Arquivo

Posts Tagged ‘luz do mundo’

Cristão – SAL e LUZ do mundo

“Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.” (Mt 5.13)

“Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e alumia a todos os que se encontram na casa. Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.” (Mt 5.14-16)

Introdução

Cada novo ano do calendário se apresenta para nós como um reinício ou recomeço, como uma nova oportunidade de fazer diferente, de fazer melhor, de construir e escrever uma nova história de vida. Sem dúvida é o desafio de se reinventar para semear algo diferente e assim também colher algo diferente. Não dá pra semear sempre o mesmo e achar que a colheita será diferente.

Os tempos nos quais estamos vivendo são cada vez mais complexos e desafiadores. Há uma onda varrendo as nações com raízes cristãs deixando um rastro de pós-cristianismo. Há muitos cristãos ingênuos, distraídos e entretidos com os brinquedinhos e recursos tecnológicos ou com os prazeres deste mundo,  que não estão se apercebendo das estratégias e do avanço das forças malignas e sutis em todo o planeta. Acreditam nas narrativas mentirosas e ilusórias da extrema mídia televisiva e impressa que apoiam e divulgam pautas progressistas e anticristãs. Estão acomodados, inertes e sem perceber que se desenha, dia após dia, um cenário próximo de perseguição e destruição da igreja de Jesus Cristo. Jesus vem a nós, mais uma vez, para mostrar qual é a nossa missão neste mundo, para despertar nossas consciências para a razão de existirmos.

1. Sal e Luz, na Bíblia

Se a primeira parte do Sermão do Monte trata do “caráter do cristão”, a segunda, contida em Mateus 5.13-16, diz respeito à “influência do cristão” no mundo. Para explicar essa influência são usados como metáforas o sal e a luz. De que adianta ter um ótimo remédio em casa e recusar-se a usá-lo. De que adianta ter um carro excepcional e nunca tirá-lo da garagem? De que adianta conhecer a Bíblia de capa a capa e não praticá-la? De que adianta alguém se dizer crente e não influenciar o ambiente em que vive com os valores e princípios cristãos?

A palavra SAL aparece em 26 versículos da Bíblia. O sal deveria ser aplicado a todas as ofertas de manjares (Lv 2.13). O incenso sagrado, puro e exclusivo, utilizado no Altar de Incenso do Tabernáculo deveria ser “temperado com sal, puro e santo”, como pura e santa deve ser a oração do povo de Deus (Êx 30.35). Deus fez “alianças de sal” com os sacerdotes levitas (Nm 18.19) e com Davi (2Cr 13.5) que tinham o sentido de PERMANÊNCIA e INCORRUPÇÃO. O sal era usado como produto de limpeza e desinfecção no recém-nascido (Ez 16.4).

A palavra LUZ aparece em 308 versículos da Bíblia. A luz é tão preciosa que foi o primeiro elemento a ser criado por Deus (Gn 1.3). É tão indispensável à vida que se confunde com o próprio Deus, que é a essência da luz – “Deus é luz” (1Jo 1.5), o Pai das Luzes (Tg 1.17). O povo de Israel deveria ser luz para os gentios. Davi foi chamado de “lâmpada de Israel” (2Sm 21.17); e os seus descendentes também (1Rs 11.36; Sl 132.17). Jesus é a “Luz do Mundo” (Jo 8.12; 9.5). Nós cristãos também somos luz, porque somos filhos da luz (Lc 16.8; Jo 12.36; Ef 5.8; 1Ts 5.5), somos luzes secundárias pois refletimos a luz verdadeira; somos “luzeiros no mundo” (Fp 2.15).

2. O significado e alcance dessas figuras

Por que Jesus usou as figuras do sal (elemento tangível) e da luz (elemento intangível) para se referir aos cristãos?

1. Assim como o sal e a luz são elementos conhecidos e utilizados no mundo inteiro, a influência do cristão deve se espalhar pelo mundo inteiro. Não deve ficar restrita a apenas um grupo ou um povo.

Trata-se, portanto, da universalidade do testemunho do Evangelho: “Ide por todo o mundo…” (Mc 16.15)

2. Assim como o sal e a luz são elementos comuns e indispensáveis a cada casa, é igualmente indispensável que a influência do cristão chegue a cada casa, a cada pessoa.

Trata-se da individualidade do alcance do testemunho do Evangelho: “…e pregai o evangelho a toda a criatura” (Mc 16.15)

3. Assim como o sal e a luz são elementos distintos daqueles onde são aplicados, a igreja e o mundo são comunidades distintas e separadas.

Trata-se da separação efetiva entre os filhos da luz e os filhos das trevas. “Eles não são do mundo, como também eu não sou.” (Jo 17.16)

4. Assim como o sal e a luz são elementos ativos e não passivos, com o poder de afetar outros, ainda que em pequena dose e não de serem afetados, a igreja recebeu poder para influenciar o mundo e não para ser influenciada por este, ainda que os cristãos estejam em minoria.

Trata-se da relação de poder de transformação da igreja sobre o mundo: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego;” (Rm 1.16)

5. Assim como o sal e a luz são elementos que só produzem efeito quando interagem diretamente, a igreja precisa estar presente no mundo para influenciar o mundo.

Trata-se da necessidade de interação direta da igreja com o mundo: “Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal.” (Jo 17.15)

6. Assim como o sal é usado para conservar a carne morta e dar sabor aos alimentos, a Igreja tem o papel de interromper, ou pelo menos retardar o processo de corrupção social contrabalançando, com seu modo de viver, as ações de um mundo morto em seus delitos e pecados, dando assim novo sabor a vida.

Trata-se do efeito produzido pela presença da igreja no mundo, isto é, de conservar e de condimentar. “Comer-se-á sem sal o que é insípido?” (Jó 6.6a).

7. Assim como a luz é usada para desfazer as trevas, permitindo ao homem ver o caminho a seguir, as boas obras dos filhos de Deus devem brilhar tão intensamente de modo que os que jazem nas trevas encontrem o caminho da salvação e, caminhando por ele, glorifiquem a Deus.

Trata-se do efeito produzido pela presença da igreja no mundo, isto é, de revelar o caminho para Deus. “Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo.” (2Co 4.6)

É provável que Jesus, ao associar os discípulos com o sal, não estivesse pensando em todas as propriedades do sal. Talvez sua intenção fosse chamar a atenção deles para o fato do sal ser útil apenas quando mantém suas condições de pureza. O cloreto de sódio (NaCl), sal, não se deteriora, entretanto, uma vez adulterado, isto é, misturado com elementos impuros e estranhos, pode perder suas propriedades. Assim como o sal insípido, adulterado, não tem qualquer utilidade, um cristão sem caráter, sem o poder divino, para nada mais serve. Pelo contrário, estragará tudo aquilo com que mantiver contato. Sal insípido não serve nem para adubar a terra. Só serve para torná-la estéril, transformando-a em caminho a ser pisado pelos homens (Dt 29.23).

Por outro lado, não se acende uma lâmpada para escondê-la debaixo de um cesto. Não fomos salvos para ter o nosso testemunho abafado pelos afazeres deste mundo ou qualquer outra coisa que nos torne infrutíferos.

Conta-se que uma criança recebeu de presente de sua mãe um brinquedo que deveria brilhar na escuridão. Ansiosamente ela aguardou o anoitecer para poder ver seu brinquedo em funcionamento. Logo que isso aconteceu, ela correu para o quarto, sentou-se na cama e desligou a luz ambiente para que o brinquedo pudesse irradiar sua luz. Foi grande sua decepção ao ver que a luz vinda dele era muito fraca, quase imperceptível. Triste com a descoberta, ela falou a respeito com sua mãe. Esta pegou o manual de instruções e lá encontrou escrito: “Se você quiser que eu brilhe intensamente no escuro, exponha-me, primeiro, durante algum tempo, à luz”. Quem quer brilhar intensamente nas trevas deste mundo precisará primeiro se expor intensamente à luz de Deus, à luz de uma comunhão íntima com ele através da sua palavra e da oração!

Conclusão

Assim como o sal age internamente e a luz, externamente, o nosso caráter (sal) e as nossas obras (luz) devem influenciar o mundo, conservando a sociedade em que vivemos, dando-lhe sabor e revelando-lhe o caminho da salvação por meio de Cristo Jesus.

Cada cristão precisa ser como o sal que Elizeu aplicou às fontes de águas más que levavam esterilidade e morte à terra de Jericó, figura do mundo pecador, transformando-as, através da intervenção milagrosa do Espírito Santo de Deus, em fontes de águas vivas (2Rs 2.19-22). O resultado é bem mais abrangente e eficaz quando se age nas fontes geradoras do mal!

%d blogueiros gostam disto: