Lidando com o sentimento de culpa (Parte 1)

“Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável.” (Sl 51.10)

Introdução          

“Há algum tempo, aconselhei uma moça de 22 anos que tentara o suicídio. Descobri, depois de várias horas de aconselhamento, que ela possuía uma autoimagem muito baixa e negativa. Em meio a lágrimas, contou-me que, quanto mocinha, fora violentada por um membro da família; fato esse que lhe causou dificuldades no que diz respeito a amar e confiar nas pessoas, fazendo surgir sentimentos de culpa, rejeição e autoimagem negativa.” (Jaime Kemp – Lar Cristão -Nº 2)

Outros casos ou exemplos:

– Escolhi a carreira errada, não tenho qualquer vocação para medicina (ou direito, ou engenharia ou ….)
– Um marido que perde o emprego. Os frequentes problemas financeiros fazem com que a esposa deixe de acreditar nele.
– Uma gravidez indesejada paralela a crescentes pressões no emprego leva um marido a questionar o compromisso assumido no casamento.
– Um filho que cai da escada ou sofre um acidente e fica paraplégico.
– Um casamento fracassado que levou ao divórcio.
– Um adultério cometido e muito bem ocultado.
– Uma cessão de espaço para a pornografia.
– Um furto ocasional.
– Uma ou algumas mentiras proferidas.
– Foi testemunha de um fato e se omitiu.

O sentimento de culpa é uma forma de sofrimento mental, normalmente com desdobramentos que afetam a saúde do corpo, o comportamento, o estilo de vida e os relacionamentos. É uma triste realidade compartilhada pela espécie humana, desde as primeiras criaturas – Adão e Eva. Culpa, ciúme, medo, ansiedade, insegurança, autocondenação, ira, depressão, dentre outros, muitas vezes, ocasionam um desastre psicológico, portanto, precisam merecer nossa atenção, precisam ser tratados.

Paul Tournier, respeitado psiquiatra cristão, lembra que sentimentos como remorso, peso na consciência, vergonha, constrangimento, inquietação, confusão, timidez e modéstia em excesso estão todos ligados ao sentimento de culpa. Cristãos e não cristãos estão sujeitos a problemas que afetam a nossa psiquê e precisam trabalhar isso adequadamente.

Pessoas e famílias não são perfeitas. Erros cometidos, decisões equivocadas, atitudes inconvenientes e pecado praticado têm consequências e podem  provocar danos de menor ou maior proporção na vida de uma pessoa. Daí se estabelece o sentimento de culpa. Crentes salvos e habitados pelo Espírito Santo também estão aqui incluídos, com a ressalva de que quem está em Cristo é nova criatura e não vive na prática do pecado (1Jo 3.6) e não tem que viver sufocado por sentimentos de culpa. Portanto, este é o tipo de assunto que interessa a todos.

O que fazer para reduzir, bloquear ou eliminar um sentimento de culpa? É o que trataremos, a seguir.

Nesta Parte 1, faremos uma abordagem mais conceitual sobre a culpa e o sentimento de culpa, com os tópicos CULPA REAL e CULPA IMAGINÁRIA.

1. CULPA REAL

Considera-se, neste caso, que verdadeiramente o indivíduo tem culpa. Portanto, o sentimento de culpa é devido, o que é algo humanamente natural.

A culpa real pode ser definida levando-se em conta alguns aspectos:

1.1 QUANTO AO AGENTE

a) Culpa pela AÇÃO ou OMISSÃO

Ação, quando o indivíduo faz alguma coisa errada, que não deveria ou não poderia fazer.

Omissão, quando o indivíduo não faz alguma coisa certa que deveria ou poderia fazer.

b) Culpa DIRETA, INDIRETA e PRESUMIDA

Direta, quando o indivíduo age ou se omite, diretamente. Por exemplo: estava dirigindo, se distraiu com o celular, bateu com o carro no poste e o pai, que estava no banco do carona, veio a óbito. Ele é o agente e executor direto.

Indireta, quando o indivíduo é o mandante e outros fazem ou deixam de fazer alguma coisa por ordem ou acordo com ele. Por exemplo, Davi, quando ordenou que Urias fosse colocado na linha de frente da batalha e deixado, sem cobertura, para ser morto.  

Presumida, ocorre nas situações em que o agente assume os riscos ante à probabilidade de causar resultado danoso, sendo assim o responsável. Independentemente de estar ou não contemplado no Código Penal ou Código Civil, para efeito conceitual, incluo aqui este tipo de culpa. Exemplifico com o caso trágico de pais, com filho pequeno em casa, que cai da janela do apartamento ou morre afogado na piscina da casa, porque esses não tiveram o cuidado de instalar proteção na janela ou na piscina. O risco era previsível, mas não foi levado em conta. São formas de manifestação da inobservância do cuidado necessário, isso é, modalidades da culpa: a imprudência, negligência e imperícia.

1.2 QUANTO AO ATO EM SI

Gary Collins, conselheiro cristão, fala de dois tipos básicos de culpa, a saber, objetiva e subjetiva.

a) Culpa OBJETIVA

Objetiva, quando depende ou decorre do ato ou do fato.

Conforme Collins, são quatro os tipos de culpa objetiva:

– Culpa legal: acontece, por exemplo, quando uma pessoa é multada por ter desrespeitado um semáforo. Transgrediu a lei de trânsito, portanto, a pessoa é culpada, sentindo ou não culpa, arrependimento ou remorso pelo que fez.

– Culpa social: é quando se quebra uma norma não escrita, mas socialmente esperada, como qualquer regra de etiqueta ou boas maneiras.

– Culpa pessoal: é quando acontece uma violação de algum plano ou projeto pessoal. Um exemplo seria o caso do pai de família que, por força de obrigações profissionais, se vê forçado a passar menos tempo com seus filhos do que o que pretendia, ou a faltar a um evento na escola em que o filho iria se apresentar.

– Culpa teológica (que psicólogos e conselheiros cristãos também chamam de culpa verdadeira):  é proveniente de saber que houve desobediência às leis de Deus, violação a princípios, valores e ensinos contidos na bíblia. Muitos psicólogos e psiquiatras não cristãos não admitem a existência desse último tipo de culpa.

b) Culpa SUBJETIVA

Subjetiva, quando não depende ou não decorre do ato ou do fato em si, porém de sentimentos e interpretações pessoais. 

A culpa subjetiva está ligada aos sentimentos desconfortáveis de remorso, vergonha e autocondenação que podem acompanhar quem acha que fez algo errado (ou que a pessoa considera errado) ou que deixa de fazer o que acha que seria certo.

É importante saber de que tipo de culpa se está falando, para que se possa ajudar quem está com dificuldades nessa área tão importante da vida.

1.3 QUANTO A INTENÇÃO

a) Dolosa

Quando o indivíduo tem a intenção e faz alguma coisa errada, que não deveria ou não poderia fazer.

b) Culposa

Quando o indivíduo não tem a intenção e faz alguma coisa errada, que não deveria ou não poderia fazer.

1.4 QUANTO À CONSCIÊNCIA  

a) Consciente

Ocorre quando o agente prevê o resultado, mas espera que ele não ocorra, supondo poder evitá-lo com a sua habilidade.

b) Inconsciente

Na culpa inconsciente, o agente não prevê o resultado, que, entretanto, era objetiva e subjetivamente previsível.

2. CULPA IMAGINÁRIA

É importante reconhecer que há culpas reais ou verdadeiras e culpas imaginárias ou falsas. O efeito e prejuízo psicológico pode ser o mesmo nos dois casos. É fato que muita gente sofre com culpas que não são reais.

a) Culpa de natureza teológica

Embora o mundo cristão esteja sendo fortemente influenciado e afetado pelo liberalismo teológico e progressismo global, onde princípios e valores cristãos estão sendo relativizados ou ignorados, ainda encontraremos pregadores e professores com viés legalista e moralista forjando nas mentes dos crentes imaturos falsos conceitos de santidade, pureza e vida cristã. Assim, tais ouvintes podem desenvolver culpas imaginárias na consciência, culpas que decorrem de interpretação bíblica equivocada. Jesus nunca foi cúmplice do pecado, mas repreendeu veementemente os religiosos legalistas do seu tempo: “Atam fardos pesados e difíceis de carregar e os põem sobre os ombros dos homens; entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los.” (Mt 23.4). É necessário pregar e ensinar sempre com base bíblica! É preciso fugir dos extremos onde “tudo é pecado” ou “nada é pecado”!

b) Culpa pela forma de criação dos filhos

Na atualidade, talvez seja mais comum encontrarmos pais que não impõem limites na criação e educação dos seus filhos. Entretanto, igualmente danoso para a formação desses é o rigor exagerado por parte de outros pais. A pedagogia do elogio tem sido recomendada, porém tais pais se relacionam com seus filhos só na base da censura, da crítica, da reclamação e da condenação. Crianças criadas dessa maneira são fortes candidatas a se tornarem adultos problemáticos, sempre a lutar contra um sentimento de culpa vago e indefinido, mas terrível, que sempre cobra algo mais, que nunca se satisfaz. É lógico que crianças precisam de repreensão quando fazem algo verdadeiramente errado; mas precisam igualmente de elogio, incentivo, estímulo, agradecimento, para que venham a ser adultos mais centrados e equilibrados.

c) Culpa de natureza circunstancial

São culpas que se originam de circunstâncias imprevisíveis, muitas vezes agravadas por envolverem acontecimentos trágicos. Pode-se exemplificar com o seguinte caso. Uma mãe pede a seu filho jovem para ir até a padaria, perto da sua casa, para comprar alguma coisa para o lanche. Exatamente quando o jovem chega à padaria, está ocorrendo um assalto, ele recebe um tiro de bala perdida e vai a óbito. Então, aquela mãe incorpora um sentimento de culpa que sufoca e asfixia sua existência. Esse é apenas um dos inúmeros casos em que a pessoa não cessa de se questionar – E SE…. ? E se eu não tivesse pedido a ele para ir até lá? Ele estaria vivo!

…………………..

Não perca a continuação…..em breve….
Na Parte 2 apresentaremos aspectos mais práticos de como tratar da culpa e do sentimento de culpa, com os tópicos REAÇÕES A CULPA e TRATANDO A CULPA.

%d blogueiros gostam disto: