENTO:

No geral, é o ato ou efeito de balizar, de demarcar com balizas; balizagem.
Particularmente, neste estudo, é o ato ou efeito de estabelecer ou demarcar os limites da crença ou fé cristã.

“A melhor maneira de manter em evidência aquilo em que cremos e confessamos é através do registro documental de nossa fé, o que é feito através dos credos e confissões da História da Igreja.”[2]

3. CREDOS E CONFISSÕES

3.1 PROPÓSITOS

a) Expressar, com clareza, aquilo em que cremos como Igreja de Cristo, a fim de manter firme a nossa profissão de fé.

b) Blindar a igreja de Cristo das heresias que geram confusão, insegurança e desvios da fé. “A comunidade dos santos sem o balizamento de suas crenças fieis à Escritura é como aquele que é agitado ‘de um lado para outro’, sendo vitimado por ‘todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro.’ (Efésios 4.14).”[2]

c) Enfim, “Credos e confissões são documentos humanos, elaborados com a finalidade de nos conduzir a uma boa interpretação da Escritura e a nos auxiliar a manter vida santa e digna diante de Deus. Eles nos auxiliam a manter em evidência e clareza os ensinamentos bíblicos, a demonstrar que estamos em sintonia com os principais credos da Igreja de Cristo e a manter nossas posições e doutrinas distintas em relação às doutrinas de todos os demais grupos cristãos ou pseudocristãos afastados da sã doutrina.” [2]

3.2 PRINCIPAIS DOCUMENTOS

“Nossos documentos históricos são os credos, os catecismos, as confissões e os cânones, sendo os principais de linha reformada:

  • Credos[3]: dos Apóstolos (data indefinida), Niceno (325), Atanasiano (séc. IV), Calcedônia (451), Constantinopolitano (c. 381), 39 Artigos de Fé (1563).
  • Catecismos[4]: Genebra (1537), Heidelberg (1563), Westminster (Maior e Breve, 1647).
  • Confissões[5]: Genebra (1537), Guanabara (1557), Galicana (1559), Escocesa (1560), Belga (1561), Segunda Helvética (1566), Westminster (1646).
  • Cânones[6]: Dort (1619).

Dos documentos acima, cabe ressaltar que a Confissão Belga (1561), o Catecismo de Heidelberg (1563) e os Cânones de Dort (1619), três dos mais antigos tratados reformados, compõem o que se conhece como As Três Formas de Unidade das Igrejas Reformadas que, desde então, em todo o mundo, se adotam nas igrejas reformadas em particular e cristãs em geral, promovendo unidade mínima nos elementos centrais da fé cristã. Mais tarde, a Confissão e os Catecismos de Westminster foram influenciados por esses importantes documentos.” [2]

3.3 SÍMBOLOS DE FÉ (IPB)

“Igrejas reformadas são lembradas por serem extremamente bíblicas em suas doutrinas, e isso se dá exatamente pelo apoio que recebem dos documentos. Então, uma igreja reformada, como a Igreja Presbiteriana do Brasil, é igreja bíblica e igreja confessional, o que quer dizer que a base do que essa igreja crê sai diretamente da Palavra de Deus e é registrado de forma documental em credos e confissões que servem para o presente e o futuro da igreja, ao mesmo tempo que nos remete à nossa origem de fé.” [2]

A IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL adota os seguintes símbolos:

  • A Confissão de Fé de Westminster (a exposição dos 35 temas).
  • O Catecismo Maior de Westminster (os 35 temas em 196 perguntas).
  • O Breve Catecismo de Westminster (33 dos 35 temas em 107 perguntas).

4. AUTORIDADE E DESAFIOS

4.1 A AUTORIDADE DA BÍBLIA

Cremos que a Bíblia é a nossa única e infalível regra de fé e prática. Ela tem e terá sempre a primazia sobre qualquer outro livro ou documento. Quanto mais a lemos, não apenas uma parte, mas todo o seu conteúdo, mais conhecemos a Deus Pai, Filho e Espírito Santo, bem como seu plano e propósito para cada pessoa e para sua igreja.

“Pessoas há que estranham adotar a Igreja presbiteriana uma Confissão de Fé e Catecismos como regra de fé, quando sustenta sempre ser a Escritura sua única regra de fé e de prática. A incoerência é apenas aparente. A Igreja Presbiteriana coloca a Bíblia em primeiro lugar. É ela só que deve obrigar a consciência.

É também princípio fundamental da Igreja Presbiteriana que toda autoridade eclesiástica é ministerial e declarativa; que todas as decisões dos concílios devem harmonizar-se com a revelação divina. A consciência não deve se sujeitar a essas decisões se elas forem contrárias à Palavra de Deus.”[7]

4.2 A AUTORIDADE DOS CREDOS E CONFISSÕES

Os credos e confissões “não são, no entanto, inerrantes e nem compõem nossa única regra de fé e prática, que é exclusivamente a Bíblia Sagrada. A autoridade desses documentos é relativa e com limitações, mas, nem por isso devemos desprezar seu valor de formação e unidade para a fé cristã reformada. Na própria Escritura encontramos diversas declarações de fé, credos e confissões, como a de Filipenses 2.5-11.” [2]

“Admitir-se a falibilidade dos concílios não é depreciar a autoridade da Confissão de Fé e dos Catecismos para aqueles que de livre vontade os aceitem. Admitindo tal, a Igreja somente declara que depende do Autor da Escritura, e recebe a direção do seu Espírito na interpretação da Palavra e nas fórmulas de aplicar suas doutrinas. A Igreja Presbiteriana sustenta que a Escritura é a suprema e infalível regra de fé e prática; e também que a Confissão de Fé e os Catecismos contém o sistema de doutrina ensinado na Escritura, e dela deriva toda a sua autoridade e a ela tudo se subordina.”[8]

4.3 O DESAFIO PERMANENTE

a) Combater a leviandade espiritual

“Dentro da própria Igreja de Cristo, inclusive nas igrejas históricas, vivemos dias em que os credos e confissões sofrem grande rejeição, mas isso precisa ser detido e revertido. Parte considerável dos desvios e da leviandade espiritual contemporâneos são decorrentes de não se terem em alta conta as verdades expressas nos antigos documentos da cristandade.” [2]

b) Combater os modismos teológicos

Vivemos um tempo em que lideranças de igreja vão estabelecendo novas interpretações da bíblia, de forma a harmonizar ou acomodar situações contemporâneos ou de conduta, ao sabor de suas opiniões pessoais. “Com o passar do tempo, o afastamento da centralidade da Escritura se torna inevitável. Em outras palavras, se mantivermos fidelidade aos credos e confissões, teremos mais chance de manter a nossa fé clara e bem compreendida, enquanto temos liberdade de manter diálogo e debate teológico de alto nível, ao passo que as igrejas que não são fieis a tais documentos incorrem em nítidos perigos de manipulação da fé.” [2]

c) Preservar a liturgia do Culto

“Nas igrejas reformadas, nós não confessamos apenas o Sola Scriptura, nós também incrementamos a autoridade da Escritura em nossa adoração, em nossa música, na forma e conteúdo de nossos sermões e ensinamentos, o que é guiado pelas conceituações apreendidas em nossos credos e confissões reformados, que demonstram para nós a continuidade da aliança de Deus conosco, mesmo em meio a variações de costumes e tempos.” [2]

Conclusão:

“Não podemos ser como crianças na fé, instáveis, levados de um lado a outro por qualquer coisa que leiamos e ouçamos por aí. Nossa fé é baseada na Escritura e é alimentada pelos estudos e observações aos nossos documentos confessionais.”[2] Precisamos ter sempre em mente que somos igreja e, como tal, precisamos conhecer, viver, praticar e testemunhar nossa Crença, nossa Fé: “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós,” (1Pe 3.15)

Você conhece, pelo menos, a essência da sua fé em Cristo?

[1] Reforma Protestante: 31/10/1517 – Fixadas as 95 teses na porta da igreja do Castelo de Wittenberg.
[2] EBD – Módulo 5 – Aula 1 – A igreja que sabe no que crê – Pr. Joel Theodoro
[3] Credo: Fórmula doutrinária.
[4] Catecismo: Exposição de fé e de doutrina da Igreja.
[5] Confissão: documento que expressa consenso doutrinário entre as diversas Igrejas Reformadas.
[6] Cânone: Regra geral, preceito, norma.
[7] Símbolos de Fé, pág. 15 (Editora Cultura Cristã)
[8] Símbolos de Fé, pág. 16 (Editora Cultura Cristã)

Nota: esboço pessoal de aula, preparado por mim, para facilitar a ministração da Aula 1 (A igreja que sabe no que crê) – Módulo 5 – EBD Catedral 2016, de modo a atender a temática proposta no material elaborado pelo Pr. Joel Theodoro para os alunos. Foram feitas algumas alterações para divulgação neste blog.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: