Arquivo

Posts Tagged ‘Boca aberta’

Áquila e Priscila

Introdução:

A Bíblia está repleta de narrativas de personagens dos quais podemos dizer que vivenciaram uma espécie de “carreira solo”, isto é, eles aparecem em primeiro plano, recebendo maior foco, como protagonistas; tanto no Antigo como no Novo Testamentos. Quando o foco é o casal, o Antigo Testamento registra a história de alguns deles, desde Adão e Eva, passando por Abraão e Sara, Isaque e Rebeca, Salmon e Raabe, Sansão e Dalila, Boaz e Rute, Elcana e Ana, Davi e Bate-Seba, Acabe e Jezabel etc. Ao chegar no Novo Testamento nos deparamos com dois casais que se destacam nas narrativas dos Evangelhos: Zacarias e Isabel, por terem trazido ao mundo João Batista, aquele que veio preparar o caminho de Jesus; e, José e Maria, que cuidaram do Jesus menino, gerado em Maria, pelo Espírito Santo, como o Messias Salvador. Entretanto, a partir da ascensão de Cristo e da inauguração da igreja, um casal se destaca negativamente dos demais, Ananias e Safira e outro, positivamente, Áquila e Priscila. Abordaremos aqui este último e veremos que não é sem razão ou por acaso que ele é lembrado pelos cristãos.

1. Um casal que é uma carta aberta  (At 18.1-2)

“Vós sois a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos os homens,” (2Co 3.2)

A vida deste casal é, sem dúvida, uma carta aberta, conhecida e lida por todos os que têm alguma intimidade com o livro sagrado – a bíblia. Ao refletir sobre a história de vida deles muito podemos enriquecer a nossa própria história e certamente seremos desafiados a seguir o seu exemplo.

Para quem imaginava que na antiguidade só havia machismo, inclusive na igreja nascente, vai se surpreender com o equilíbrio de tratamento, de valor e de desempenho de papéis no que se refere a este casal. Nas seis citações sempre aparece, no registro bíblico, os dois nomes, sendo que duas vezes na ordem “Áquila e Priscila” (1Co 16.19 e At 18.2) e, quatro vezes, “Priscila (ou Prisca) e Áquila” (At 18.18, 26; Rm 16.3 e 2Tm 4.19). O fato do nome da esposa ter aparecido tantas vezes na frente do nome do marido tem levado alguns comentaristas bíblicos a deduzirem que Priscila tinha uma personalidade mais forte ou que ela descendia de uma família romana proeminente, mas que não se tem como provar.

Por falar em nome, Áquila significa “águia” e Priscila significa “que pertence a Prisco” ou “da natureza de Prisco”, “familiar de alguém venerável”. “Prisco”, por sua vez, do latim Priscus tem o sentido de “o antigo”, “o velho” ou “o venerável”, de modo que Priscila significa “familiar de alguém venerável”1.

Áquila era judeu, natural do Ponto, uma província da Ásia Menor, no norte da atual Turquia. Naquela região morava um certo número de judeus, que estiveram em Jerusalém no dia de Pentecostes (At 2.9) e, posteriormente, é mencionada por Pedro como local onde se encontravam eleitos, forasteiros da dispersão (1Pe 1.1). Não temos mais informações sobre a origem de sua esposa Priscila.

Este distinto casal é citado no NT, sempre pelo apóstolo Paulo, seis vezes. A primeira informação que temos do casal é que havia chegado recentemente em Corinto, quando Paulo se aproximou deles, tendo sido expulsos de Roma, pelo imperador Claudio2  (41 a 54 dC), que decretou que os judeus se retirassem da capital do Império, por volta de 49 dC.

Segundo o historiador Suetônio, ele teria expulsado os judeus de Roma por estarem envolvidos em agitações devido a um certo “Cresto” (Chrestus), um termo que poderia referir-se a Cristo (Christus). Se isso é verdade, então é provável que o Evangelho estava chegando às Sinagogas Romanas e encontrando resistência e reações fortes por parte dos judeus mais arraigados à lei mosaica. É o que acontecia em toda a parte e deu ensejo a uma acusação como a de Tessalônica: “…Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui,” (At 17.6b).

Segue um quadro resumo dessas seis citações do casal:

Texto Bíblico Data Local onde Áquila e Priscila estavam ou residiram
Atos 18.1-3 52-53 dC Em Corinto, juntos com Paulo (2ª viagem missionária)
Atos 18.18-19 54 dC Em Éfeso, juntos com Paulo (2ª viagem missionária)
Atos 18.24-27 54 dC Em Éfeso, sem Paulo (3ª viagem missionária)
1Coríntios 16.19 57 dC Em Éfeso, com Paulo quando ele escreveu 1Coríntios (1Co 16.8)
Romanos 16.3-5 57-58 dC Em Roma, sem Paulo quando ele escreveu Romanos, de Corinto.
2Timóteo 4.19 67 dC Em local ignorado, sem Paulo quando ele escreveu 2Timóteo, de Roma.

2. Um casal de mente e coração abertos (At 18.2b)

Não está claro no texto bíblico se o casal foi evangelizado por Paulo ou se já eram convertidos quando o apóstolo se aproximou deles (At 18.2b). O fato é que em algum momento das suas vidas, provavelmente em Roma, eles abriram a mente e o coração para o Evangelho de Cristo e sua obra. Pelo que é dito deles foi uma entrega por inteiro!

3. Um casal de mãos abertas  (At 18.3-5)

Áquila e Priscila, marido e esposa, tinham a profissão de fazer tendas (At 18.3). Ambos estavam juntos no mercado de trabalho buscando o sustento da família. Expulsos de Roma, chegaram a Corinto e estabeleceram o seu negócio. Foi ali que se encontraram com o apóstolo Paulo, na sua segunda viagem missionária. Em terra estrangeira era comum os judeus se aproximarem de seus compatriotas e Paulo tinha um motivo a mais, que era a sua identificação com o mesmo ofício deles. Assim, Paulo passou a morar e a trabalhar com eles. Durante a semana o apóstolo trabalhava e aos sábados discorria na sinagoga. Isso mostra que a cobertura financeira para a viagem missionária de Paulo também dependia do seu trabalho. Assim, seu trabalho evangelístico maior se desenvolvia aos sábados, quando os judeus e gregos se reuniam nas sinagogas (At 18.4). O texto bíblico relata que apenas quando Silas e Timóteo chegaram ali é que Paulo pôde se dedicar em tempo integral à Evangelização e Ensino da Palavra (At 18.5).

Fica evidente que esse casal trabalhador logo apoiou e ajudou a sustentar a obra missionária da Igreja, através de Paulo, concedendo-lhe moradia e oportunidade de trabalho.

4. Um casal de olhos abertos (At 18.18)

Quando Paulo parte para Éfeso ele se despede de alguns irmãos, o que evidencia a existência de uma igreja nascente ali em Corinto (At 18.18). Entretanto, é significativo que ele leva em sua companhia o casal Priscila e Áquila. Por um lado, certamente ele via no casal uma vocação para apoio à obra missionária, não somente no sentido material, mas também no sentido espiritual, no que se refere à consistência e maturidade da sua fé. Por outro lado, chama a atenção o desprendimento do casal de acompanhar o apóstolo. Não temos a informação se Paulo os convidou ou se eles se ofereceram. Entretanto, a expressão “levando em sua companhia” (At 18.18) transmite a impressão de que o casal já fazia parte da equipe de Paulo. Ter os olhos abertos significa ter visão de vida e visão ministerial. Ter o foco em Deus e na sua obra. Dispor-se a deixar a sua zona de conforto e avançar na missão, no “IDE” de Jesus. Buscar o Reino de Deus como prioridade de vida, na certeza que as demais coisas nos serão acrescentadas.

5. Um casal de boca aberta (At 18.19, 23-28)

“Chegados a Éfeso, deixou-os ali; ele, porém, entrando na sinagoga, pregava aos judeus.” (At 18.19).

O casal amigo de Paulo, Áquila e Priscila, chega à cidade de Éfeso onde parece haver a intenção do apóstolo de estabelecer ali na casa deles uma base de apoio missionário para toda aquela região da Ásia. Eles se estabelecem ali e Paulo prossegue no seu avanço missionário, já concluindo sua segunda viagem e retornando à Antioquia (54 dC).

Passado algum tempo, ainda no ano de 54 dC, enquanto o apóstolo Paulo empreendia a sua terceira viagem missionária, surge um fato relevante ali em Éfeso que mereceu o registro bíblico, por Lucas. Um judeu, chamado Apolo, homem bastante eloquente e conhecedor das Escrituras, passa  discorrer ali na sinagoga de Éfeso. Apesar do seu poder de persuasão ele tinha um conhecimento limitado ao batismo de João. Naquela ocasião, Priscila e Áquila também frequentavam a sinagoga de Éfeso. Usando de grande sabedoria, prudência e discrição, conhecedores da fé cristã, em vez de colocar o vibrante pregador em dificuldade diante dos seus ouvintes, tomam-no à parte e lhe expõe “o caminho de Deus” com mais exatidão (At 18.23-26). O casal nos ensina que não basta conhecer alguma coisa da fé cristã; é preciso buscar a integridade doutrinária e ajudar os outros neste sentido.

Portanto, a estratégia de Paulo começa a surtir efeito e serve de exemplo para os pastores e líderes do povo de Deus. A liderança não é capaz de dar conta de toda a obra, sozinha. É preciso multiplicar pontos de apoio onde haja pessoas preparadas para ensinar, instruir, orientar e aconselhar, inclusive os novos pregadores. Por outro lado, todo o crente é desafiado a se preparar para os embates da vida cristã: “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós,” (1Pe 3.15).

Apolo era um pregador valoroso e entusiasmado com o que fazia. Tendo sido devidamente instruído e desejando prosseguir nesta obra, percorrendo a Acaia, encontra no casal de “boca aberta” e nos outros irmãos de Éfeso, palavras e atitudes de encorajamento (At 18.27-28).

6. Um casal de portas abertas (1Co 16.19; Rm 16.3-5)

“As igrejas da Ásia vos saúdam. No Senhor, muito vos saúdam Áquila e Priscila e, bem assim, a igreja que está na casa deles.” (1Co 16.19)

“Saudai Priscila e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus,…. saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles.” (Rm 16.3, 5a)

Vale lembrar que o casal residiu (ou permaneceu algum tempo) em várias cidades: Roma, Corinto, Éfeso, Roma e, depois, em local ignorado (talvez Éfeso). Quando Paulo escreveu a Primeira Epístola aos Coríntios, em 57 dC, ele estava em Éfeso, onde Áquila e Priscila residiam.  Fica evidente na saudação de 1Coríntios 16.19 que o casal acolhia em sua casa a igreja de Cristo. Quando Paulo escreveu a Epístola aos Romanos, em 57-58 dC, ele estava em Corinto, sendo que Áquila e Priscila residiam em Roma, onde também se reunia uma igreja na casa deles. Entretanto, há estudiosos que consideram o capítulo 16 de Romanos como um apêndice de uma outra epístola escrita para Éfeso. Neste caso, o casal não estaria em Roma, mas permanecia em Éfeso.

Naquela ocasião era muito comum as igrejas locais estarem sediadas em casas e não em templos, como se vê hoje. Isso demonstra desprendimento e compromisso total do casal com o reino; com o Deus da obra e com a obra de Deus.  Colocar a nossa vida, nossa casa e nossos bens a serviço de Deus é o grande desafio do cristão. Tem tudo a ver com o renunciar qualquer coisa por amor a Cristo.

7. Um casal de espírito aberto (Rm 16.3-4)

“Saudai Priscila e Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus, os quais pela minha vida arriscaram a sua própria cabeça; e isto lhes agradeço, não somente eu, mas também todas as igrejas dos gentios;” (Rm 16.3-4)

a) Espírito aberto a cooperar.

Cooperação é uma ação conjunta para uma finalidade ou objetivo em comum. Fica evidente naquilo que se diz a respeito deles, o quanto viviam em sintonia e cooperação, um com o outro, o casal com o apóstolo Paulo e demais irmãos, e todos os crentes com Deus, pois fomos chamados de “cooperadores de Deus” (1Co 3.9). A igreja é chamada de “corpo de Cristo” e individualmente, membros desse corpo (1Co 12.27), para agirmos da forma como acontece no corpo humano, onde cada membro ou parte do corpo, com sua função específica, contribui para o funcionamento do todo (Ef 4.15-16). Áquila e Priscila entenderam bem essa questão e fizeram parte do rol dos cooperadores de Paulo.

b) Espírito aberto a se sacrificar.

Naquela época ser cristão era correr o risco de ser perseguido e de perder a vida. O casal Priscila e Áquila deixaram um testemunho para nós e para a história da igreja que foi muito além do risco pessoal. Tal era o comprometimento deles com Deus e com a igreja de Cristo que eles arriscaram suas vidas pelo apóstolo Paulo, gerando gratidão no coração de Paulo e em todas as igrejas que amavam, zelavam e oravam pela vida e integridade física do apóstolo dos gentios. Não sabemos exatamente como isso aconteceu.

Servir e cooperar na obra de Deus é muito bom; entretanto ser encontrado digno de sofrer ou morrer por amor a Cristo (não por ser uma pessoa inconveniente ou insuportável) e em defesa do Evangelho é galgar um nível mais elevado (At 5.41).

Conclusão:

“Saúda Prisca, e Áquila, e a casa de Onesíforo.” (2Tm 4.19)

Esta última menção de Paulo ao casal de amigos, se deu dez anos depois (67 dC). Paulo, prisioneiro em Roma (2Tm 1.8, 17) como resultado da perseguição de Nero aos cristãos, estava próximo da sua execução e morte (2Tm 4.6) quando escreveu a segunda Epístola ao seu filho na fé Timóteo. Mesmo naquelas circunstâncias ele não deixou de enviar suas saudações a Áquila e Priscila (ou Prisca), por intermédio de Timóteo. Pessoas da estatura desse casal jamais são esquecidas e ficam como exemplo a ser seguido.

Se quiséssemos encontrar frases para sintetizar o que foi esse casal na história da igreja, diríamos assim:

– Juntos, em Cristo e por Cristo.

– Trabalho e cooperação, sem murmuração.

– Conhecimento e prática a serviço da igreja de Cristo.

– Instrumentos escolhidos e capacitados por Deus para dar apoio à sua obra.

– Coragem para enfrentar sofrimento e perseguição.

– Desprendimento e disposição para ir ou para ficar, segundo a vontade de Deus.

– Resiliência e adaptação às situações da vida.

– Vida e bens à disposição do Senhor.

– Cristãos relevantes e dedicados à expansão e fortalecimento do Reino de Deus.

Finalmente, não podemos deixar de ressaltar que, ao contrário de muitos cristãos ou obreiros de hoje, que são movidos por cargos ou gratificações financeiras, não se menciona que Áquila e Priscila tivessem algum cargo eclesiástico ou recebessem alguma remuneração. Simplesmente se contentavam com o privilégio de serem servos de Deus. Estavam mais preocupados em fazer do que em serem elevados, engrandecidos; em dar, do que em receber. Que isto nos sirva de exemplo e motivação!

Bibliografia:

  1. Bíblia Sagrada (SBB – Versão Revista e Atualizada).
  2. Bíblia Online – SBB.
  3. Reese, Edward; Klassen, Frank – A Bíblia em ordem cronológica.
  4. Champlin, Russell Norman, Ph.D. – O Novo Testamento Interpretado, versículo por versículo – Melenium.
  5. Pfeiffer, Charles F. ; Harrison, Everett F. – Os Evangelhos e Atos – Comentário Bíblico Moody.
  6. Dicionário de Nomes Próprios (Internet).
  7. Wikipédia (Internet).

[1] Dicionário de Nomes Próprios (Internet).

[2] Claudio: Tibério Cláudio César Augusto Germânico (em latim Tiberius Claudius Caesar Augustus Germanicus), o quarto imperador romano, sucessor de Calígula e antecessor de Nero. (Wikipédia)

%d blogueiros gostam disto: