Arquivo

Posts Tagged ‘posse de armas’

Um governante perseguido

UM GOVERNANTE PERSEGUIDO

Um título mais hollywoodiano seria – Perseguição implacável

Introdução

Acompanhe, a seguir, as características de um governante e sua história de vida. Aguce sua percepção, refreie sua curiosidade e ansiedade para descobrir de quem estamos falando. Pense nas lições que podemos extrair desse texto.

Para sermos mais didáticos, vamos dividir a narrativa em capítulos.

Capítulo 1

Não, no início ele não era famoso, não era alguém de nobre nascimento, não era e não tinha a intenção de ser um intelectual influente, um filósofo ou alguém rebuscado e erudito no falar. Pode-se dizer que se trata de um homem simples, muito identificado com o seu povo, um patriota. Alguém que exercia sua função, no lugar onde fora posto, com muita dedicação. Um servidor fiel e confiável que tão somente desejava cumprir suas obrigações da melhor forma possível. Sua honestidade e sua reputação ilibada o mantinha naquela função.

Num certo dia as coisas começaram a tomar um novo rumo em sua vida. Tomando conhecimento e avaliando mais profundamente o estado de grande miséria em que sua pátria amada se encontrava ficou consternado, abalado e triste com tal situação. Ele tinha plena consciência das causas que levaram sua nação a este estado deplorável. O seu espírito se agitou e o inquietou pois percebia o quanto era difícil para qualquer ser humano reverter essa situação. Na sua angústia e inconformismo lembrou-se de que existe um Deus que está acima de tudo e de todos. Somente este Deus Criador e Sustentador poderia perdoar todas as transgressões do seu povo, todas práticas horrendas daqueles que haviam governado sua nação, todo o abandono das leis divinas, bem como princípios e valores.

Capítulo 2

Sua vida não seria mais a mesma, seu semblante mudou, sua inquietação interior não podia mais ser contida. Então, ele começou a compartilhar os seus sentimentos com os mais próximos a ele e se propôs a fazer algo para reverter aquele quadro desesperador e sombrio. Estava disposto, como qualquer bom soldado o faria, a lutar e até morrer pela causa maior de restaurar sua nação, de tirar o seu povo daquele estado de desprezo e abandono e devolver-lhe a dignidade e honradez.

A caminhada em direção à essa grande obra de reconstrução nacional estava começando. Ele não tinha muitos recursos próprios para levar a cabo tal empreendimento, mas esperava contar com a ajuda dos seus apoiadores e, sobretudo, com a boa mão de Deus. Ele cumpriu todas as formalidades legais e assumiu o governo da sua pátria amada. É claro que os seus inimigos e os inimigos da pátria ficaram tremendamente irritados com essa sua determinação de fazer o bem, de verdade, ao seu povo, bem como de promover a ordem e o progresso da sua pátria amada. Então, os seus inimigos maquinaram: – Como não foi possível evitar que ele assumisse o governo, vamos fazer tudo para impedi-lo de governar.

Antes de tomar posse ele trouxe para perto de si algumas poucas pessoas que começaram a analisar juntamente com ele a profundidade e a precariedade da situação, e a planejar os próximos passos.

No seu discurso de posse ele falou a todos deste estado de miséria nacional  e de como se sentia um escolhido de Deus e por ele investido dessa árdua missão de restaurar a nação. Assim, ele convocou a cada um compatriota a se unir a ele nesse propósito.

Os inimigos do bem da pátria zombaram de tudo isso e o desprezaram do mais profundo das suas almas. Não encontrando motivo para acusá-lo, vendo sua coragem e determinação em cumprir aquela missão, procuraram colar nele a imagem de rebelde à Ordem Superior, de autoritário ou fascista. Sua resposta aos inimigos era no sentido de mostrar-lhes que Deus estava nessa obra, a obra seria feita e que eles não teriam parte nela.

Capítulo 3

O trabalho de reconstrução nacional não se faz com apenas uma pessoa, um governante e seus auxiliares próximos. É obra para ser feita com a colaboração de todos, de toda a nação, pois é de interesse de todos. Se a nação for bem, todos serão beneficiados. Daí a convocação geral do nosso governante até agora oculto.

E o povo se engajou na obra, cada um no seu lugar. Os líderes religiosos colocaram as mãos na obra. Os grandes e pequenos empresários, os profissionais liberais e os autônomos, a classe trabalhadora, os ricos e os pobres, enfim, todos se uniram ao seu governante e fizeram a sua parte na obra. E a obra estava se desenvolvendo muito bem.

Capítulo 4

Tendo a obra progredido, como era de se esperar, despertou a ira e indignação dos inimigos do bem da pátria amada. E zombaram dos apoiadores do governante e duvidaram da solidez do trabalho que era realizado por eles, para desanimá-los e desmotivá-los, mas não lograram êxito.

Percebendo que a reconstrução nacional caminhava bem, que o establishment (a ordem ideológica, econômica, política e legal que constitui uma sociedade ou um Estado)  até então predominante estava sendo substituído por outro contrário aos seus interesses; que a nação estava fortalecendo as suas fronteiras; os inimigos do bem da pátria amada ficaram ainda mais irados e resolveram unir todas as forças de oposição ao governo e, de comum  acordo, ataca-lo e criar confusão ali.

Diante de cada nova ameaça dos inimigos, o governante não se abatia e não deixava de confiar em Deus e se preparava para o combate. Ele era a favor do armamento e fortalecimento das famílias, como forma de defesa ao ataque inimigo. Naquele cenário ele defendia não só a posse como também o porte de arma. Assim incentivou todo o povo a se armar e a lutar, cada um por sua família e a ajudar o seu vizinho se este fosse atacado. As pessoas de bem entendiam claramente que isso não era um discurso de ódio, mas apenas uma forma de prevenção e defesa ao ataque do inimigo.

Capítulo 5

Os desafios dessa reconstrução nacional eram muitos. O clamor do povo por causa dos altos impostos chegou aos ouvidos daquele governante que logo ficou sensibilizado. Ele próprio vivia uma vida simples e austera, o que lhe conferia autoridade para lutar contra toda a sorte de exploração do povo, principalmente por parte de algumas classes do próprio povo, como os magistrados. Ele tinha a coragem de enfrentar e repreender verbalmente essa classe de aproveitadores do Estado e as pessoas de bem também não viam nisso um discurso de ódio. E ele lembrava a todos que os governantes que vieram antes dele oprimiam e exploravam o povo, mas ele estava fazendo diferente, por temor a Deus e por respeito aos seus princípios.

Capítulo 6

Não foram poucos os planos arquitetados, pelos inimigos da pátria amada, contra aquele governante. Quanto mais a obra progredia, mas investidas aconteciam. Eles o chamaram várias vezes para conversar, quem sabe para negociar o “toma lá, dá cá”, mas ele se recusava a ir.

Tentaram de tudo para denegrir sua imagem de homem honesto e patriota, procurando tirá-lo do foco na missão, mas não obtiveram êxito. Armaram uma cilada para que ele transgredisse preceitos religiosos, à guisa de proteção da sua vida, mas não lograram êxito, porque a mão de Deus estava com ele. Os inimigos da pátria amada tinham contatos infiltrados e próximos ao governo, mesmo assim não tiveram sucesso.   

Capítulo 7

Por fim, terminada a parte inicial da missão, este governante, no exercício pleno da sua competência, nomeou pessoas muito próximas a ele, do seu relacionamento direto, de sua total confiança, para cuidarem da área de segurança pública. O povo não questionou e os magistrados não interferiram pois essa era e é uma prática comum em todos os tempos e nas nações.

E, assim, aquele governante partiu para a realização de novas etapas da missão, amparado pelo povo e com Deus acima de tudo e todos.

Conclusão:

Quais lições podemos extrair desta narrativa?

1. Deus está no controle e governo da história e quer o melhor para as suas criaturas.

2. A ruína de uma nação é consequência de governantes perversos e de povo depravado.

3. O bem-estar de uma nação depende de governantes e povo unidos em prol do bem comum, sob a bênção de Deus.

4. Sempre haverá opositores, mas estes nunca prevalecerão ou frustrarão os propósitos soberanos de Deus.

5. Se opor a um governante instituído pela vontade ativa ou permissiva de Deus pode significar uma oposição ao próprio Deus.

6. O que realmente importa não é gostar ou deixar de gostar de um governante, mas estar alinhado e apoiando tudo aquilo que o seu governo estiver realizando para o bem comum e que não contrarie a vontade de Deus expressa nas Sagradas Escrituras (Bíblia), bem como se manifestando de forma equilibrada e respeitosa quando do contrário.

7. É bom nunca perder de vista o que  Jesus Cristo disse, que uma casa dividida contra si mesma não subsistirá (Mt 12.25).


Nosso desafio:

Por fim, eu pergunto: descobriu qual o personagem de que trata a narrativa acima? Escreva o nome dele no campo de comentários. Daqui a 7 dias eu libero os comentários e revelo o nome dele.

………………………………………

Resposta ao desafio:

O nome do governante neste artigo é NEEMIAS. No primeiro versículo, o livro de NEEMIAS já revela o nome do seu autor: “As palavras de Neemias, filho de Hacalias. No mês de quisleu, no ano vigésimo, estando eu na cidadela de Susã,” (Ne 1.1). O nome Neemias significa “Yahweh ou Javé consola”. Neemias era um judeu que teria nascido no exílio no ano de 475 aC. Tinha, portanto, aproximadamente 30 anos de idade quando foi nomeado governador de Judá (Ne 5.14; 8.9), exercendo até aquele momento a função de copeiro do rei Artaxerxes I (Ne 1.11). O copeiro-mor ou copeiro-chefe era o principal dos copeiros (Gn 40.9). É provável que Neemias fosse um copeiro-chefe. Sua função era comprovar que a bebida do rei não estava envenenada. Esta função de extrema confiança lhe oferecia a oportunidade de convívio direto com o rei e, dentre outros privilégios, o de ser mais um dentre os seus conselheiros. Neemias pode ser visto neste livro como um homem simples, humano, de caráter, temente a Deus e de oração, determinado, persistente, patriota, corajoso, empreendedor, de visão, hábil nas relações interpessoais, hábil na solução de problemas, agregador, articulado, hábil no quesito “fazer fazer”, disposto a realizar a vontade de Deus (Ne 2.12; 7.5).

Cada capítulo deste artigo corresponde a uma síntese do respectivo capítulo do Livro de NEEMIAS.

Qualquer semelhança desta descrição com a de outro governante é mera coincidência….ou será que não!?….

No link a seguir você poderá encontrar um comentário bíblico objetivo sobre o Livro de Neemias.

https://pauloraposocorreia.com.br/category/e-comentarios/neemias/

%d blogueiros gostam disto: