Inicial > Artigos, Liderança > Liderança Populista e Liderança Cristã

Liderança Populista e Liderança Cristã

Não são muitas as pessoas que têm sensibilidade suficiente para perceber a existência de um estilo de liderança populista. Porém, certamente todos sofrerão as consequências desastrosas de tal estilo, mesmo que não entendam a causa. Naturalmente que a questão não se limita apenas a “estilos”, mas às implicações ou consequências da prática de um ou outro tipo de estilo. A referência e desafio que se coloca aqui é que os líderes exerçam uma liderança cristã, e não populista. Nos referimos a líderes cristãos, de um modo geral, mas, principalmente, a pastores, missionários e oficiais de igreja (presbíteros e diáconos). Quando alguns desses líderes concorrem em eleições democráticas a cargos e ofícios, a questão se torna mais séria. Isto porque muitos serão tentados a adotarem um estilo populista para obterem votos suficientes para serem eleitos ou reeleitos. Certamente, quem sairá perdendo é a instituição, particularmente aqui, a igreja.

Este artigo tem o propósito de despertar a atenção e o interesse dos cristãos sobre o assunto, de modo a não permitirem prosperar, no meio da igreja de Cristo, esse tipo reprovável de liderança populista. A igreja deve caminhar firme, centrada em Cristo, e não em líderes populistas. Toda a honra e glória sejam dadas a Deus e não a homens ou mulheres que estejam na liderança.

Na tabela abaixo é apresentado um quadro comparativo entre os dois estilos de liderança, acrescentando-se alguma referência bíblica. Não há aqui a pretensão de se apresentar uma obra robusta e acabada sobre o assunto. Preferimos considerar este artigo como uma espécie de ensaio, onde os 30 itens mencionados podem ser reunidos em 4 grupos ou aspectos:
CT – Caráter/Temperamento;
CH – Comportamento/Hábito;
HC – Habilidade/Competência; e,
GP – Gestão de Pessoas.

ITEM

LÍDER POPULISTA

LÍDER CRISTÃO

REFERÊNCIA BÍBLICA
01 CT

Relativiza a moral e a ética.

Pratica e defende os princípios e valores cristãos.

“apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem.” (Tt 1.9)
02 CT

Omite verdades e deturpa os fatos para favorecer seu ponto de vista.

Tem compromisso com toda a verdade dos fatos.

“Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros.” (Ef 4.25)
03 CT

Vive dando desculpas para se livrar do trabalho.

Vive sobrecarregado de tarefas.

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão.” (1Co 15.58)
04 CT

O importante é “ser” e “ter”, ou, “aparentar ser” e “aparentar ter”.

O importante é ser a imagem de Cristo e se contentar com o que tem, sem se acomodar.

“De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes.” (1Tm 6.6-8)
05 CT

É melhor receber, do que dar.

É melhor dar, do que receber.

“Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é mister socorrer os necessitados e recordar as palavras do próprio Senhor Jesus: Mais bem-aventurado é dar que receber.” (At 20.35)
06 CT

Julga-se melhor do que os outros.

Pensa de si com moderação, reconhecendo que o seu crescimento é mais resultado da ação de Deus do que mérito pessoal.

“Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um.” (Rm 12.3)
07 CT

Julga saber mais do que os outros.

Tem consciência de que o que tem aprendido é fruto da sua intimidade com Deus e com a sua Palavra.

“Se alguém julga saber alguma coisa, com efeito, não aprendeu ainda como convém saber.” (1Co 8.2)
08 CH

Gosta de ser o centro das atenções.

Não se importa em fazer trabalho anônimo.

“não servindo à vista, como para agradar a homens, mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus;” (Ef 6.6)
09 CH

Gosta de ser paparicado e de paparicar pessoas de seu interesse.

Gosta de ver o bom resultado do seu trabalho ou do trabalho dos outros.

“Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado.” (Lc 14.11)
“A verdade é que nunca usamos de linguagem de bajulação, como sabeis, nem de intuitos gananciosos. Deus disto é testemunha.” (1Ts 2.5)
10 CH

Gosta de aproximar-se de quem está no poder.

Gosta de estar onde pode ser útil.

“Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias. Disse-lhe o Senhor numa visão: Ananias! Ao que respondeu: Eis-me aqui, Senhor!” (At 9.10)
11 CH

Investe para ocupar posições de destaque na instituição. Considera mais importante ocupar cargos do que trabalhar.

Coloca-se à disposição de Deus para servi-lo onde Deus o colocar. Considera mais importante trabalhar do que ocupar cargos.

“Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve.” (1Co 12.18)
“Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, e sim aquele a quem o Senhor louva.” (2Co 10.18)
12 CH

Acima de tudo, procura agradar as pessoas.

Acima de tudo, procura agradar a Deus.

“Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo.” (Gl 1.10)
13 CH

Gosta de passar a imagem de bonzinho, concedendo benécias com os recursos da instituição.

Faz o que é possível com os recursos da instituição e, quando necessário, acrescenta até os seus próprios recursos.

“Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado?” (2Co 12.15)
14 CH

Sente-se confortável do lado da maioria.

Sente-se em paz defendendo a verdade e a justiça, mesmo, quando necessário, contrariando a maioria.

“Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” (2Tm 1.7)
15 CH

Fala muito, faz pouco e critica quem faz.

Faz muito, fala o suficiente e incentiva quem faz.

“Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens, cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança. A Cristo, o Senhor, é que estais servindo;” Cl 3.23)
16 HC

É superficial e raso no conhecimento bíblico.

É fundamentado na Palavra de Deus.

“Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus.” (Mt 22.29)
17 HC

Fundamenta-se na sabedoria humana.

Fundamenta-se na sabedoria de Deus, sem desprezar a sabedoria humana.

“A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus.” (1Co 2.4-5)
18 HC

É extremamente relacional e politicamente articulado.

É mais focado em ajudar as pessoas e a melhorar as coisas.

“Porque Deus não é injusto para ficar esquecido do vosso trabalho e do amor que evidenciastes para com o seu nome, pois servistes e ainda servis aos santos.” (Hb 6.10)
19 GP

É liberal: em princípio pode tudo.

É sensato: pode o que é biblicamente certo e convém.

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm.” (1Co 6.12a)
20 GP

Seus planos e objetivos são mais importantes do que os de Deus.

O que importa é buscar e viver a vontade de Deus.

“porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.” (Fp 2.13)
21 GP

Defende os seus próprios interesses.

Defende os interesses da comunidade.

“assim como também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos.” (1Co 10.33)
22 GP

As normas engessam a instituição. Na verdade quer ficar livre para impor sua vontade, conforme as circunstâncias.

As normas são instrumentos balizadores e necessários para a boa ordem.

“Tudo, porém, seja feito com decência e ordem.” (1Co 14.40)
“porque estais inteirados de quantas instruções vos demos da parte do Senhor Jesus.” (1Ts 4.2)
23 GP

Despreza e combate qualquer forma de controle, pois quer ficar mais à vontade.

Investe no controle, até mesmo como uma forma de preservar a integridade da instituição.

“Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi:” (Tt 1.5)
24 GP

Valoriza apenas as áreas em que atua.

Valoriza todas as áreas, para o bem comum.

“A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso.” (1Co 12.7)
25 GP

Gosta de mostrar muitas realizações. Faz muita despesa e obriga a instituição a se virar para pagar. Na sua boca, governança austera é só discurso vazio.

Está interessado em realizar o que é necessário. Planeja as despesas de acordo com as verbas que lhe são destinadas pela instituição.

“Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir?” (Lc 14.28)
26 GP

Convive bem com o erro (seu e dos outros).

Procura corrigir o que está errado. Não ignora a má conduta, promovendo ações corretivas com o propósito pedagógico.

“Mas Paulo não achava justo levarem aquele que se afastara desde a Panfília, não os acompanhando no trabalho.” (At 15.38)
27 GP

Disciplinar é demonstrar falta de amor.

Disciplinar e corrigir é demonstrar amor.

“porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe.” (Hb 12.6)
“Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados, fruto de justiça.” (Hb 12.11)
28 GP

Esquiva-se de tomar ou apoiar medidas impopulares.

Tem coragem de tomar medidas amargas, se forem necessárias e para a preservação da instituição.

“prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina.” (2Tm 4.2)
29 GP

Gosta de tirar de quem tem para dar a quem não tem. É assistencialista.

Gosta de viabilizar formas de geração de meios e recursos para que cada um possa prover o seu sustento dignamente.

“Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça, enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus.” (2Co 9.10-11)
30 GP

O importante é a quantidade dos liderados ou seguidores.

O importante é a quantidade e a qualidade dos liderados ou seguidores.

“À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele.” (Jo 6.66)

Que Deus nos ajude a prestigiar e apoiar um estilo de liderança cristã!

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: