Arquivo

Posts Tagged ‘pandemia’

“Gripe Espanhola”, COVID-19 e a Igreja

Introdução:

Neste artigo faremos uma rápida passada de vista em alguns registros históricos da humanidade, inclusive da Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro, uma igreja mais do que sesquicentenária.

Coincidência ou não, depois de 102 anos da pandemia da “gripe espanhola” estamos vivenciando uma nova pandemia, a do COVID-19 (do inglês, Coronavirus Disease 2019)[1]. Não bastasse os estragos e baixas humanas e econômicas provocados pela 1ª Guerra Mundial (1914-1918) aquela pandemia também deixou suas marcas na história. O que os registros históricos nos contam a respeito daquela pandemia e que reflexões podemos fazer?

1) Registros da Gripe Espanhola

A Wikipédia assim introduz o assunto: “A gripe espanhola, também conhecida como gripe de 1918, foi uma pandemia do vírus influenza incomumente mortal. De janeiro de 1918 a dezembro de 1920, infectou 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época. Estima-se que o número de mortos esteja entre 17 milhões a 50 milhões, e possivelmente até 100 milhões, tornando-a uma das epidemias mais mortais da história da humanidade. A gripe espanhola foi a primeira de duas pandemias causadas pelo influenzavirus H1N1, sendo a segunda ocorrida em 2009.”

Em outra literatura[2] que trata especificamente da história e suas pandemias e da convivência do ser humano com os microorganismos encontramos algumas informações interessantes:

– O vírus da gripe tem causado várias epidemias na história da humanidade, porém com taxa de mortalidade baixa e com complicações como a pneumonia afetando mais crianças de baixa faixa etária e os idosos.

– Em 1918 surgiu um novo vírus da gripe com muito maior poder de invasão que se alastrou pelo mundo, causando uma mortalidade nunca vista, inclusive entre jovens. Sua disseminação foi facilitada por ter surgido no último ano da guerra, e aos militares combatentes, aglomerados e sempre se deslocando.

– Cerca de um quinto da população mundial foi acometida pela doença nos anos de1918 e 1919, com uma taxa de mortalidade ao redor de 0,5 a 1,2%, o que significou a morte de cerca de 22 milhões de pessoas. Em algumas regiões esse percentual chegou a 25% (Samoa).

– A primeira onda americana da epidemia de gripe ocorreu na primavera de 1918 (março). Alcançou a Europa no verão de 1918, atingindo em cheio a Espanha, o que contribuiu para que recebesse o nome de “gripe espanhola”.

– A segunda onda da gripe começou em agosto de 1918, tomando proporções importantes na Europa e nos cinco continentes, atingindo, também, muitos militares, com muitas baixas. A taxa de mortalidade pela doença atingiu o pico no mês de outubro de 1918.

– A economia mundial entrou em crise, com a falência de empresas em todos os continentes, sem contar a grave situação que vivia a Europa, recém saída da Primeira Grande Guerra.

– O autor declara (no ano de 2003) que se engana quem acha que essa epidemia espanhola é coisa do passado. Uma nova epidemia de gripe, tão mortal assim é uma ameaça constante. Existem instituições dedicadas ao monitoramento e controle permanente de doenças infecciosas no globo terrestre.

– O vírus causador da gripe espanhola, o influenza, é universal na natureza e apresenta taxas de mutação elevadas.

Finalmente, vejam só esse alerta feito em 2003, pelo autor: “O que existe é o risco da formação de um novo vírus influenza, com poder maior de infecção e de mortalidade”.

2) Registro histórico de algumas pandemias:

A partir da Gripe Espanhola (1918) podemos destacar as seguintes pandemias:

PERÍODOLOCALIZAÇÃOPANDEMIAVÍRUSNº de MORTES (*)
1918-1920MundialGripe EspanholaH1N117 a 50 milhões
1957-1960MundialGripe AsiáticaH2N22 milhões
1968-1969MundialGripe de Hong KongH3N21 milhão
1974ÍndiaVaríola 15.000
1981-PresenteMundialHIV/AIDS > 30 milhões
2009MundialGripe InfluenzaH1N1/0914.286
2013-2016ÁfricaEbolaEbola>> 11.300
2019-PresenteMundialNovo CoronavírusCovid-19> 300.000 (14/05/2020)
Fonte: Wikipédia / Internet (*) Valores Estimados

3) Registros da Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro (organizada em 1862):

“Em toda a história do Brasil até essa data, 1918, não se registrara uma epidemia tão forte e que tenha causado tantas mortes. Quase toda a Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro sofreu com a gripe espanhola, como foi conhecida a gripe pneumônica.

Não havia remédios, médicos e urnas funerárias suficientes. Foi uma catástrofe que assolou o Rio de Janeiro e o mundo.

O mau cheiro dos cadáveres obrigou muitas famílias a se retirarem de suas casas para lugares mais distantes.

As cenas eram deprimentes; carroças, inclusive de lixo, transportavam pelas ruas os corpos em estado de decomposição.

O escritor e médico Pedro da Silva Nava registrou, na época, o cotidiano da cidade nesse período:

‘Nenhuma de nossas calamidades chegara aos pés da moléstia reinante: o terrível não era o número de casualidades – mas não haver quem fabricasse caixões, quem os levasse ao cemitério, que abrisse covas e enterrasse os mortos. O espantoso já não era a quantidade de doentes, mas o fato de estarem quase todos doentes, a impossibilidade de ajudar, tratar, transportar comida, vender gêneros, aviar receitas, exercer, em suma, os misteres indispensáveis à vida coletiva’.

O Rev. Álvaro Reis, no seu relatório de 1918, registra o comportamento da sociedade carioca diante da pandemia. O charlatanismo, a estupidez e a idolatria dos cidadãos predominavam. Tudo em vão!”[3]

Registro de Membros:

ANOMEMBROS(*)ADMITIDOSFALECIDOS
191620816613
1917218510417
1918230512022
1919244213715
1920256212015
1921269413217
1922282813418
Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro

(*) Membros Maiores ou Comungantes (Total acumulado desde 12/01/1862 até em 31 de dezembro do ano em referência). Inclui todos os admitidos e demitidos desde a organização da Igreja.

Nas estatísticas anuais de membros da igreja observa-se no ano de 1918 uma elevação muito pouco significativa no número de membros falecidos.

4) Reflexões Finais:

a) A oportunidade de “cair na real”.

As crises nos oferecem a oportunidade de contemplar a realidade nua e crua da vida terrena. Apesar de poucos ou de muitos momentos prazerosos, o que está reservado ao ser humano, nesta vida, é o gemido e angústia.

“Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora. E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo.” (Rm 8.20-23)

b) A oportunidade de ver o imperceptível.

Nestes momentos de pandemia e quarentena, Deus nos tem dado a oportunidade de refletir um pouco mais sobre a realidade da vida terrena que é breve e frágil; de volver nossos olhos para a história humana e perceber quantas aflições as gerações passadas sofreram. Não somos melhores do que eles. O fato é que as pandemias vêm sobre todos, sem pedir licença e sem se importar com aspectos que nós simples mortais muitas vezes usamos para fazer a diferença entre pessoas.

c) A oportunidade de recomeço.

Quando as epidemias aparecem e depois se vão, sempre deixam um rastro de destruição, porém, sempre existe a oportunidade de um recomeço. E, como a vida precisa continuar, seguir adiante, é necessário recolher os cacos e pavimentar o futuro, enquanto Deus nos permitir.

d) A oportunidade de olhar além.

Algo verdadeiramente importante é que nós cristãos não depositamos a nossa esperança nas coisas efêmeras e passageiras da vida presente. Caso contrário receberíamos do apóstolo a seguinte advertência: “Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens.” (1Co 15.18)

e) A oportunidade de cultivar a paciência.

Em tempos de quarentena, à medida que o tempo passa vai aumentando a ansiedade, a expectativa e o desejo por dias melhores, pela “volta da normalidade”. Mas é preciso cultivar a paciência até este momento angustioso acabar. Essa situação que estamos vivendo nos remete à expectativa de um evento incomparavelmente superior que devemos aguardar com paciência: “Há, todavia, uma coisa, amados, que não deveis esquecer: que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia.” (2Pe 3.8). A pergunta que não quer calar é se também arde em nós a expectativa do término da “quarentena terrena” e o desejo da manifestação gloriosa do Senhor Jesus na sua segunda vinda.    

“aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus,” (Tt 2.13)


[1] Fonte: Wikipédia

[2] Ujvari, Stefan Cunha – A história e suas epidemias. SENAC (2003)

[3] Livro: História da Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro (1862 – 2012)

Crise e Esperança

Introdução

Comecemos relembrando os conceitos de Crise e Esperança.

Crise (gr. krisis; latim crisis) – Alteração no desenvolvimento normal de algo. Situação de tensão ou aflitiva. Desequilíbrio emocional ou nervoso súbito. Falta ou escassez de algo. Situação difícil, anormal e grave.

Esperança – é o ato de esperar aquilo que se deseja obter. Ter esperança é acreditar que alguma coisa muito desejada vai acontecer. (Antônimo: desespero)

SENSIBILIZAÇÃO

Nesta breve reflexão sobre o tema faremos, inicialmente, uma abordagem existencial, buscando a sensibilização de cada um quanto a aspectos que às vezes passam despercebidos no nosso cotidiano. Assim, sem atentarmos para eles, deixamos de evitar crises; ou, passando por crises, somos sufocados por elas, a ponto de quase sucumbir.

1. A REALIDADE DA CRISE

Imaginem este diálogo entre Adão e Eva: – Adão, meu marido, por que os rapazes ainda não chegaram para o almoço? Eles não costumam demorar tanto. – Minha querida, Abel estava cuidando do rebanho quando vi Caim chegar perto dele e, então os dois saíram em direção ao campo onde Caim estava trabalhando. Depois disso não os vi mais. – O que será que está acontecendo? É melhor você ir lá chamá-los. Algum tempo depois Adão retorna para casa, transtornado. Quando Eva o vê daquele jeito fica aflita. – O que aconteceu de tão grave, meu marido? Onde estão os rapazes? – Minha querida, nem sei como te dizer isso. (choro e suspiros). – Adão, você está me apavorando. Fala logo! Com muita dificuldade ele diz: – Meu amor, eu encontrei o corpo de Abel no chão, ensanguentado e pálido. Ele está morto! Não vi Caim. Desesperada ela sai ao encontro de Abel, gritando: – Meu Deus, isso não! Meu filhinho amado, não!

E, assim, desde as mais remotas épocas, as crises estão presentes nas famílias. Um descendente de Caim falou assim: “E disse Lameque às suas esposas: Ada e Zilá, ouvi-me; vós, mulheres de Lameque, escutai o que passo a dizer-vos: Matei um homem porque ele me feriu; e um rapaz porque me pisou.” (Gn 4.23). Ao longo da história bíblica e da humanidade, de uma forma ou de outra, todas as famílias enfrentaram crises: Noé, Abraão, Isaque, Jacó, Jó, Anrão e Joquebede, Naamã, Elcana e Ana, Davi,…., José e Maria, os apóstolos etc. A crise é uma realidade; não é exclusividade de uma determinada pessoa ou família. Jesus nos preveniu: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (Jo 16.33; ver Rm 8.31-39).

Entretanto, precisamos refletir sobre algumas questões: Determinadas crises podem ser evitadas?  Por que, aparentemente, alguns passam por mais crises do que outros? É preciso ter uma vida/família estruturada, organizada e equilibrada para estar mais disponível para ajudar outras pessoas e famílias!

2. OS AGENTES DA CRISE

a) As crises têm causas (naturais, humanas e sobrenaturais)

CAUSAS NATURAIS – desastres naturais, tempestades e enchentes, seca prolongada, epidemias e pandemias, doenças congênitas, doenças adquiridas (incuráveis), deficiências orgânicas causadas pelo envelhecimento do corpo, morte na família, dentre outras.

CAUSAS HUMANAS – são aquelas provocadas pelo ser humano; pelo próprio ou pelo outro; por suas ações e omissões; por suas invenções; seus governos ou desgovernos, por acidentes que provocam, dentre outras.

CAUSAS SOBRENATURAIS – são aquelas que acontecem devido à intervenção divina, inclusive os seus juízos; também aquelas provocadas pelo Diabo, com a permissão de Deus.

Vejamos, como exemplo, algumas crises mais relevantes ocorridas.

Nos primeiros meses de 2019:
– Brumadinho (rompimento de barragem – MG)(JAN)
– CT do Flamengo (incêndio)(FEV)
– Ricardo Boechat (queda de helicóptero)(FEV)
– Escola Raul Brasil-Suzano/SP (massacre)(MAR)
– Enchentes (várias cidades)(JAN-MAR)

Nos primeiros meses de 2020:
– Enchentes (várias cidades)(JAN-MAR)
– Pandemia do coronavírus (FEV-???)

Em mais de 6 décadas de vida nunca vivenciei uma crise como esta listada por último. Entretanto, a maior parte das crises que nos afetam tem causa humana. Se investigarmos essas causas humanas, certamente identificaremos alguns fatores comuns, tais como:

– Falta de prevenção/atenção ou descuido/negligência.
– Falta de responsabilidade/respeito.
– Ganância, egoísmo.

E, na base de todas as causas, o pecado!

b) Há situações que podem provocar crises (faltas, perdas)

É a perda ou falta de ente queridos, da saúde, do emprego, de relacionamentos, de bens, de respeito (booling), da consideração, de segurança, de confiança no outro.

Resiliência é uma palavra que se torna cada vez mais conhecida. É um termo que vem da física, como o fenômeno de retorno da mola, quando cessa a pressão sobre ela; é o retorno à posição vertical daquele boneco “João teimoso”. Na psicologia, significa o poder de recuperação do indivíduo após ser submetido a situações estressantes e dolorosas, a perdas, a calamidade. “O equilíbrio humano é semelhante à estrutura de uma construção; se a pressão for superior à resistência, aparecerão rachaduras (doenças e lesões, por exemplo). Dentre as mais diferentes doenças psicossomáticas que se manifestam no indivíduo que não possui resiliência, estão não apenas o estresse, mas doenças graves como a gastrite até a síndrome do pânico, doenças intestinais, hipertensão arterial, entre outros males” (Dr. Alberto D’Auria).

Precisamos ser como bambus e varas verdes, que se dobram sob a pressão do vento, mas não se quebram. A vida é feita de perdas e ganhos, não podemos paralisá-la diante das perdas. Em nome de Jesus é preciso se libertar do passado. Isso é doentio!

c) As crises oferecem a oportunidade de reavaliação da vida, de comportamentos.

Às vezes se vive uma vida mediana, inexpressiva, marcada pelo comodismo. Aí, acontece uma crise, e com ela a reavaliação de tudo, provocando as mudanças necessárias.

Alguns vivem de forma fútil, confortável, porém vazia; focados nos bens, valores e prazeres materiais. Aí surge a crise e a pessoa redireciona o foco da sua vida para o que realmente tem valor.

d) As crises oferecem a oportunidade de um novo começo.

– Após a trágica morte de Abel temos o seguinte registro bíblico; porque é preciso seguir adiante: “Tornou Adão a coabitar com sua mulher; e ela deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Sete; porque, disse ela, Deus me concedeu outro descendente em lugar de Abel, que Caim matou.” (Gn 4.25)

– Há “crises” e “perdas” que produzem vida. Jesus afirmou: “se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto.” (Jo 12.24)

– Assim respondeu Jó aos seus amigos: “Porque há esperança para a árvore, pois, mesmo cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus rebentos.” (Jó 14.7)

No canteiro abaixo fica fácil ilustrar essa ideia de recomeço.

Relembrando….

a) As crises têm causas (naturais, humanas e sobrenaturais)
b) Há situações que podem provocar crises (faltas, perdas)
c) As crises oferecem a oportunidade de reavaliação da vida, de comportamentos.
d) As crises oferecem a oportunidade de um novo começo.

3. A REALIDADE DA ESPERANÇA

A esperança é um ato desenvolvido por quem está vivo!  “Para aquele que está entre os vivos há esperança; porque mais vale um cão vivo do que um leão morto.” (Ec 9.4)

a) A esperança é invisível aos olhos naturais.

“Porque, na esperança, fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera?” (Rm 8.24)

Ainda que invisível, a verdadeira esperança não é fruto do imaginário, não é abstrata, não é ilusória, não é vã, não é baseada em crendices e nem nos discursos fantasiosos dos profissionais de autoajuda. Mas ela pode ser contemplada pelos olhos da fé. De onde ela vem?

b) A esperança tem procedência certa.

“Somente em Deus, ó minha alma, espera silenciosa, porque dele vem a minha esperança.” (Sl 62.5)

“Bendito o homem que confia no SENHOR e cuja esperança é o SENHOR.” (Jr 17.7)

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,” (1Pe 1.3)

De nada adianta colocar nossa fé e nossa esperança em pessoas e coisas; em falsos deuses e falsas promessas.

c) A esperança se extingue quando Deus é deixado de lado.

“Mas eles dizem: Não há esperança, porque andaremos consoante os nossos projetos, e cada um fará segundo a dureza do seu coração maligno.” (Jr 18.12)

Quando o ser humano decide ser o protagonista exclusivo do seu caminho, do seu destino; cativo da sua própria vontade e rompendo com Deus e sua vontade, fica à deriva ao sabor da própria sorte. Como decorrência do que foi dito no item anterior, isso é o que acontece quando se deixa de lado a fonte da esperança.

d) A esperança transpõe os portais da eternidade

“Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens.” (1Co 15.19)

“por causa da esperança que vos está preservada nos céus, da qual antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho,” (Cl 1.5)

A Bíblia se expressa de forma clara e objetiva sobre o assunto. Porém, por vezes, nos envolvemos tão fortemente com as coisas desta vida que nos esquecemos de quanto a existência terrena é curta e transitória. Daí, quando surge uma ameaça efetiva à sua continuidade perdemos o chão.

e) A esperança precisa ser cultivada

“Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança.” (Rm 15.4)

“Quero trazer à memória o que me pode dar esperança.” (Lm 3.21)

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança.” (Rm 5.3-4)

Sem dúvida é a palavra de Deus guardada em nossas mentes e corações e o testemunho verdadeiro de como Deus tem sustentado os seus filhos que há de nos suprir e fortalecer o ânimo e prover-nos de força interior para resistir no dia mau.

f) A esperança renova a alegria de viver

“regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes;” (Rm 12.12)

“E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.” (Rm 15.13)

Nem sempre a vida é tão generosa conosco, cristãos ou não. No entanto, a esperança do cristão é real e verdadeira conseguindo produzir nele a renovação da alegria de viver, de seguir adiante.

g) Não desista da esperança!

“Abraão, esperando contra a esperança, creu, para vir a ser pai de muitas nações, segundo lhe fora dito: Assim será a tua descendência.” (Rm 4.18)

“na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus.” (Rm 8.21)

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.” (1Co 13.13)

“E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro.” (1Jo 3.3)

Vale lembrar aquelas máximas populares: “Enquanto há vida, há esperança”; “A esperança é a última que morre”. Portanto, por mais difícil que seja a situação ou mais improvável que seja a realização ou a solução, a mensagem é “não desista, mantenha a esperança!”

h) Somos chamados para sermos agentes da esperança

“Pois quem é a nossa esperança, ou alegria, ou coroa em que exultamos, na presença de nosso Senhor Jesus em sua vinda? Não sois vós?” (1Ts 2.19)

“antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós,” (1Pe 3.15)

Por fim, acima e além de ter esperança, o chamamento divino através do apóstolo Paulo é para encarnarmos a esperança cristã. Assim, personificando a esperança, temos a missão de ir e transmiti-la a quem dela necessitar.

Relembrando….

a) A esperança é invisível aos olhos naturais.
b) A esperança tem procedência certa.
c) A esperança se extingue quando Deus é deixado de lado.
d) A esperança transpõe os portais da eternidade.
e) A esperança precisa ser cultivada.
f) A esperança renova a alegria de viver.
g) Não desista da esperança!
h) Somos chamados para sermos agentes da esperança.

Conclusão

É preciso ter uma postura correta no cotidiano para prevenirmos crises e evitarmos ser Agentes da Crise!

É preciso ter uma vida/família estruturada, organizada e equilibrada para estar mais disponível para ajudar outras pessoas e famílias!

Num mundo envolto em tantas crises, sejamos sempre proativos, sejamos Agentes da Esperança!

%d blogueiros gostam disto: