Filipe e o eunuco etíope (Atos 8.26-40)

Introdução

Depois de seu ministério na cidade de Samaria, Filipe seguiu para a estrada de Jerusalém a Gaza, a fim de conduzir aos pés de Cristo o eunuco etíope. De conformidade com certa tradição, esse foi o começo da missão cristã no continente africano, pois esse homem eunuco, sendo um oficial político, tornou-se missionário cristão entre o seu povo.

Estamos diante de uma narrativa bíblica repleta de elementos ou aspectos surpreendentes, misteriosos e edificantes, que, por vezes, podem passar despercebidos numa leitura ligeira e superficial. Numa macro visão do texto, podemos dizer que há aqui, dentre outros, os seguintes elementos: (i)Intervenções sobrenaturais; (ii)Coisas incompreensíveis e misteriosas; (iii)“Pessoas improváveis”; (iv)Circunstâncias facilitadoras e inexplicáveis; (v)Atitudes determinantes.

Essa narrativa bíblica pode ser resumida nos seguintes quadros:

26  Um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Dispõe-te e vai para o lado do Sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza; este se acha deserto. Ele se levantou e foi.

|#1| Um anjo fala diretamente a Filipe, o comissionando para uma missão (At 8.26). Mais adiante, durante a realização da missão, o Espírito Santo o assiste, falando-lhe diretamente e o orientando quanto ao que deveria fazer (At 8.29). É a intervenção sobrenatural iniciando e conduzindo todo o processo, toda a missão!

|#2| Surpreendentemente, Filipe é remanejado de uma grande e exitosa campanha evangelística, em Samaria (At 8.5-8), para uma estrada deserta, sem mais detalhes ou explicações por parte do anjo (At 8.26).  No chamado divino não é raro ter que lidar com coisas incompreensíveis e misteriosas à mente e à lógica humanas. É simples assim! O que importa é obedecer!

|#3| Filipe, um diácono, é chamado e usado poderosamente por Deus, para missões evangelísticas em outras terras (Judeia e Samaria), enquanto os apóstolos, permaneceram em Jerusalém, naquele momento de perseguição aos cristãos (At 8.1). Filipe é um caso de “pessoa improvável” aos olhos humanos para a realização de missões tão relevantes. É assim mesmo que funciona o sacerdócio universal dos crentes em Cristo; dos regenerados, capacitados e enviados pelo Espírito Santo para realizar a obra de Deus aqui na terra!

|#4| O chamado divino é para ser cumprido no tempo de Deus, que detém o conhecimento e o domínio sobre todas as coisas. Moisés, quando chamado, argumentou e relutou com Deus, porém acabou obedecendo. Filipe não perdeu tempo, demonstrou obediência imediata: “Ele se levantou e foi.” (At 8.26b). São atitudes determinantes, como esta, que fazem toda a diferença, que constroem a história.

27  Eis que um etíope, eunuco, alto oficial de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todo o seu tesouro, que viera adorar em Jerusalém,

28  estava de volta e, assentado no seu carro, vinha lendo o profeta Isaías.

|#5| Um etíope, eunuco (um homem castrado – ver os 3 tipos de eunucos em Mateus 19.12), alto oficial, superintendente do tesouro da sua rainha, sendo um prosélito do judaísmo, foi adorar em Jerusalém (At 8.27).  Esse segundo e importante personagem, é a outra “pessoa improvável” desta narrativa bíblica. Certamente ele era uma pessoa importante na sua terra, porém, sendo um gentio, deve ter passado despercebido na sua passagem por Jerusalém. Entretanto, Deus o viu, bem como aos anseios do seu coração e providenciou um encontro de Filipe com ele, para anunciar-lhe a salvação em Jesus. Porque não basta a religiosidade, a boa intenção do coração, o interesse espiritual, a piedade e as boas obras, e o testemunho de vida do outro: “E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” (Rm 10.17).

29  Então, disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro e acompanha-o.

|#6| Este etíope anônimo, sendo um estrangeiro, estava viajando de volta à sua terra; e, no seu carro, ia lendo, em voz alta, as Escrituras do profeta Isaías (At 8.28). Seu interesse religioso era tal que tudo leva a crer que conseguiu adquirir uma cópia deste pergaminho. É curiosa a forma com que Filipe se aproximou do eunuco que, correndo ao lado do seu carro, o ouvia ler, sem ser impedido pelos seus prováveis seguranças. Portanto, são várias as evidências aqui de circunstâncias facilitadoras e inexplicáveis. Ele buscava o Deus de Israel, para saciar sua sede espiritual, mas acabou tendo um encontro com Cristo, o Messias prometido.

30  Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: Compreendes o que vens lendo?

31  Ele respondeu: Como poderei entender, se alguém não me explicar? E convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele.

|#7| Vale destacar a determinação de Filipe, de se aproximar do eunuco. E, vale assinalar sua ousadia, não só de se aproximar daquele viajante estrangeiro e desconhecido, mas de adentrar no seu espaço e privacidade, e lhe dirigir a palavra (At 8.31). Atitudes determinantes e propositivas como esta podem gerar resultados tão positivos que compensam o destemor.

|#8| É notória a cordialidade e interesse do eunuco, explicitada ao responder à pergunta de Filipe e acolher, no seu carro, aquele também desconhecido que lhe apareceu do nada (At 8.31). É mais uma atitude para se colocar na conta das atitudes determinantes desta narrativa.

32  Ora, a passagem da Escritura que estava lendo era esta: Foi levado como ovelha ao matadouro; e, como um cordeiro mudo perante o seu tosquiador, assim ele não abriu a boca.

33  Na sua humilhação, lhe negaram justiça; quem lhe poderá descrever a geração? Porque da terra a sua vida é tirada.

34  Então, o eunuco disse a Filipe: Peço-te que me expliques a quem se refere o profeta. Fala de si mesmo ou de algum outro?

35  Então, Filipe explicou; e, começando por esta passagem da Escritura, anunciou-lhe a Jesus.

|#9| Quando Deus está no comando de todas as coisas, nada pode ser colocado na conta do acaso, pois, para Deus, não há acasos. A leitura que o eunuco fazia, em Isaías 53, foi mais do que providencial, propiciando que a conversa fosse iniciada ali e remetida a Jesus, aquele que havia sido profetizado, fora morto e ressuscitado para a redenção e justificação de todo aquele que crê (At 8.32-35). É mais uma daquelas circunstâncias facilitadoras e inexplicáveis que mostram a ação de Deus em parceria com a ação humana, através dos seus instrumentos e mensageiros.

36  Seguindo eles caminho fora, chegando a certo lugar onde havia água, disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que seja eu batizado?

|#10| O eunuco demonstra ter entendido e recebido a mensagem do evangelho e, resoluto, logo expressa seu desejo de completar o processo, sendo batizado (At 8.36). Não havia tempo a perder! A oportunidade era ali e naquela hora. Era mais uma atitude determinante de sua parte.

37  Filipe respondeu: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.

38  Então, mandou parar o carro, ambos desceram à água, e Filipe batizou o eunuco.

|#11| O texto não relata, mas certamente Filipe deve ter ficado positivamente impactado com o repentino questionamento do eunuco: “Eis aqui água; que impede que seja eu batizado?” (At 8.36). Sua atitude determinante foi a de deixar bem claro a condição para se receber o batismo com água: “É lícito, se crês de todo o coração” (At 8.37a). Isso porque o batismo é um símbolo externo, da fé interna.

|#12| Temos, na sequência, o ápice desta narrativa, quando o eunuco espontaneamente faz sua profissão de fé: “E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus” (At 8.37b). Ele manda o carro parar e Filipe, o diácono, o batiza (At 8.38). Com a alternância dessas atitudes determinantes, de Filipe e do eunuco, temos o desfecho de tão abençoado e bem-sucedido encontro.

39  Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, não o vendo mais o eunuco; e este foi seguindo o seu caminho, cheio de júbilo.

|#13| O texto, que começou com intervenções sobrenaturais, nos dá a entender que se encerra da mesma forma, quando menciona o arrebatamento de Filipe pelo Espírito Santo (At 8.39).

|#14| O eunuco, não vendo mais a Filipe, seguiu o seu caminho, cheio de júbilo no coração (At 8.39). Desta forma, uma “pessoa improvável”  se tornou um cristão, após ser alcançado pelo poder do evangelho. Provavelmente se tornou o primeiro ou um dos primeiros missionários cristãos no continente africano.

40  Mas Filipe veio a achar-se em Azoto; e, passando além, evangelizava todas as cidades até chegar a Cesaréia.

|#15| Cumprida aquela missão, imediatamente Filipe, aquela “pessoa improvável”, foi remanejado para cidades próximas, onde retomou aquelas campanhas evangelísticas (At 8.40).

Resumindo: Em Filipe temos o exemplo do verdadeiro evangelista:

– É obediente ao mandato divino (At 8.26)

– É guiado pelo Espírito Santo (At 8.29, 39)

– Faz contato (At 8.30)

– Inicia a mensagem conforme a situação do ouvinte (At 8.35)

– Obtém a confissão antes de batizar (At 8.37).

– Não tem preconceitos e atende ao anseio do coração (At 8.36-39).

…………………..

Reflexão complementar:

Já que estamos tratando de evangelização, vale lembrar os sete princípios de ação sugeridos por Gavin Levi Aitken, extraídos do encontro de Jesus com a mulher samaritana, no Evangelho de João, capítulo 4 .

1º) Entrar em contato com as pessoas (aspecto social).

2º) Estabelecer um interesse comum (ponte).

3º) Despertar o interesse, quebrando barreiras (social, racial, religiosa etc.).

4º) Não dar tudo de uma só vez.

5º) Não condenar.

6º) Não desviar do assunto.

7º) Confrontar a pessoa diretamente, levando-a a uma definição.

%d blogueiros gostam disto: